O TERCEIRO DIA

Enquanto o trem avança em direção a Pádua, eu penso nas viagens que fiz pelo Nordeste do Brasil, nas construções simples e limpas, adornadas por uma geometria sumária, nas casas brancas e capelas pequeninas com seus cruzeiros na cumeeira iluminados. O dia de sol radiante na Itália é, para mim, o mesmo sob as cidades esquecidas na beira da estrada que corta a Bahia em sua latitude.

“No te escondas, que ya te has puesto viejo.

Que a Natura obedezcas te aconsejo,

Que el tiempo te robó tu fortaleza.

…Está marcado tu destino, y si tarda treinta

años o quarenta, te ha de parecer mucho,

aunque no es nada.”

                                                                                 Petrarca, Cancionero.

                                                                                   Versión de Ángel Crespo

 

Veneza, terça-feira, 23 de março de 1993

Enquanto o trem avança em direção a Pádua, eu penso nas viagens que fiz pelo Nordeste do Brasil, nas construções simples e limpas, adornadas por uma geometria sumária, nas casas brancas e capelas pequeninas com seus cruzeiros na cumeeira iluminados. O dia de sol radiante na Itália é, para mim, o mesmo sob as cidades esquecidas na beira da estrada que corta a Bahia em sua latitude. Meu reencontro com a pintura da Cappela degli Scrovegni é também uma volta para casa. Os afrescos de Giotto mimetizam as paisagens pedregosas do sertão, o céu muito azul, os rebanhos de cabras pastando e a vegetação esquálida. O colorido resplandece em inúmeros dourados, verdes-esmeraldas, carmins e azuis, como nos dias festeiros de procissão. Em O sacrifício de Joaquim, Deus se manifesta em mistério glorioso, por meio de uma minúscula mão suspensa no ar.

Vargem Grande, Sítio São João, outubro de 1999.

O Terceiro Dia

Revelo algumas árvores íntimas. Para mim, elas são a ponte entre o céu e a terra. Suas copas sustentam o firmamento, suas raízes profundas são as fundações de uma grande arquitetura. Antes mesmo de criar o sol, a lua e as estrelas, Deus, no terceiro dia, deu vida às árvores. E nos pôs a caminhar entre elas.

Havia no pomar, ao lado do meu ateliê em Teresópolis, uma velha pereira morta. Não deixei que a cortassem. Seu tronco e galhos retorcidos eram o abrigo de pássaros, parasitas e fungos. Durante o dia, essa árvore aderia-se à paisagem clara. Nas noites limpas e frias de inverno, seu desenho bruxuleante surgia como uma grande onda deslizando sobre o fundo azul do mar. Seus galhos, secos e brancos como ossos, apontavam as estrelas que deambulavam vagarosamente.

Mesmo morta, como uma pedra, essa árvore estava sempre em movimento. Se a imaginava imóvel, havia nela o deslocamento de sua forma, que se lançava como uma elipse ascendente. Agora, ela reaparece como uma sombra em minha pintura. É a árvore que hoje se oculta e se revela entre tantas outras árvores.

PS: Essas são reminiscências de meus diários escritos nas últimas décadas.

Gonçalo Ivo

Madri, 12 de outubro de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os sucos da paisagem de Adrien Vescovi infundem a tela e o tempo

POR MARC POTTIER
Estas obras capturam os traços da natureza em ação em instalações monumentais em tela. Adrien Vescovi deixa brincar …

ALTO FALANTE

10 Museus pelo mundo que você precisa conhecer

POR ALEXANDRA MORCOS (TURISMO DE PRIMEIRA)
Museus reúnem a história de nossas gerações passadas. Ao visitar um museu, você entende como …

Notícias da França

O panteísmo de Daniela Busarello é corporificado em seus metafóricos Corpos-Paisagens Abstratas.

POR MARC POTTIER
Com uma energia rara e um olhar que engloba a diversidade da humanidade do passado e do presente, …

Notícias da França

Julian Charrière aproxima os espaços entre o homem e a natureza

Por MARC POTTIER
A pesquisa multidisciplinar de Julian Charrière destaca as tensões que animam a relação entre o homem e a …

Bastidores Dasartes

DOCUMENTA15

POR SYLVIA CAROLINNE
Dia 15 de junho a abertura da documenta15, ou do “Museu de 100 dias”, como ocorre a cada …

ALTO FALANTE

A locomotiva d'Agata

POR CLAUDIA TAVARES
“Não trabalhe a fotografia, trabalhe a vida.”
A afirmação foi dita por um artista francês durante um dia de …

ALTO FALANTE

Poesia do cotidiano: breve história do design brasileiro em Milão

POR MATTEO BERGAMINI

A semana do Salão do Móvel voltou em Milão de 7 até 12 de junho: após três anos …

Bastidores Dasartes

ARCO LISBOA

POR SYLVIA CAROLINNE
ARCO LISBOA : E eu só consigo pensar em cronogramas e logísticas
ARCO Lisbon – And all I can …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 3ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 3ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 7: UMA PÉROLA DE …

Notícias da França

T Erra Mot O de Anaïs Lelièvre metaforiza o terremoto de Lisboa

POR MARC POTTIER
Conhecida pelas suas instalações de desenho imersivas aninhadas na memória de um lugar, a artista francesa Anaïs Lelièvre …

Bastidores Dasartes

ArPA

POR SYLVIA CAROLINNE
Acabei de conversar com a Camilla e, fugindo ao formato proposto a seguir nas colunas, de acompanhar ao …

Iluminuras

O cão silencioso

Por Gonçalo Ivo
Ando na multidão e o meu nome é Ninguém.
Na cidade que cheira a peixe podre
e gasolina e demagogia
pisado …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 2ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 2ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 4: BRASILIDADES
DAY 4: BRAZILIANNESS
Hoje …

Notícias da França

A utopia da dupla Lonneke Gordijn e Ralph Nauta do Studio Drift reconecta humanos e natureza por meio da tecnologia.

Dentes-de-leão em esculturas leves, estranhas águas-vivas em tecidos ou aglomerados de pássaros drone desenhando uma coreografia… a alta tecnologia que …

Iluminuras

Missa de Réquiem para Jon Hassell

“Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo
em que até aves vêm cantar para encerrá-lo.
Em cada …