O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha

Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina ou pedra. Se pedra, talvez me dissimulando em verme, deslizando à procura de um ventre, a revelar tão somente minha ínfima parte superior.
Testemunharia a passagem das horas, a lentidão das sucessivas estações, o sol, a chuva, a neve e o eterno e dolente caminho dos astros em busca de um abrigo em um canto do firmamento.

A montanha

Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina ou pedra. Se pedra, talvez me dissimulando em verme, deslizando à procura de um ventre, a revelar tão somente minha ínfima parte superior.

Testemunharia a passagem das horas, a lentidão das sucessivas estações, o sol, a chuva, a neve e o eterno e dolente caminho dos astros em busca de um abrigo em um canto do firmamento.

Mas gostaria de retornar, sobretudo, como a Montagne Sainte-Victoire, reinventada a cada meticulosa pincelada de Paul Cézanne. E seria feliz em ser também árvore e sebe, acariciada pelo vento que corre em direção ao continente, vindo do golfo de Marseille.

Pedras guardam na alma a eternidade. Transformam-se em muros, casas, estradas e cidades, recriam-se eternamente, íntegras mesmo quando erodidas de suas formas pontiagudas e cortantes, metamorfoseadas em sólidos arredondados, adormecidos nos leitos dos rios.

Hermann Hesse, em um de seus contos, descreve uma montanha que sente, vive e vê tudo que passa. É um corpo nu, como num conto de fadas, deitado sobre o mundo. Pressente o calor, e em seu cume uma pequena depressão de água acumulada revela, como uma íris,um cristalino lago que a tudo reflete a tornar manifesto o tempo.

Autorretrato enquanto pedra

Quando cheguei a Bethany, Connecticut, no dia 3 de março de 2020, encantei-me com o lago que dominava a paisagem. Ao seu redor, estreitos caminhos de pedra o adornavam como um valioso e extenso colar. Enxergava em sua plana superfície um olho vigilante. Testemunhou meu exílio compulsório e foi a sentinela da minha solidão.

Ancorado a essa realidade, os dias e as noites eram sequências de sonhos. Só me restou inventariar o que presenciava: árvores, corujas, esquilos, águias, pássaros, insetos… Tudo o que aquela parcela de terra me oferecia, mas em especial suas rochas e pedras deitadas, a repousar em seu sono sobre o chão.

Como metáforas, eram rostos e ocultavam pensamentos. Procurei nelas, em suas formas ora ovaladas, ora cortantes como navalhas, imagens, indícios de faces apagadas pela erosão.

Vivi alguns meses no James and Lilian Clark Studio, convidado pela Josef and Anni Albers Foundation. Trabalhei todos os dias, da madrugada ao fim da noite.

As quatro grandes janelas do ateliê, ao mesmo tempo, traziam a claridade do dia para o interior e me convidavam à contemplação do que se passava do lado de fora.

E, mesmo na primavera, o pequeno e providencial fogão a lenha irradiava calor e o odor da madeira queimada pela casa. Tornou-se uma espécie de interlocutor nos longos dias e nas extensas noites.

Não pude trazer as pedras que achava em meu caminho para agregarem-se à coleção que faço desde minha infância. Quando cheguei a Vargem Grande, voltei a trabalhar em têmpera e aquarela, dando sequência à série que iniciei em Bethany, – L’inventaire des pierres solitaires.

Essas pinturas são reflexos no espelho, tentativas de entender e purificar dias de exílio e solidão.

Foto: Gabi Carrera

Vargem Grande, 22 de fevereiro de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Jean-Michel Othoniel, o mágico do reencantamento

Não confie nas únicas transparências imaginadas por Jean-Michel Othoniel. Enquanto assume uma busca pela beleza que anda de mãos dadas …

colunas Iluminuras

Esse mundo perfeito

À memória de Lélia Coelho Frota
“Nosso negócio é a contemplação da nuvem.”
Carlos Drummond de Andrade
“Suas pinturas são nuas como Adão …

Iluminuras

CHUVA

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de
gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos –
como el mismo amor –, cubista …

Notícias da França

De Hope a Nope, de We The People a We The Future, as serigrafias que se tornaram icônicas por Obey …

Iluminuras

O TERCEIRO DIA

“No te escondas, que ya te has puesto viejo.
Que a Natura obedezcas te aconsejo,
Que el tiempo te robó tu fortaleza.
…Está …

Notícias da França

Com seu livro-objeto Flor no Asfalto, Claudia Jaguaribe inspira o simbiótico

Em busca de um trabalho comprometido com as fronteiras da fotografia, design gráfico e editorial, Claudia Jaguaribe desenvolve uma narrativa …

Iluminuras

SEMPRE EUROPA / FRANÇA e ITÁLIA

Biarritz, 20 de janeiro de 1991
Denise escolheu Biarritz para pernoitarmos. Lembrou das antigas fotografias de Jacques Henri Lartigue, nas quais …

Iluminuras

A MÁRIO E ROBERTO

Azeitão, sábado, 21 de janeiro de 1989
Nazaré é uma cidade costeira. Há uma pequena enseada e um ancoradouro de pedras …

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …