O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha

Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina ou pedra. Se pedra, talvez me dissimulando em verme, deslizando à procura de um ventre, a revelar tão somente minha ínfima parte superior.
Testemunharia a passagem das horas, a lentidão das sucessivas estações, o sol, a chuva, a neve e o eterno e dolente caminho dos astros em busca de um abrigo em um canto do firmamento.

A montanha

Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina ou pedra. Se pedra, talvez me dissimulando em verme, deslizando à procura de um ventre, a revelar tão somente minha ínfima parte superior.

Testemunharia a passagem das horas, a lentidão das sucessivas estações, o sol, a chuva, a neve e o eterno e dolente caminho dos astros em busca de um abrigo em um canto do firmamento.

Mas gostaria de retornar, sobretudo, como a Montagne Sainte-Victoire, reinventada a cada meticulosa pincelada de Paul Cézanne. E seria feliz em ser também árvore e sebe, acariciada pelo vento que corre em direção ao continente, vindo do golfo de Marseille.

Pedras guardam na alma a eternidade. Transformam-se em muros, casas, estradas e cidades, recriam-se eternamente, íntegras mesmo quando erodidas de suas formas pontiagudas e cortantes, metamorfoseadas em sólidos arredondados, adormecidos nos leitos dos rios.

Hermann Hesse, em um de seus contos, descreve uma montanha que sente, vive e vê tudo que passa. É um corpo nu, como num conto de fadas, deitado sobre o mundo. Pressente o calor, e em seu cume uma pequena depressão de água acumulada revela, como uma íris,um cristalino lago que a tudo reflete a tornar manifesto o tempo.

Autorretrato enquanto pedra

Quando cheguei a Bethany, Connecticut, no dia 3 de março de 2020, encantei-me com o lago que dominava a paisagem. Ao seu redor, estreitos caminhos de pedra o adornavam como um valioso e extenso colar. Enxergava em sua plana superfície um olho vigilante. Testemunhou meu exílio compulsório e foi a sentinela da minha solidão.

Ancorado a essa realidade, os dias e as noites eram sequências de sonhos. Só me restou inventariar o que presenciava: árvores, corujas, esquilos, águias, pássaros, insetos… Tudo o que aquela parcela de terra me oferecia, mas em especial suas rochas e pedras deitadas, a repousar em seu sono sobre o chão.

Como metáforas, eram rostos e ocultavam pensamentos. Procurei nelas, em suas formas ora ovaladas, ora cortantes como navalhas, imagens, indícios de faces apagadas pela erosão.

Vivi alguns meses no James and Lilian Clark Studio, convidado pela Josef and Anni Albers Foundation. Trabalhei todos os dias, da madrugada ao fim da noite.

As quatro grandes janelas do ateliê, ao mesmo tempo, traziam a claridade do dia para o interior e me convidavam à contemplação do que se passava do lado de fora.

E, mesmo na primavera, o pequeno e providencial fogão a lenha irradiava calor e o odor da madeira queimada pela casa. Tornou-se uma espécie de interlocutor nos longos dias e nas extensas noites.

Não pude trazer as pedras que achava em meu caminho para agregarem-se à coleção que faço desde minha infância. Quando cheguei a Vargem Grande, voltei a trabalhar em têmpera e aquarela, dando sequência à série que iniciei em Bethany, – L’inventaire des pierres solitaires.

Essas pinturas são reflexos no espelho, tentativas de entender e purificar dias de exílio e solidão.

Foto: Gabi Carrera

Vargem Grande, 22 de fevereiro de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …