Robert Smithson, Spiral Jetty, 1970

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”; já não existem representações ideais; só existe o deserto.” Kasimir Malevitch. Manifesto do Suprematismo.   Penso a pintura como um corpo em eterna transmutação, que cresce como a árvore espalhando seus ramos no vazio do espaço e no segredo oculto da terra, seu sustento. Vive essa constante evolução […]

“ Já não existem “imagens da realidade”;

já não existem representações ideais;

só existe o deserto.”

Kasimir Malevitch. Manifesto do Suprematismo.

 

Penso a pintura como um corpo em eterna transmutação, que cresce como a árvore espalhando seus ramos no vazio do espaço e no segredo oculto da terra, seu sustento. Vive essa constante evolução sem perder sua essência. Não me refiro a retórica, estilo, discurso ou tendência. Quero reivindicar para a pintura o que a constitui de forma primeira, a matéria que a cobre como a carne e o sangue a envolver os corpos, trazendo amparo e sentido aos ossos e ao espírito.

A pintura, quando submetida à regra de ouro da passagem do tempo e do movimento das marés, revela nas noites silenciosas seu próprio apagar. O escurecimento secular de Ronda noturna, de Rembrandt van Rijn, e o outrora amarelo vivo de Vincent van Gogh, hoje um pálido ocre açafrão incrustado em um girassol em flor, exortam a melancolia de tudo o que se foi.

Michael Heizer – North, East, South, West, 1967/2002, Dia Art Foundation

Fixo então meu olhar em Quadrado negro sobre fundo branco, de Kazimir Malevitch, feita em 1915, há pouco mais de um século. Essa pintura, de dimensões modestas, me faz refletir sobre inúmeros assuntos, entre os quais obras e propostas de artistas como Robert Smithson, Michael Heizer, Nancy Holt, Walter De Maria, Eduardo Chillida, Joseph Beuys e muitos outros, em que a natureza e o espaço têm uma função seminal. Há um encantamento enigmático e perene quando contemplo os sulcos e o craquelê engastados no quadrado negro da pintura de Malevitch. Recordo a aridez do seco e o infinito solo do sertão do Nordeste brasileiro, castigado pela implacável ação do tempo, tendo como testemunha o encurvado e imantado céu azul, que a tudo submete em sua lenta caminhada e traz uma estranha e nova qualidade pictórica a essa obra.

Kazimir Malevich, Quadrado preto sobre um fundo branco, 1918

Spiral Jetty, escultura monumental de land art do artista Robert Smithson (1938 – 1973), agarrada como um brinco desenhado por Calder à paisagem árida do Great Salt Lake, em Utah, nos Estados Unidos, formada basicamente por pedras negras basálticas e instalada em 1970 sobre a serena superfície desse lago, submergiu após alguns anos. Reapareceu em 2002, praticamente trinta anos depois. Seu aspecto já não era o mesmo. Esbranquiçada pelos cristais de sal em entropia sobre a superfície rosada do espelho d’água, ela evidencia a fabulosa transformação das coisas. Percebemos mais uma vez a mão do tempo sobre a matéria.

Transportamo-nos ao século XII, norte da Etiópia. Por determinação do rei Lalibela, que desejava erigir uma réplica de Jerusalém em seus domínios, foram construídos vários templos coptas escavados de forma perpendicular – do céu à terra – em rocha vulcânica, como o templo de São George, um monólito que ostenta a forma de uma gigantesca cruz grega. Não é privilégio dos artistas da land art ou de artistas contemporâneos proporem intervenções na natureza. Refletir sobre o sublime, o que há de religioso e secreto ou sacro na paisagem ou na vida, faz parte da longa história da arte.

Igreja de São George, em Lalibela, Etiópia

Vargem Grande, 2 de dezembro de 2020.
Gonçalo Ivo.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …

Notícias da França

A indisciplina de Michel Paysant, uma simbiose de todos os campos estéticos

A meio caminho entre o artista plástico digital e o técnico utópico, Michel Paysant define a arte como um projeto …

Iluminuras

Marcas da Maldade III

O HOMEM ARMADO
L’Homme armé
L’homme armé doibt on doubter.
On a fait partout crier
Que chascun se viengne armer
D’un haubregon de fer.
L’homme armé …

Notícias da França

A curiosidade insaciável de Xavier Veilhan

Xavier Veilhan mostra uma curiosidade insaciável e multiplica intervenções esteticamente estimulantes. Unindo ciência e arte, seu vocabulário criativo, com instalações …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE II - BABEL

Kyrie Eleison (Gregorian)
Kyrie eleison.
Christe eleison.
Kyrie eleison.
 

Desde o princípio queria ter sido pedra, inseto ou pássaro. Talvez um alto e longilíneo …

Notícias da França

Híbrido e desinibido, Pascale Marthine Tayou aspira a uma nova humanidade

Concebidos como uma experiência a ser vivida, os assemblages de Pascale Marthine Tayou combinam símbolos africanos e europeus. Sem complexo, …

ALTO FALANTE

Maria Bonomi, gravura impura

Recentemente, em meio aos abundantes motivos de tristeza e apreensão, tive a alegria de receber de Maria Bonomi dois importantes …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE I

Tudo é mal. Isto é, tudo o que existe é mal; a existência de cada coisa é um mal; o …

Notícias da França

Dinastia: a família Yunes, três gerações de Stakhanovistas do mundo de arte

Esta é a história de uma dinastia cultural. Após a morte de Jorge Yunes, a coleção da família tornou-se agora …

Iluminuras

UMA CONCHA

Há artistas que revelam o mistério e a incerteza. Vagam em universos colisivos, como a noite dos sonhos, o sublime …

Notícias da França

Os jardins memoriais ​​de Rachid Koraïchi conectam a humanidade à sua história

Nutrido pela mística sufi, Rachid Koraïchi desenvolve uma obra universal inspirada nos números e na caligrafia. Enquanto corre o mundo …

Iluminuras

PER UN AMICO

One of these days
I’m gonna sit down and write a long letter
To all the good friends I’ve known
Neil Young
Conheci o …

Notícias da França

O desenho de Ernest Pignon-Ernest infunde uma ética humanista na arte urbana

Um pioneiro da arte urbana comprometida, Ernest Pignon-Ernest afirma “causar algo” na rua com seus desenhos. Por mais de 50 …

Iluminuras

NA ESCURIDÃO

O hálito do imóvel. Um vulto rígido
de animal no azul, sua santidade.
Poderoso é o silêncio da pedra…
Georg Trakl
 

Alfred Leopold Isidor …

Notícias da França

Françoise Pétrovitch nos leva para o outro lado do espelho

Com um bestiário animado e ambivalente, próximo à imaginação peculiar de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, Françoise …