Robert Smithson, Spiral Jetty, 1970

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”; já não existem representações ideais; só existe o deserto.” Kasimir Malevitch. Manifesto do Suprematismo.   Penso a pintura como um corpo em eterna transmutação, que cresce como a árvore espalhando seus ramos no vazio do espaço e no segredo oculto da terra, seu sustento. Vive essa constante evolução […]

“ Já não existem “imagens da realidade”;

já não existem representações ideais;

só existe o deserto.”

Kasimir Malevitch. Manifesto do Suprematismo.

 

Penso a pintura como um corpo em eterna transmutação, que cresce como a árvore espalhando seus ramos no vazio do espaço e no segredo oculto da terra, seu sustento. Vive essa constante evolução sem perder sua essência. Não me refiro a retórica, estilo, discurso ou tendência. Quero reivindicar para a pintura o que a constitui de forma primeira, a matéria que a cobre como a carne e o sangue a envolver os corpos, trazendo amparo e sentido aos ossos e ao espírito.

A pintura, quando submetida à regra de ouro da passagem do tempo e do movimento das marés, revela nas noites silenciosas seu próprio apagar. O escurecimento secular de Ronda noturna, de Rembrandt van Rijn, e o outrora amarelo vivo de Vincent van Gogh, hoje um pálido ocre açafrão incrustado em um girassol em flor, exortam a melancolia de tudo o que se foi.

Michael Heizer – North, East, South, West, 1967/2002, Dia Art Foundation

Fixo então meu olhar em Quadrado negro sobre fundo branco, de Kazimir Malevitch, feita em 1915, há pouco mais de um século. Essa pintura, de dimensões modestas, me faz refletir sobre inúmeros assuntos, entre os quais obras e propostas de artistas como Robert Smithson, Michael Heizer, Nancy Holt, Walter De Maria, Eduardo Chillida, Joseph Beuys e muitos outros, em que a natureza e o espaço têm uma função seminal. Há um encantamento enigmático e perene quando contemplo os sulcos e o craquelê engastados no quadrado negro da pintura de Malevitch. Recordo a aridez do seco e o infinito solo do sertão do Nordeste brasileiro, castigado pela implacável ação do tempo, tendo como testemunha o encurvado e imantado céu azul, que a tudo submete em sua lenta caminhada e traz uma estranha e nova qualidade pictórica a essa obra.

Kazimir Malevich, Quadrado preto sobre um fundo branco, 1918

Spiral Jetty, escultura monumental de land art do artista Robert Smithson (1938 – 1973), agarrada como um brinco desenhado por Calder à paisagem árida do Great Salt Lake, em Utah, nos Estados Unidos, formada basicamente por pedras negras basálticas e instalada em 1970 sobre a serena superfície desse lago, submergiu após alguns anos. Reapareceu em 2002, praticamente trinta anos depois. Seu aspecto já não era o mesmo. Esbranquiçada pelos cristais de sal em entropia sobre a superfície rosada do espelho d’água, ela evidencia a fabulosa transformação das coisas. Percebemos mais uma vez a mão do tempo sobre a matéria.

Transportamo-nos ao século XII, norte da Etiópia. Por determinação do rei Lalibela, que desejava erigir uma réplica de Jerusalém em seus domínios, foram construídos vários templos coptas escavados de forma perpendicular – do céu à terra – em rocha vulcânica, como o templo de São George, um monólito que ostenta a forma de uma gigantesca cruz grega. Não é privilégio dos artistas da land art ou de artistas contemporâneos proporem intervenções na natureza. Refletir sobre o sublime, o que há de religioso e secreto ou sacro na paisagem ou na vida, faz parte da longa história da arte.

Igreja de São George, em Lalibela, Etiópia

Vargem Grande, 2 de dezembro de 2020.
Gonçalo Ivo.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …