Giovanni Bellini, Alegoria sacra

O SÉTIMO SELO

A imobilidade é a gênese de tudo, e a partir dessa ideia, percorro uma vereda de pensamentos tortuosos que me levam a Giovanni Bellini, (1430 – 1516). Como num espelho, experimento, em Alegoria sacra, o físico e o imaterial, o estático e o que de forma lenta se move, como a bruma úmida da manhã. Essa pintura, provavelmente executada entre 1490 e 1500, é, para mim, uma das mais intrigantes, potentes e relevantes obras do Cinquecento.

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma

                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do

                                                            eterno começo, o mundo como ele sempre

                                                            foi, no estado de não ser »

                                                                                                   Carl Gustav Jung.

 

A imobilidade é a gênese de tudo, e a partir dessa ideia, percorro uma vereda de pensamentos tortuosos que me levam a Giovanni Bellini, (1430 – 1516). Como num espelho, experimento, em Alegoria sacra, o físico e o imaterial, o estático e o que de forma lenta se move, como a bruma úmida da manhã. Essa pintura, provavelmente executada entre 1490 e 1500, é, para mim, uma das mais intrigantes, potentes e relevantes obras do Cinquecento. Nela, o espaço, erguido com absoluto rigor de pureza e secreta geometria euclidiana, como numa villa de Andrea Palladio, no Broadway Boogie Woogie de Piet Mondrian ou na extensa série Homenagem ao quadrado de Josef Albers, evidencia um delicado tonalismo, em que sombras e enigmáticas luzes brandas carregam um doce colorido e fazem nossas retinas estarem vigilantes, como janelas abertas a transpassar umbrais capazes de conduzir-nos ao sonho.

Bellini nos oferece um lugar onde jamais estaremos. Vivemos o mundo imaginário, um teatro de formas e cores desse solitário artesão a forjar o eterno. Vagamos entre os inúmeros planos da diáfana paisagem, onde o todo jamais será corrompido.

Giovanni Bellini, Alegoria sacra

As figuras idealizadas por esse artista veneziano ora flutuam, ora estão em repouso, petrificadas. Em distintos momentos, percebo lapsos, como se eles professassem o mistério da sacra conversação. Espalham o indivisível e ocupam lugares no campo pictórico, como se fossem peças de xadrez, no metafórico, geométrico e marmóreo piso dessa varanda mágica. Estarão a arguir  o terrestre, o mito, o sacro, a gravidade e o ilusório mistério da levitação?

Há uma atmosfera imaterial entre a varanda, o espelho d’água subjacente, os pedregosos montes e os personagens. Intuímos o etéreo na paisagem, como se no passado pudéssemos prenunciar o requinte das últimas pinturas de Paul Cézanne em Aix-en-Provence. O colorido é próximo ao do mestre francês;  nele, sentimos a umidade, a luz que se irradia na refratária atmosfera, e chegamos a ser tocados pela leve corrente de ar vinda do golfo de Marseille. É notório que o artista de Aix não admirava os primitivos italianos, como Masaccio, Giotto e Duccio. Preferia uma pintura mais espacial, como as de Veronese, Ticiano e Tiepolo.

Cézanne estava mais próximo de uma arte que pudesse representar a atmosfera em sutis, refinadas e sucessivas membranas. Afirmava que entre o espectador  e a paisagem havia um percurso de planos e transparências a serem percorridos pelo olhar.

Uma pequena árvore frutífera deslocada do centro da varanda, rodeada por quatro crianças, anima esta enigmática metáfora da árvore da vida.  São Sebastião, com duas flechas ortogonais a penetrar seu corpo, jaz imóvel. Toda a composição é um mosaico que reflete sobre o agora e o eterno.

O intrincado jogo de xadrez que emana da Alegoria sacra é mais do que o sonho perfeito. Interpreto nele os mundos existentes em ambos os lados de uma fina pele que divide o divino, o sublime e a felicidade do lugar da sombra onde o esquecimento sempre triunfa.

 

 

Vargem Grande, 9 de janeiro de 2021.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Notícias da França

A Origem do Mundo

Juliana Notari revoluciona ‘A usina de Arte’ com sua “Diva”.
‘A Usina de Arte’ (aberta em 2015) é uma formidável iniciativa …

Iluminuras

Tempus Fugit - Arena

Hoje contemplei velhas fotografias. Algumas estavam em porta-retratos sobre as mesas. Outras se projetavam das brancas paredes de meu ateliê …

Notícias da França

Com Miguel Rio Branco, Deus perde o poder, e o homem já não é mais sua imagem e semelhança.

É a representação do irrepresentável que interessa a Miguel Rio Branco, e suas obras revelam o nada da humanidade. Ele …

Iluminuras

O TEMPO E A MARÉ

“ Já não existem “imagens da realidade”;
já não existem representações ideais;
só existe o deserto.”
Kasimir Malevitch. Manifesto do …

Notícias da França

Os krafts coloridos de Maxwell Alexandre, arauto inclusivo da emancipação negra brasileira

[Descobrindo os artistas de hoje] Da Rocinha, favela do Rio, aos muros da prestigiada galeria londrina David Zwirner (até 30 …

Iluminuras

Avant-propos

Inverno de 1980, Madrid. Vivi nessa cidade por três meses. Morava no Hotel Londres, na calle de Galdo. Professava minha …

Notícias da França

Uma escultura sonora de Bill Fontana para a Notre Dame de Paris

[Descobrindo os artistas de hoje] Inspirada em uma reconstrução da Notre-Dame de Paris, que ainda está para ser imaginada, muitas …