O cão silencioso

Por Gonçalo Ivo Ando na multidão e o meu nome é Ninguém. Na cidade que cheira a peixe podre e gasolina e demagogia pisado pela tarde vou roçando as escamas das paredes que cosem a minha dor. Sob este céu vinagre sugado por turbinas um vômito de cifras me estonteia. Levo na maresia o meu […]

Por Gonçalo Ivo

Ando na multidão e o meu nome é Ninguém.
Na cidade que cheira a peixe podre
e gasolina e demagogia
pisado pela tarde vou roçando as escamas
das paredes que cosem a minha dor.
Sob este céu vinagre sugado por turbinas
um vômito de cifras me estonteia.
Levo na maresia o meu amor de homem
e ninguém sabe que amo a não ser os cães
que farejam meus passos pelas alamedas. […]
Lêdo Ivo, Finisterra, 1965–1972

 

Admiro meus cães. Estão sempre deitados, estendidos no alpendre de madeira de nossa casa. Parecem ignorar a ordem do mundo. Fatos como guerras e a fome estão distantes de suas apreensões sensoriais. Penso que, para eles, o mundo é o acúmulo de experiências adquiridas de forma instintiva. Toda essa patologia é a glória da natureza, que
caminha paralela à nossa existência. Se, por sorte, um dia, não estivermos mais a caminhar sobre a terra, nenhum réptil, pássaro, verme, peixe, bactéria ou vírus sentirá nossa ausência. Ao contrário, será a primeira jornada de glória e epifania.

A janela aberta deixa entrar a luz do sol que se projeta sobre uma mulher sentada em uma cama. O cenário, uma cidade da América do Norte nos anos 1950. A modelo para a pintura, Jo Hopper, a esposa, como uma esfinge. Jamais saberemos se está a indagar o inefável ou a pensar no preço do sabão de lavar roupa. A arte de Edward Hopper me intriga desde menino. São imagens que carregam em sua essência muitas perguntas e poucas respostas. Transitamos do prosaico e banal ao além da matéria.

Jo, que também era artista, e Edward tinham o costume de viajar de carro pela América. Chegaram ao Novo México. Os automóveis que possuíam eram exaustivamente usados e compulsoriamente abandonados. Conduziam por estradas vicinais e desconhecidas. Edward ia à procura de um sítio que se enquadrasse em seu desejo
obsessivo de ortogonalidade e ordem. Há uma secreta geometria em toda a sua obra e uma esplendorosa submissão à regra do retângulo áureo. Suas composições são precisas e felizes, como a pintura de Piet Mondrian ou a arte de Joseph Albers, em sua infinita Homenagem ao quadrado.

Não apreciava a arte abstrata, tão à la mode na América do Norte dos anos 1950 e 1960. Nem precisava. Nasceu como um anjo torto, gauche na vida e na arte. Seu interesse era narrativo, imagético e psicológico. Herdou de artistas que o precederam, como Grant Wood, George Bellows, Robert Henri, John Sloan ou mesmo Charles Sheeler, o viço
de transmutar imagens em sonhos visuais. E era admirado por Mark Rothko e Willem de Kooning. Sua pintura é provavelmente o alicerce da pop art e de todos os artistas que a sucederam. Vemos em sua arte sombras e projeções futuras sobre Andy Warhol, Roy Lichtenstein, Richard Diebenkorn e tantos outros.

Cape Cod Evening, de 1937, uma imagem pastoral, mostra um cão em primeiro plano, em frente a uma casa vulgar do interior americano. Um casal de meia-idade fita espaços distintos e dispersos. A incomunicabilidade entre os três personagens é evidente. Essa pintura roça Perro semihundido, de Francisco de Goya. Mais perguntas sem
respostas. Na obra de Hopper, escutam-se apenas ecos.

Vargem Grande, 3 de Maio de 2022

Compartilhar:

Confira outras matérias

Bastidores Dasartes

ARCO LISBOA

POR SYLVIA CAROLINNE
ARCO LISBOA : E eu só consigo pensar em cronogramas e logísticas
ARCO Lisbon – And all I can …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 3ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 3ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 7: UMA PÉROLA DE …

Notícias da França

T Erra Mot O de Anaïs Lelièvre metaforiza o terremoto de Lisboa

POR MARC POTTIER
Conhecida pelas suas instalações de desenho imersivas aninhadas na memória de um lugar, a artista francesa Anaïs Lelièvre …

Bastidores Dasartes

ArPA

POR SYLVIA CAROLINNE
Acabei de conversar com a Camilla e, fugindo ao formato proposto a seguir nas colunas, de acompanhar ao …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 2ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 2ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 4: BRASILIDADES
DAY 4: BRAZILIANNESS
Hoje …

Notícias da França

A utopia da dupla Lonneke Gordijn e Ralph Nauta do Studio Drift reconecta humanos e natureza por meio da tecnologia.

Dentes-de-leão em esculturas leves, estranhas águas-vivas em tecidos ou aglomerados de pássaros drone desenhando uma coreografia… a alta tecnologia que …

Iluminuras

Missa de Réquiem para Jon Hassell

“Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo
em que até aves vêm cantar para encerrá-lo.
Em cada …

Bastidores Dasartes

APRESENTANDO A COLUNA BASTIDORES DASARTES

Apresentando a Coluna Bastidores Dasartes
Introducing the Columm Behind the Scenes
Hoje estreio uma nova coluna. Sem muita pretensão, apresentarei um pouco …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 1ª Parte

Visitando São Paulo com outros olhos – 1ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 1: AJUSTANDO O FUSO HORÁRIO
DAY 1: …

Iluminuras

Encontro com homens notáveis III

« Si vous voulez du miel, il faut emporter de la maison »
Garçon do café du Musée du Louvre, 1999
Enquanto …

Notícias da França

Para Marina De Caro, o nome das cores é uma questão tanto política quanto simbólica.

Por meio de seu trabalho transversal e de seus compromissos políticos na nomeação e simbolismo das cores, a artista argentina …

Notícias da França

A utopia da Cidade Matarazzo-Rosewood de Alexandre Allard projeta o Brasil no futuro

Todas as formas de criação estão no DNA do empresário Alexandre Allard, que investe no futuro do Brasil, considerado por …

Notícias da França

Pavlo Makov desenha um mundo orwelliano no presente

As invenções de papel ou esculturas inspiradas em um certo “realismo mágico” do artista ucraniano Pavlo Makov nos mergulham em …

Iluminuras

Encontro com homens notáveis II

MESTRE
Rio de Janeiro, 40 graus. Nos anos 1970, era comum encontrarmos uma passagem em direção a um estado de liberdade, …

Notícias da França

Com Lucas Arruda, a suspensão do tempo triunfa

As paisagens de Lucas Arruda não representam lugares reais. Inspirada pela luz, sua obra é criada a partir de suas …