Alfred Kubin, Epidemic, 1900-1901

NA ESCURIDÃO

O hálito do imóvel. Um vulto rígido de animal no azul, sua santidade. Poderoso é o silêncio da pedra… Georg Trakl   Alfred Leopold Isidor Kubin [1887–1959], em sua longa existência, foi, por imposição do tempo e da realidade tangível, uma das muitas testemunhas dos episódios mais complexos e absurdos de nossa história recente. Vivenciou […]

O hálito do imóvel. Um vulto rígido

de animal no azul, sua santidade.

Poderoso é o silêncio da pedra…

Georg Trakl

 

Alfred Leopold Isidor Kubin [1887–1959], em sua longa existência, foi, por imposição do tempo e da realidade tangível, uma das muitas testemunhas dos episódios mais complexos e absurdos de nossa história recente. Vivenciou o horror das guerras e da bomba H, o nascimento e a ascensão do nazismo, o fascismo, o populismo, as ditaduras totalitárias de ideologias de direita ou esquerda, as explorações imundas das colônias europeias na África e Ásia, e tantos outros desastres e disparates.

“Sou o organizador do incerto, do que tememos, da penumbra e do onírico”, diz o artista. E, como um imã a que quase tudo atrai, a obra de Alfred Kubin, essencialmente simbolista – e, portanto, radicalmente humana –, faz transbordar o inimaginável, extraindo do pesadelo, das compulsões, o que há de secreto em nossos medos e sentimentos. Em um texto datado de 1922, Sobre minhas experiências oníricas, Kubin escreve: “A vida é um sonho”.

Alfred Kubin, The Brood – Cat and Kittens,1902

A cidade de Viena, na virada do século XIX para o século XX, era um catalisador de corpos e almas. Deambulavam por ela Sigmund Freud, Ludwig Wittgenstein, Gustav Klimt, Egon Schiele, Oskar Kokoschka, Stefan Zweig…

As passagens de um século a outro são marcadas por ambiguidade e extrema excitação, pois, ao mesmo tempo que trazem esperança, inquirem de maneira pessimista e melancólica o porvir como um lugar a guardar o medo e a neurose.

Historicamente, a fertilidade artística e as evoluções e processos científicos, quase sempre, precedem momentos de tristeza, erosão espiritual e moral, convulsão e caos.

Meu olhar vaga no tempo. Me aproximo dos flagelos, sofrimentos e atrocidades impostos aos santos românicos. Caminho aos martírios dos apóstolos e às dúvidas dos filósofos de José de Ribera. A violência poética sempre esteve ao lado da arte, é uma arma que nutre o que é negro e primitivo.

Outono em Vargem Grande. Os troncos de lenha crepitam na lareira do ateliê.

Lamento

Sono e morte, as águias sombrias

rondam-me a fronte a noite inteira:

a áurea imagem do homem

engole-a a onda fria

da eternidade. Em recifes medonhos

rompe-se o corpo purpúreo.

E queixa-se a voz escura

sobre o mar.

Irmã de imensa melancolia,

olha: um barco assustado naufraga

sob estrelas,

na face calada da noite

Georg Trakl

Permaneço mudo em face dos delírios das imagens de Alfred Kubin. O Medo, A hora da morte, Não mentirás, O homem atormentado, Saturno, Enfermidade, A hora do sonho, Noite inclemente, Epidemia.

Saio no escuro. Piso o orvalho incerto, iluminado por uma lua quase ausente. O pássaro da manhã não tardará em trazer ordem e claridade ao mundo dos homens.

Angst, Alfred Kubin

Gonçalo Ivo

Vargem Grande, 20 de abril de 2021.

*Fragmentos de poemas de Georg Trakl na tradução de Marco Lucchesi, Numen Editora, 1990.

 

 

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …

Notícias da França

A indisciplina de Michel Paysant, uma simbiose de todos os campos estéticos

A meio caminho entre o artista plástico digital e o técnico utópico, Michel Paysant define a arte como um projeto …

Iluminuras

Marcas da Maldade III

O HOMEM ARMADO
L’Homme armé
L’homme armé doibt on doubter.
On a fait partout crier
Que chascun se viengne armer
D’un haubregon de fer.
L’homme armé …

Notícias da França

A curiosidade insaciável de Xavier Veilhan

Xavier Veilhan mostra uma curiosidade insaciável e multiplica intervenções esteticamente estimulantes. Unindo ciência e arte, seu vocabulário criativo, com instalações …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE II - BABEL

Kyrie Eleison (Gregorian)
Kyrie eleison.
Christe eleison.
Kyrie eleison.
 

Desde o princípio queria ter sido pedra, inseto ou pássaro. Talvez um alto e longilíneo …

Notícias da França

Híbrido e desinibido, Pascale Marthine Tayou aspira a uma nova humanidade

Concebidos como uma experiência a ser vivida, os assemblages de Pascale Marthine Tayou combinam símbolos africanos e europeus. Sem complexo, …

ALTO FALANTE

Maria Bonomi, gravura impura

Recentemente, em meio aos abundantes motivos de tristeza e apreensão, tive a alegria de receber de Maria Bonomi dois importantes …

Iluminuras

MARCAS DA MALDADE I

Tudo é mal. Isto é, tudo o que existe é mal; a existência de cada coisa é um mal; o …