Agnes Martin

Iluminura 28 | Réquiem para Harold Budd

Londres, janeiro de 1981. Dividia o meu tempo, na cidade cinza e invernal, entre extensas caminhadas, visitas à Tate e à National Gallery, pubs, livrarias e lojas de disco. À noite, encerrava-me no quarto do hotel e atravessava as madrugadas com meus blocos e estojos de aquarela, minha garrafa de vinho tinto, trabalhando e folheando […]

Londres, janeiro de 1981. Dividia o meu tempo, na cidade cinza e invernal, entre extensas caminhadas, visitas à Tate e à National Gallery, pubs, livrarias e lojas de disco. À noite, encerrava-me no quarto do hotel e atravessava as madrugadas com meus blocos e estojos de aquarela, minha garrafa de vinho tinto, trabalhando e folheando os livros recém-adquiridos. Num daqueles dias, na Oxford Street, próximo ao Marble Arch, deparei-me com a Virgin Records. Ali, comprei dois vinis de Harold Budd. O primeiro, o enigmático The Pavilion of Dreams, de 1978, e o segundo, o etéreo The Plateau of Mirror, em colaboração com Brian Eno, que eu não só admirava, bem como possuía quase todas as publicações.

Música e pintura sempre foram para mim margens do mesmo rio. Não me recordo de ter pintado ou passado um dia sem que houvesse música ao meu redor. Minha paixão pela música é bem anterior ao meu interesse pela pintura, literatura ou cinema. Aos sete, oito anos, escutava Brahms num velho disco de meu
pai, o concerto para violino e orquestra interpretado por Ossy Renard. Também fazia parte das minhas predileções Scarlatti, a quem, até hoje, penso ser, com Vivaldi, o melhor tradutor do canto dos pássaros. Havia ainda um estranho disco de Luciano Berio, que se intitulava Stravinsky au futur. E sempre Bach.

Harold Budd e Brian Eno

De então me resta falar da terceira sinfonia de Gustav Mahler e do estrondoso acontecimento do verão. Pan se réveille, vient l’été ; Ce que les fleurs de prairie me disent. Porém nessa sinfonia há momentos de sublimes suspensões, tempos e espaços infinitos, como o céu da noite. Nebulosos, lúgubres, serenos e longos tal qual o passar do tempo no intangível cosmos. O quarto movimento, Sehr langsam – Misterioso, ou muito lento, de modo misterioso, evoca lembranças e  memórias que iluminam o meu presente.

Lêdo me chamava de melômano. João Cabral de Melo Neto, numa das temporadas passadas no Sítio São João, no início dos anos 1970, me disse ter dirigido sozinho do Rio ao Recife sem ligar o rádio do carro. Detestava música. Ao menos, era o que dizia. Pois minha convivência com inúmeros escritores me fez
acreditar somente na ficção de suas poesias. João e eu fitávamos o céu iluminado pela luz da lua no pátio do sítio. Dizia a ele que amava a forma das nuvens e como esse claro-escuro movediço, deslizando em seu azul da prússia, me levava a pensar em música. João vaticinou que, um dia, eu seria um “pintor abstrato”.

Encontro na obra de Harold Budd reflexos de um quase silêncio. Ela me transporta a um estado de contemplação, lagunas de serenidade ou o céu planar sempre azul de Madrid. Há algo de imaterial, transparente e líquido em Budd, bem como uma fragrância de “épice” oriental. Em várias de suas peças do álbum Luxa, de 1986, impregnadas de alusões pictóricas, homenageia artistas plásticos do passado e do presente – Serge Poliakoff, Agnes Martin, Anish Kappor, Paul McCarthy…

Sua longa e circular canção As Long as I Can Hold My Breath (by Night) era minha oração e o mantra que ecoava nas florestas de Bethany durante a spring frost, enquanto me perdia nos tortuosos caminhos de pedra ao redor de seu lago congelado.

Serge Poliakoff

Gonçalo Ivo
Madrid, 6 de fevereiro de 2022

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os sucos da paisagem de Adrien Vescovi infundem a tela e o tempo

POR MARC POTTIER
Estas obras capturam os traços da natureza em ação em instalações monumentais em tela. Adrien Vescovi deixa brincar …

ALTO FALANTE

10 Museus pelo mundo que você precisa conhecer

POR ALEXANDRA MORCOS (TURISMO DE PRIMEIRA)
Museus reúnem a história de nossas gerações passadas. Ao visitar um museu, você entende como …

Notícias da França

O panteísmo de Daniela Busarello é corporificado em seus metafóricos Corpos-Paisagens Abstratas.

POR MARC POTTIER
Com uma energia rara e um olhar que engloba a diversidade da humanidade do passado e do presente, …

Notícias da França

Julian Charrière aproxima os espaços entre o homem e a natureza

Por MARC POTTIER
A pesquisa multidisciplinar de Julian Charrière destaca as tensões que animam a relação entre o homem e a …

Bastidores Dasartes

DOCUMENTA15

POR SYLVIA CAROLINNE
Dia 15 de junho a abertura da documenta15, ou do “Museu de 100 dias”, como ocorre a cada …

ALTO FALANTE

A locomotiva d'Agata

POR CLAUDIA TAVARES
“Não trabalhe a fotografia, trabalhe a vida.”
A afirmação foi dita por um artista francês durante um dia de …

ALTO FALANTE

Poesia do cotidiano: breve história do design brasileiro em Milão

POR MATTEO BERGAMINI

A semana do Salão do Móvel voltou em Milão de 7 até 12 de junho: após três anos …

Bastidores Dasartes

ARCO LISBOA

POR SYLVIA CAROLINNE
ARCO LISBOA : E eu só consigo pensar em cronogramas e logísticas
ARCO Lisbon – And all I can …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 3ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 3ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 7: UMA PÉROLA DE …

Notícias da França

T Erra Mot O de Anaïs Lelièvre metaforiza o terremoto de Lisboa

POR MARC POTTIER
Conhecida pelas suas instalações de desenho imersivas aninhadas na memória de um lugar, a artista francesa Anaïs Lelièvre …

Bastidores Dasartes

ArPA

POR SYLVIA CAROLINNE
Acabei de conversar com a Camilla e, fugindo ao formato proposto a seguir nas colunas, de acompanhar ao …

Iluminuras

O cão silencioso

Por Gonçalo Ivo
Ando na multidão e o meu nome é Ninguém.
Na cidade que cheira a peixe podre
e gasolina e demagogia
pisado …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 2ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 2ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 4: BRASILIDADES
DAY 4: BRAZILIANNESS
Hoje …

Notícias da França

A utopia da dupla Lonneke Gordijn e Ralph Nauta do Studio Drift reconecta humanos e natureza por meio da tecnologia.

Dentes-de-leão em esculturas leves, estranhas águas-vivas em tecidos ou aglomerados de pássaros drone desenhando uma coreografia… a alta tecnologia que …

Iluminuras

Missa de Réquiem para Jon Hassell

“Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo
em que até aves vêm cantar para encerrá-lo.
Em cada …