Encontro com homens notáveis II

MESTRE Rio de Janeiro, 40 graus. Nos anos 1970, era comum encontrarmos uma passagem em direção a um estado de liberdade, ao arbítrio e à transcendência. No interminável e quente verão de 1975–1976, interessava-me ainda mais por pintura. Estudava arquitetura na Universidade Federal Fluminense e ampliava minhas amizades. Relacionava-me com gente do subúrbio carioca, coisa […]

MESTRE

Rio de Janeiro, 40 graus. Nos anos 1970, era comum encontrarmos uma passagem em direção a um estado de liberdade, ao arbítrio e à transcendência. No interminável e quente verão de 1975–1976, interessava-me ainda mais
por pintura. Estudava arquitetura na Universidade Federal Fluminense e ampliava minhas amizades. Relacionava-me com gente do subúrbio carioca, coisa até então inédita em minha vida de menino burguês de classe média alta.

Antes de iniciar a escola de arquitetura, frequentei os cursos de desenho de Aluísio Carvão e pintura de Sérgio de Campos Mello no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. A primeira aula proferida por Sérgio foi para mim algo revelador e impactante. Ele possuía uma extensa coleção de slides. Seu saber móvel era imenso. As classes eram no fim do dia, no crepúsculo carioca que se engastava entre o vento quente do mar que invadia a baía da Guanabara e o ruído dos automóveis e aviões no Aterro do Flamengo.

Sérgio era um homem catalisador. Nós nos tornamos amigos por toda a vida. Um dia, no sítio São João, em
Teresópolis, se impressionou com uma serpente colorida, uma cobra coral muito perigosa que eu acabara de matar.
Também era um contador de estórias. Falou-me de uma viagem que fizera de carro, acho que em fins dos anos
1960, início dos anos 1970, entre Nova York e Chicago. Enquanto descrevia a paisagem industrial da América e
suas contradições, eu o seguia, no banco dianteiro, nessa cruzada misteriosa. Podíamos ver as torres de petróleo,
as usinas e as imensas fábricas com seus galpões iluminados.

Com Sérgio, cada encontro era uma novidade. Naquela época, fiz vários filmes em Super-8. Queria ter sido cineasta. Tornei-me pintor. Na cinemateca do MAM, pude ver Herzog, Pasolini, Glauber… Hitchcock acabara de ser ressuscitado por Truffaut. Era um tempo em movimento. Éramos felizes.

Vivi intensamente aqueles momentos, mas nunca pertenci a eles. Mesmo na juventude, em fortuitos encontros com Maria Leontina, Lygia Clark e Abelardo Zaluar, nenhum outro artista me mostrou um cenário tão diverso sobre a arte e seus desdobramentos como Sérgio de Campos Mello. Esse artista/mestre parecia não querer professar nenhum cânone. Me confidenciou seus textos e pensamentos sobre o kitsch e me apresentou ao escritor Edward Said. Isso, nos anos 1980. Não havia em sua oratória traços de arrogância.

O período mais interessante de nossa relação se deu em Paris e, depois, no Brasil. Desde nosso fortuito encontro
na Rue de Rennes, esquina com a Rue de L’Abbé Gregoire, não deixamos de nos ver.

Penso que Sérgio não via em mim uma extensão de suas reflexões estéticas, nem estava interessado em ter discípulos. Tinha a liberdade dos verdadeiros artistas e eu sabia da importância de suas lições. Ofereci a ele e a Aline, sua mulher, um livro sobre meu trabalho com um generoso texto do nosso grande crítico Frederico Morais, seu querido amigo.

Emocionado, generoso com meu progresso como artista, confidenciou-me que fui seu primeiro aluno a citá-lo
como professor.

Gonçalo Ivo
Sítio São João, 10 de março de 2022.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os sucos da paisagem de Adrien Vescovi infundem a tela e o tempo

POR MARC POTTIER
Estas obras capturam os traços da natureza em ação em instalações monumentais em tela. Adrien Vescovi deixa brincar …

ALTO FALANTE

10 Museus pelo mundo que você precisa conhecer

POR ALEXANDRA MORCOS (TURISMO DE PRIMEIRA)
Museus reúnem a história de nossas gerações passadas. Ao visitar um museu, você entende como …

Notícias da França

O panteísmo de Daniela Busarello é corporificado em seus metafóricos Corpos-Paisagens Abstratas.

POR MARC POTTIER
Com uma energia rara e um olhar que engloba a diversidade da humanidade do passado e do presente, …

Notícias da França

Julian Charrière aproxima os espaços entre o homem e a natureza

Por MARC POTTIER
A pesquisa multidisciplinar de Julian Charrière destaca as tensões que animam a relação entre o homem e a …

Bastidores Dasartes

DOCUMENTA15

POR SYLVIA CAROLINNE
Dia 15 de junho a abertura da documenta15, ou do “Museu de 100 dias”, como ocorre a cada …

ALTO FALANTE

A locomotiva d'Agata

POR CLAUDIA TAVARES
“Não trabalhe a fotografia, trabalhe a vida.”
A afirmação foi dita por um artista francês durante um dia de …

ALTO FALANTE

Poesia do cotidiano: breve história do design brasileiro em Milão

POR MATTEO BERGAMINI

A semana do Salão do Móvel voltou em Milão de 7 até 12 de junho: após três anos …

Bastidores Dasartes

ARCO LISBOA

POR SYLVIA CAROLINNE
ARCO LISBOA : E eu só consigo pensar em cronogramas e logísticas
ARCO Lisbon – And all I can …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 3ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 3ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 7: UMA PÉROLA DE …

Notícias da França

T Erra Mot O de Anaïs Lelièvre metaforiza o terremoto de Lisboa

POR MARC POTTIER
Conhecida pelas suas instalações de desenho imersivas aninhadas na memória de um lugar, a artista francesa Anaïs Lelièvre …

Bastidores Dasartes

ArPA

POR SYLVIA CAROLINNE
Acabei de conversar com a Camilla e, fugindo ao formato proposto a seguir nas colunas, de acompanhar ao …

Iluminuras

O cão silencioso

Por Gonçalo Ivo
Ando na multidão e o meu nome é Ninguém.
Na cidade que cheira a peixe podre
e gasolina e demagogia
pisado …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 2ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 2ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 4: BRASILIDADES
DAY 4: BRAZILIANNESS
Hoje …

Notícias da França

A utopia da dupla Lonneke Gordijn e Ralph Nauta do Studio Drift reconecta humanos e natureza por meio da tecnologia.

Dentes-de-leão em esculturas leves, estranhas águas-vivas em tecidos ou aglomerados de pássaros drone desenhando uma coreografia… a alta tecnologia que …

Iluminuras

Missa de Réquiem para Jon Hassell

“Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo
em que até aves vêm cantar para encerrá-lo.
Em cada …