CHUVA

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos – como el mismo amor –, cubista y medieval, elegante, desgarrada, fiera, tiernísima como una loba parida, colgada y abierta; Cuenca, luminosa, alada, airada, serena y enloquecida, infinita, igual, obsesionante, hidalga, vieja Cuenca.” Camilo José Cela Cuenca, 29 de outubro […]

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de
gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos –
como el mismo amor –, cubista y medieval,
elegante, desgarrada, fiera, tiernísima como una
loba parida, colgada y abierta; Cuenca, luminosa,
alada, airada, serena y enloquecida, infinita,
igual, obsesionante, hidalga, vieja Cuenca.”
Camilo José Cela

Cuenca, 29 de outubro de 2021

Há muito não pintava aquarelas em um quarto de hotel. O espaço é exíguo, as mesas pequenas e a iluminação quase sempre faible. Porém esse ofício nômade tornou-se extremamente frequente em minha vida de pintor.

Lembro-me de uma viagem, em 1980, visitando Inglaterra, Portugal e Espanha. Mantinha um cotidiano praticamente imutável. Durante o dia saía para respirar os ares das cidades e seus museus. À noite encerrava-me no quarto do hotel a trabalhar em meus diários, livros e cadernos de aquarela. Lentamente o papel ia absorvendo as impressões diurnas e seus clarões, iluminando a madrugada, com imprecisas manchas transparentes revelando estórias e subjetividades.

Esses pequenos livros guardam imagens em segredo. São como pequenas oferendas, iluminuras, às vezes menores do que a palma da minha mão; o testemunho de meu autoexílio e do estado de transe e trânsito entre mundos que ora superam, ora recriam ou borram a realidade do cotidiano.

O ateliê sempre foi meu templo, lugar sagrado em Teresópolis, onde professo meu ofício e me interrogo a respeito das certezas e das dúvidas. Aí, sinto-me livre e abro meus braços em cruz na intenção de entender minhas hesitações e tentações.

A cada imagem concluída, coloco o monograma, a data e o título, quase sempre no centro do papel, pequenos comentários que têm a ver com os lugares em que foram concebidos. São como haikus que sintetizam a linguagem pictórica com um discurso literário. Sou levado por essas pequenas imagens, como se fossem poemas de Matsuo Bashō ao descrever a efeméride de uma cigarra a cantar seu réquiem em uma derradeira tarde de verão.

Caminho nas estreitas sendas de Cuenca, suas ladeiras e escadas. Veio a chuva e volto novamente ao meu pequeno quarto de hotel. A água castiga velhas telhas de barro. São inúmeros os muros até o precipício que nos leva ao vale, ao rio e a estrada que serpenteia as negras falésias.

Tenho minha pequena mesa de trabalho. Continuo pintando aquarelas. O mundo permanece o mesmo, imóvel. Estou no meu quarto de hotel em Cuenca, como há quarenta anos no hotel Londres, na calle de Galdo, em Madrid. Pinto aquarelas.

Sou o mesmo.

Gonçalo Ivo
Cuenca.
29 .09 .2021

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Jean-Michel Othoniel, o mágico do reencantamento

Não confie nas únicas transparências imaginadas por Jean-Michel Othoniel. Enquanto assume uma busca pela beleza que anda de mãos dadas …

colunas Iluminuras

Esse mundo perfeito

À memória de Lélia Coelho Frota
“Nosso negócio é a contemplação da nuvem.”
Carlos Drummond de Andrade
“Suas pinturas são nuas como Adão …

Notícias da França

De Hope a Nope, de We The People a We The Future, as serigrafias que se tornaram icônicas por Obey …

Iluminuras

O TERCEIRO DIA

“No te escondas, que ya te has puesto viejo.
Que a Natura obedezcas te aconsejo,
Que el tiempo te robó tu fortaleza.
…Está …

Notícias da França

Com seu livro-objeto Flor no Asfalto, Claudia Jaguaribe inspira o simbiótico

Em busca de um trabalho comprometido com as fronteiras da fotografia, design gráfico e editorial, Claudia Jaguaribe desenvolve uma narrativa …

Iluminuras

SEMPRE EUROPA / FRANÇA e ITÁLIA

Biarritz, 20 de janeiro de 1991
Denise escolheu Biarritz para pernoitarmos. Lembrou das antigas fotografias de Jacques Henri Lartigue, nas quais …

Iluminuras

A MÁRIO E ROBERTO

Azeitão, sábado, 21 de janeiro de 1989
Nazaré é uma cidade costeira. Há uma pequena enseada e um ancoradouro de pedras …

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …