CHUVA

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos – como el mismo amor –, cubista y medieval, elegante, desgarrada, fiera, tiernísima como una loba parida, colgada y abierta; Cuenca, luminosa, alada, airada, serena y enloquecida, infinita, igual, obsesionante, hidalga, vieja Cuenca.” Camilo José Cela Cuenca, 29 de outubro […]

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de
gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos –
como el mismo amor –, cubista y medieval,
elegante, desgarrada, fiera, tiernísima como una
loba parida, colgada y abierta; Cuenca, luminosa,
alada, airada, serena y enloquecida, infinita,
igual, obsesionante, hidalga, vieja Cuenca.”
Camilo José Cela

Cuenca, 29 de outubro de 2021

Há muito não pintava aquarelas em um quarto de hotel. O espaço é exíguo, as mesas pequenas e a iluminação quase sempre faible. Porém esse ofício nômade tornou-se extremamente frequente em minha vida de pintor.

Lembro-me de uma viagem, em 1980, visitando Inglaterra, Portugal e Espanha. Mantinha um cotidiano praticamente imutável. Durante o dia saía para respirar os ares das cidades e seus museus. À noite encerrava-me no quarto do hotel a trabalhar em meus diários, livros e cadernos de aquarela. Lentamente o papel ia absorvendo as impressões diurnas e seus clarões, iluminando a madrugada, com imprecisas manchas transparentes revelando estórias e subjetividades.

Esses pequenos livros guardam imagens em segredo. São como pequenas oferendas, iluminuras, às vezes menores do que a palma da minha mão; o testemunho de meu autoexílio e do estado de transe e trânsito entre mundos que ora superam, ora recriam ou borram a realidade do cotidiano.

O ateliê sempre foi meu templo, lugar sagrado em Teresópolis, onde professo meu ofício e me interrogo a respeito das certezas e das dúvidas. Aí, sinto-me livre e abro meus braços em cruz na intenção de entender minhas hesitações e tentações.

A cada imagem concluída, coloco o monograma, a data e o título, quase sempre no centro do papel, pequenos comentários que têm a ver com os lugares em que foram concebidos. São como haikus que sintetizam a linguagem pictórica com um discurso literário. Sou levado por essas pequenas imagens, como se fossem poemas de Matsuo Bashō ao descrever a efeméride de uma cigarra a cantar seu réquiem em uma derradeira tarde de verão.

Caminho nas estreitas sendas de Cuenca, suas ladeiras e escadas. Veio a chuva e volto novamente ao meu pequeno quarto de hotel. A água castiga velhas telhas de barro. São inúmeros os muros até o precipício que nos leva ao vale, ao rio e a estrada que serpenteia as negras falésias.

Tenho minha pequena mesa de trabalho. Continuo pintando aquarelas. O mundo permanece o mesmo, imóvel. Estou no meu quarto de hotel em Cuenca, como há quarenta anos no hotel Londres, na calle de Galdo, em Madrid. Pinto aquarelas.

Sou o mesmo.

Gonçalo Ivo
Cuenca.
29 .09 .2021

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os sucos da paisagem de Adrien Vescovi infundem a tela e o tempo

POR MARC POTTIER
Estas obras capturam os traços da natureza em ação em instalações monumentais em tela. Adrien Vescovi deixa brincar …

ALTO FALANTE

10 Museus pelo mundo que você precisa conhecer

POR ALEXANDRA MORCOS (TURISMO DE PRIMEIRA)
Museus reúnem a história de nossas gerações passadas. Ao visitar um museu, você entende como …

Notícias da França

O panteísmo de Daniela Busarello é corporificado em seus metafóricos Corpos-Paisagens Abstratas.

POR MARC POTTIER
Com uma energia rara e um olhar que engloba a diversidade da humanidade do passado e do presente, …

Notícias da França

Julian Charrière aproxima os espaços entre o homem e a natureza

Por MARC POTTIER
A pesquisa multidisciplinar de Julian Charrière destaca as tensões que animam a relação entre o homem e a …

Bastidores Dasartes

DOCUMENTA15

POR SYLVIA CAROLINNE
Dia 15 de junho a abertura da documenta15, ou do “Museu de 100 dias”, como ocorre a cada …

ALTO FALANTE

A locomotiva d'Agata

POR CLAUDIA TAVARES
“Não trabalhe a fotografia, trabalhe a vida.”
A afirmação foi dita por um artista francês durante um dia de …

ALTO FALANTE

Poesia do cotidiano: breve história do design brasileiro em Milão

POR MATTEO BERGAMINI

A semana do Salão do Móvel voltou em Milão de 7 até 12 de junho: após três anos …

Bastidores Dasartes

ARCO LISBOA

POR SYLVIA CAROLINNE
ARCO LISBOA : E eu só consigo pensar em cronogramas e logísticas
ARCO Lisbon – And all I can …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 3ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 3ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 7: UMA PÉROLA DE …

Notícias da França

T Erra Mot O de Anaïs Lelièvre metaforiza o terremoto de Lisboa

POR MARC POTTIER
Conhecida pelas suas instalações de desenho imersivas aninhadas na memória de um lugar, a artista francesa Anaïs Lelièvre …

Bastidores Dasartes

ArPA

POR SYLVIA CAROLINNE
Acabei de conversar com a Camilla e, fugindo ao formato proposto a seguir nas colunas, de acompanhar ao …

Iluminuras

O cão silencioso

Por Gonçalo Ivo
Ando na multidão e o meu nome é Ninguém.
Na cidade que cheira a peixe podre
e gasolina e demagogia
pisado …

Bastidores Dasartes

Visitando São Paulo com outros olhos - 2ª Parte

Por Sylvia Carolinne
Visitando São Paulo com outros olhos – 2ª Parte
Visiting São Paulo through different eyes
 
DIA 4: BRASILIDADES
DAY 4: BRAZILIANNESS
Hoje …

Notícias da França

A utopia da dupla Lonneke Gordijn e Ralph Nauta do Studio Drift reconecta humanos e natureza por meio da tecnologia.

Dentes-de-leão em esculturas leves, estranhas águas-vivas em tecidos ou aglomerados de pássaros drone desenhando uma coreografia… a alta tecnologia que …

Iluminuras

Missa de Réquiem para Jon Hassell

“Aqui é o fim do mundo, aqui é o fim do mundo
em que até aves vêm cantar para encerrá-lo.
Em cada …