Giorgione, A Tempestade

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o tempo, transmutam-se em chumbo e prata oxidados. É o prenúncio de uma tempestade neste primeiro dia de verão. Como meu pai, afinal, aprendi a ler a terra e, através de seus sinais e segredos, inventariei […]

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o tempo, transmutam-se em chumbo e prata oxidados. É o prenúncio de uma tempestade neste primeiro dia de verão.

Como meu pai, afinal, aprendi a ler a terra e, através de seus sinais e segredos, inventariei pedras, gaviões, formigas, árvores, vagalumes, pássaros e besouros.

Agora que a chuva se curva sobre Vargem Grande, raios, relâmpagos e o irregular ritmo percussivo dos trovões me levam a recordar “A tempestade”, de Giorgione [1477–1510]. Essa refinada pintura que admirei em várias ocasiões, na Academia, em Veneza, constrói-se como sucessivos cicloramas, até alcançar,no infinito, o imaterial, céu de planos vazios e o sinuoso risco amarelado de uma descarga elétrica.

Artista da transcendência, placidez e delicadeza, como Antonello da Messina, Fra Angelico, Giovanni Bellini, Giorgione, “o grande Jorge”, era também músico e, segundo o escritor francês Marcel Brion,“por causa de sua altura e da elevação de seu espírito, tocava o alaúde e cantava de maneira primorosa”. Ainda hoje,posso intuir a melodia e a poesia de sua doce voz, assim como a de Leonardo da Vinci, ecoando no tempo. Se, em “Concerto Campestre”, datado entre 1515 e 1516, Giorgione evidencia quatro personagens em primeiro plano, transformando-os no assunto de uma pintura permeada de graça, esquecimento e melancolia, em A tempestade,de 1505–1507,o ator principal é um raio a serpentear o céu verdigris.

Giorgione, Concerto Campestre

Fenômenos naturais sempre foram temas caros às artes –pintura, literatura, música, teatro, poesia, cinema, fotografia. Alexander Cozens inventariou os céus da Inglaterra, assim como o fizeram Constable e Turner. William Shakespeare utilizou a tempestade como metáfora e leito para reflexão de ideias e fenômenos existenciais.

O passado avança como um pássaro mensageiro, interlocutor do instante,reinventando-se ao atirar uma flecha dourada na escuridão. E, como um raio, a terra há de abrigar o seu segredo.

Em 1975, no Novo México, Walter de Maria [1935–2013] criou episódios carregados de misticismo, plasticidade, estranhamento e destilada poesia. Essa parcela árida de deserto se converte num teatro de luz, sombras e experiências sensoriais, e a súbita tempestade abriga grafismos e luzes irregulares, os novos personagens dessa peça da paixão.

Agradam-me os rituais e as tempestades. Seus começos e desenlaces, como se o mundo estivesse no primeiro dia da criação. Afinal, a natureza é diversa e uma das matrizes da grande arte. Hoje, isolado, sinto-me como Próspero, Miranda, Gonçalo, Ariel ou Caliban. Na hipotética praia de meu ateliê, em Vargem Grande, há uma ilha inexistente, de onde contemplo, solitário, o navio destroçado da existência. Insulado em uma caverna, estou preso ao tempo que passa e não passará.

Walter de Maria, The Lightning Field, 1977

Vargem Grande, 21 de dezembro de 2020

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Dinastia: a família Yunes, três gerações de Stakhanovistas do mundo de arte

Esta é a história de uma dinastia cultural. Após a morte de Jorge Yunes, a coleção da família tornou-se agora …

Iluminuras

UMA CONCHA

Há artistas que revelam o mistério e a incerteza. Vagam em universos colisivos, como a noite dos sonhos, o sublime …

Notícias da França

Os jardins memoriais ​​de Rachid Koraïchi conectam a humanidade à sua história

Nutrido pela mística sufi, Rachid Koraïchi desenvolve uma obra universal inspirada nos números e na caligrafia. Enquanto corre o mundo …

Iluminuras

PER UN AMICO

One of these days
I’m gonna sit down and write a long letter
To all the good friends I’ve known
Neil Young
Conheci o …

Notícias da França

O desenho de Ernest Pignon-Ernest infunde uma ética humanista na arte urbana

Um pioneiro da arte urbana comprometida, Ernest Pignon-Ernest afirma “causar algo” na rua com seus desenhos. Por mais de 50 …

Iluminuras

NA ESCURIDÃO

O hálito do imóvel. Um vulto rígido
de animal no azul, sua santidade.
Poderoso é o silêncio da pedra…
Georg Trakl
 

Alfred Leopold Isidor …

Notícias da França

Françoise Pétrovitch nos leva para o outro lado do espelho

Com um bestiário animado e ambivalente, próximo à imaginação peculiar de Alice no País das Maravilhas, de Lewis Carroll, Françoise …

Iluminuras

2 de abril de 2021

Datas. Desde que regressei de Bethany, nos últimos dias de maio do ano passado, são hoje 311 dias de um …

Notícias da França

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

ALTO FALANTE

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …