2 de abril de 2021

Datas. Desde que regressei de Bethany, nos últimos dias de maio do ano passado, são hoje 311 dias de um novo exílio em meu ateliê de Vargem Grande. Neste desterro invento Cosmogonias e Pedras. Leio as passagens do diário de Franz Kafka (1883–1924), escrito na última década de sua vida e ouço a canção da […]

Datas. Desde que regressei de Bethany, nos últimos dias de maio do ano passado, são hoje 311 dias de um novo exílio em meu ateliê de Vargem Grande. Neste desterro invento Cosmogonias e Pedras. Leio as passagens do diário de Franz Kafka (1883–1924), escrito na última década de sua vida e ouço a canção da terra. Debruçar-se sobre os vestígios deixados em uma autobiografia, ou  em páginas ocultas de um diário, não deixa de ser uma invectiva a um mundo movediço entre o aqui, o sonho e a ficção.

Há vários extratos na líquida substância da realidade, assim como “os outros eus” e as inúmeras máscaras que se escondem por trás das arrebatadoras confissões íntimas.

Mergulhar na obra de qualquer artista é sempre uma jornada temerária. Ela pode se transformar no espelho que reflete, ao invés de ser aquela janela através da qual nos jogamos no prazeroso vazio do desconhecido. Havia na biblioteca de meu pai um livro que sempre mirava, Les chefs d’œuvre du fantastique. Ostentava na capa um macabro desenho a bico de pena de Christian
Broutin (1933–). Estampava a alegoria da morte, em que a figura de um vampiro deitado contempla uma mulher com traje vitoriano, e o seu crânio era, em vez de carne e osso, um seixo de pedra sextavada.

Cada texto desse curioso livro é precedido de um desenho, gravura ou pintura, como uma abertura de ópera ou peça sinfônica. Ele reúne contos de Ray Bradbury, Julio Cortázar, Dino Buzzati, Borges, Lovecraft, Kafka, Edgar Allan Poe… Caminhos tortos para quimeras e desassossegos. Os primeiros sonhos de juventude de que ainda me recordo têm a ver com o mundo claustrofóbico e
misterioso deste extraordinário livro, seus textos e suas imagens. Ainda hoje um sonho me persegue. Levito em um quarto branco sem mobiliário, janelas ou portas a meia altura entre o assoalho e o teto.

O flagelo, a morte e o assombro são alguns dos diversos assuntos que dão substância à poesia, à pintura e à música. A melancolia, este estado de torpor diante da realidade e da loucura, da natureza, da velocidade dos dias e da implacável verdade do mundo, tem seu glorioso amanhecer em obras como as de Albrecht Dürer, Francisco de Goya, William Blake, Burne-Jones,
Odilon Redon, Alfred Kubin, Edward Hopper…

Melancolia

O céu raiado nos conduz em linhas até o ponto de fuga, um lugar sob um semicírculo de um arco-íris. Um anjo triste, andrógino, ostenta em suas mãos um compasso. Uma ampulheta marca a passagem das horas e uma pedra lavrada e oitavada me remete aos desenhos da minha juventude de Christian Broutin. O quadrado mágico evoca a harmonia musical de Bach e Klee. O sino toca no exato momento do fim. A corda que pende à direita provavelmente é manipulada por uma das Parcas.

Flutuo no céu, como em meu sonho, mas desta vez reencarnado em um morcego.

Melancolia I, Albrecht Dürer, 1514 | The Metropolitan Museum

Vargem Grande, 10 de abril de 2021.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Iluminuras

O TERCEIRO DIA

“No te escondas, que ya te has puesto viejo.
Que a Natura obedezcas te aconsejo,
Que el tiempo te robó tu fortaleza.
…Está …

Notícias da França

Com seu livro-objeto Flor no Asfalto, Claudia Jaguaribe inspira o simbiótico

Em busca de um trabalho comprometido com as fronteiras da fotografia, design gráfico e editorial, Claudia Jaguaribe desenvolve uma narrativa …

Iluminuras

SEMPRE EUROPA / FRANÇA e ITÁLIA

Biarritz, 20 de janeiro de 1991
Denise escolheu Biarritz para pernoitarmos. Lembrou das antigas fotografias de Jacques Henri Lartigue, nas quais …

Iluminuras

A MÁRIO E ROBERTO

Azeitão, sábado, 21 de janeiro de 1989
Nazaré é uma cidade costeira. Há uma pequena enseada e um ancoradouro de pedras …

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …

Iluminuras

OS VERDES ANOS

“De todo meu passado, só possuo o que carrego
diante de mim. Nesse momento, todo o resto me é
inacessível. Porém nossa …

Notícias da França

A indisciplina de Michel Paysant, uma simbiose de todos os campos estéticos

A meio caminho entre o artista plástico digital e o técnico utópico, Michel Paysant define a arte como um projeto …

Iluminuras

Marcas da Maldade III

O HOMEM ARMADO
L’Homme armé
L’homme armé doibt on doubter.
On a fait partout crier
Que chascun se viengne armer
D’un haubregon de fer.
L’homme armé …

Notícias da França

A curiosidade insaciável de Xavier Veilhan

Xavier Veilhan mostra uma curiosidade insaciável e multiplica intervenções esteticamente estimulantes. Unindo ciência e arte, seu vocabulário criativo, com instalações …