Flávio Cerqueira

USINA DE ARTE: RICARDO E BRUNA QUEIROZ

“Não se tira o sonho de uma pessoa sem colocar outro no lugar.”
Com este pensamento Ricardo Queiroz iniciou nossa conversa sobre a Usina de Arte e seu papel junto à comunidade. Uma história de gerações, entre cana-de-açúcar e arte, e propósitos a serem alcançados.

.

“You cannot take away a person’s dream without replacing it with another.” This was the kickstart of my conversation with Ricardo Queiroz about Usina de Arte (the Art Mill) and its role in his community. A generational history involving sugar cane and art and purposes to be achieved.

POR SYLVIA CAROLINNE

A história do neto de senhor de engenho, cuja família foi perdendo terras e posses ao longo de diferentes governos, autoriza Ricardo a perseguir sonhos maiores e levar o nome da Usina de açúcar Santa Terezinha  a outro patamar, onde a integração e o apoio à comunidade local através da arte sejam o novo propósito do espaço.

Em 2012, anos após reaver a posse das terras familiares, foi ficando cada vez mais evidente a necessidade de reanimar a população da Vila de Santa Terezinha e preencher o vazio que a usina, fechada por quase 20 anos deixou. Neste ano, uma visita ao Inhotim gerou a ideia maior, de transformar o uso das terras donde antes só saia cana-de-açúcar.

O convívio com o artista Hugo França, ao longo de 3 anos, entre viagens de pesquisa e conversas com a comunidade, fizeram surgir questionamentos.

E porque não ampliar o projeto e convidar outros artistas? Disse França.

E porque não fazer um projeto que leve o turismo cultural ao nosso município? Rebateram Ricardo e Bruna, já com a ideia de que começo modesto estava no bom caminho.

Obra de Hugo França

Ricardo’s background as the grandson of a landowner, whose family lost land and possessions over the years, allows Ricardo to pursue bigger dreams taking the name of the Santa Terezinha sugar mill to another level. Now, integration and support for the local community through art is the new purpose of the space.

In 2012, years after regaining possession of the family’s farmland, the need to galvanize the population of Vila de Santa Terezinha and fill the void left by the mill closed for almost 20 years, became increasingly evident. A visit to Inhotim museum this year gave him the idea to completely transform the purpose of the place, which served as a sugar mill in the past.

Hugo França, a visual artist that Ricardo got to know over the course of 3 years, between research trips and conversations with the community, started raising questions about the project.

Why not expand the project and invite other artists? França questioned.

And why not create a project that brings cultural tourism to our municipality? Ricardo and Bruna responded, already knowing that the modest start was on the right track.

Já com oficinas a funcionar e outras investidas, como o Festival Arte na Usina, começaram a construção do jardim botânico e a preparar a entrada de novos artistas. Em 2016, com a ida de José Rufino numa residência artista no Hangar da usina, a ideia de expansão começou a tomar corpo.

Arte sempre foi uma constante na família Pessôa de Queiroz, mas aqui, a ideia é usar a arte como ferramenta para a reestruturação da comunidade através da educação artística. Uma coleção que surge em função da comunidade e para a comunidade onde jovens possam ter um desenvolvimento intelectual contínuo, através da convivência com arte em seu dia-a-dia.

“Meu avô investiu muito na região, pois queria que o progresso da capital chegasse a todos daqui, sem que precisassem se deslocar. E foi com esse pensamento que eu e minha esposa, Bruna, pensamos na revitalização desta que foi um dia uma área bem desenvolvida.”, disse Ricardo. O parque passou a ser um conjunto de jardim botânico com mais de 40 obras de instaladas pelo jardim. Junto abarcaram o projeto de integração, que inclui a reativação da antiga loja de departamentos transformada em Food Hall, com artesanato e produtos da gastronomia  local, estimulando o empreendedorismo local com o apoio da Fundação. Referências como o Mercado Time Out e a biblioteca de Boston estão nos planos, para comprovar que “mesmo pequenos queremos fazer bem feito”, reiterou Ricardo.

Obra de Túlio Pinto

After the workshops were already up and running, as well as other initiatives, such as the Usina Art Festival, they began to build the botanical garden and prepare to receive new artists. In 2016, with José Rufino’s visit to an artist residency at the Usina de Arte, the idea of ​​expanding began to take shape.

Art has always been a part of the Pessôa de Queiroz family, but the idea now is to use art as a tool for the community, through artistic education. A museum that is built for the community, where young people can continuously develop intellectually while coexisting with art daily.

“My grandfather invested a lot in the region. He wanted the progress from the capital city to reach everyone here, without people having to dislocate. With this in mind, my wife Bruna and I thought about restoring what was once a well-developed area.”, said Ricardo. The park became a set of botanical gardens with more than 40 artworks installed. They also worked on the integration project, which includes the reactivation of the former department store turned into a Food Hall, with handicrafts and local gastronomy products, stimulating local entrepreneurship with the support of the Foundation. References such as the Time Out Market and the Boston library are in the plans, proving that “even though we are small, we want to do things right”, reaffirmed Ricardo.

Atualmente com o acompanhamento do curador Marc Pottier podemos visitar obras de aristas como Denise Milan, Flávio Cerqueira, Júlio Villani, Juliana Notari e Túlio Pinto. A minha visita foi quando a obra Conversadeiras, de Claudia Jaguaribe, estava sendo instalada.

Ao passear pelo jardim, vemos a transformação do pensamento local sendo levada a cabo. Junto com obras de artistas de renome internacional está a obra Renascer, de Ronaldo Tavares, funcionário da Usina de Arte, que descobriu um talento encoberto pela falta de oportunidade e consciência de arte.

E como o show continua, mais uma obra será inaugurada agora em agosto.

Desta vez, será a obra de Alfredo Jaar – Claro-Escuro 2021 Neon – que está incrivelmente instalada no último andar da fachada abandonada da usina. Impactante!

A não perder!

Ronaldo Tavares

While accompanied by curator Marc Pottier, one can visit works by artists such as Denise Milan, Flavio Cerqueira, Júlio Villani, Juliana Notari and Tulio Pinto. My visit happened while the art piece Conversadeiras, by Claudia Jaguaribe, was being installed.

As we walk through the garden, the transformation of the local community becomes clear. Along with artworks by internationally renowned artists is Renascer, an art piece by Ronaldo Tavares, an employee at Usina de Arte, who discovered a talent that had been hidden by the lack of opportunity and awareness of art.

As the show must go on, another work will open this August. This time, it will be Alfredo Jaar’s work – Claro-Escuro 2021 Neon – which is incredibly installed on the top floor of the abandoned facade of the Usina. Astonishing!

Not to lose!

VEJA ABAIXO GALERIA COMPLETA DE IMAGENS:

See the full image gallery below:

Compartilhar:

Confira outras matérias

ALTO FALANTE

Claudio Edinger: ética do olhar

POR ARTUR DE VARGAS GIORGI
Diferentes leituras do trabalho de Claudio Edinger reforçam um mesmo aspecto, que envolve suas imagens, e …

ALTO FALANTE

O grafite que ganha as ruas e o lambe-lambe que ganha as casas

Por Paula Mesquita Lage*
Nos últimos anos, venho observando uma fascinante transformação: a valorização da arte de rua no Brasil, uma …

ALTO FALANTE

80 e sempre: a força imortal da Escola Guignard

Por Gustavo Penna*
80 anos da Escola Guignard. Sou grato por fazer parte dessa estrada de sensibilidade, como arquiteto e, acima …

ALTO FALANTE

Estética e ética

POR ARTUR DE VARGAS GIORGI
Certas obras – ou ainda: certos fenômenos estéticos – colocam em primeiro plano a dimensão ética …

Notícias da França

Stephen Dean sonha com uma crescente harmonia de cores

POR MARC POTTIER
Com o lema “As cores são um rio, volto à sua nascente”, o artista autodidata franco-americano Stephen Dean …

ALTO FALANTE

Arte e destruição

POR ARTUR DE VARGAS GIORGI
Destruir, queimar, abrir espaço: para fazer vingar uma estética própria da vida moderna, em uma Europa …

ALTO FALANTE

Em Busca do Self: o Mundo (da Arte) Precisa se Recuperar do Existencialismo

POR MATHEUS CENACHI
Acredite, vivemos tempos de glória. Constantemente a arte contemporânea mostra que a crítica, o questionamento e o rompimento …

ALTO FALANTE

Tarsila do Amaral e o Carnaval no Rio de Janeiro em 1924

POR MICHELE PETRY
 

O ano de 1924 foi muito profícuo para Tarsila do Amaral (1886-1973), a artista produziu 261 obras, entre …

ALTO FALANTE

Razões internas e externas: o compromisso prático da arte com a realidade

POR MATHEUS CENACHI
 

Apesar de viver grandes momentos de experimentação, a arte contemporânea enfrenta sérias dificuldades em sua agenda ética. Naturalmente, …

Notícias da França

Philippe Austruy, um epicurista da arte, compartilha suas descobertas na Commanderie de Peyrassol

POR MARC POTTIER
Philippe Austruy preenche todos os requisitos – certos – daquilo que faz brilhar a arte francesa de viver: …

ALTO FALANTE

Obra de Aby Warburg ganha curso no Rio

POR DOMI VALANSI
 

Falecido há 95 anos, o historiador de arte alemão Aby Warburg (Hamburgo, 1866–1929) é um dos mais debatidos …

ALTO FALANTE

ACERVO DA LAJE EM SALVADOR, MAPUTO, SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO

POR JOÃO VICTOR GUIMARÃES
Único representante das Américas no Museus Future África, em Maputo, o Acervo da Laje apresenta uma exposição …

ALTO FALANTE

Arte e imaterialidade

POR ARTUR DE VARGAS GIORGI
Em 1848, quando sintetizaram as dinâmicas históricas que distinguiam a “época burguesa” das anteriores, Marx e …

ALTO FALANTE

O Mergulho, de Renata Adler

POR MARC POTTIER
O Mergulho, título da exposição individual de Renata Adler não é um convite para mergulhar na água, mas …

Notícias da França

EXTRAVAGÂNCIAS | TRANSCENDENDO O BARROCO E O KITSCH

POR MARC POTTIER
Depois do Guggenheim de Bilbao, do Chateau de Versailles, do Palazzo Grassi de Veneza…, para sua primeira exposição …