Versão de A Última Ceia de Warhol, leiloada em 2014 por U$ 9,3 milhões. (- Foto: PER LARSSON / TT / TT NEWS AGENCY / AF)

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de banda de rock, que tenha levado um tiro de uma feminista e sobrevivido e que marcava presença nas festas de celebridades nova iorquinas nos sábados à noite e acordava cedo no dia seguinte, domingo, para […]

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de banda de rock, que tenha levado um tiro de uma feminista e sobrevivido e que marcava presença nas festas de celebridades nova iorquinas nos sábados à noite e acordava cedo no dia seguinte, domingo, para ir à missa numa igreja católica.  A única personalidade capaz de cumprir todos estes quesitos é o Papa do Pop, Andy Warhol. O artista que vagava pelas ruas da cidade com sua peruca platinada, jaqueta de couro e óculos escuros, distribuindo edições de sua revista interview é conhecido principalmente por ter sido (fazendo uma paralelo metafórico religioso) o verbo encarnado do famoso ensaio de Walter Benjamin “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”, produzindo várias cópias coloridas em seus silk screens de imagens de produtos de consumo e artistas de cinema e da música; escondia, ou pelo menos não se interessava em divulgar, seu lado religioso. Em seu diário,  editado e publicado por sua secretária e confidente, Pat Hackett, há inúmeras ocasiões em que Andy afirmava ter ido domingo de manhã numa igreja católica localizada na Upper East Side, em Manhattan, de 1976 à 1987. Natural de uma família emigrante austro-húngara, que tinha como religião o rito católico bizantino rutena, talvez a presença de imagens e ícones religiosos  na sua casa tenha, em seu subconsciente, se amalgamado com os pôsteres de estrelas de cinema que enfeitavam as paredes de seu quarto e influenciado esta personalidade tão contraditória de Warhol. O fato é que, na última década de sua vida e de sua produção artística, o artista dedicou-se à obras que tinha Jesus Cristo como tema. Tendo feito com o Cristo o mesmo que fez com Marilyn Monroe, Warhol produziu obras com a imagem do Salvador colorida com fortes cores e reproduzidas à exaustão, chegando até  a por uma etiqueta com valor em dólares em uma destas representações. Utilizando de metalinguagem artística,  Andy reproduziu também releituras (ou seriam cópias?) do famoso afresco de Leonardo da Vinci, A última ceia, também empregando cores vibrantes e, é lógico,  reproduzindo a imagem uma centena de vezes. Uma destas obras foi leiloada em 2014 por U$ 9,3 milhões. Esta obra, como se sabe, ilustra uma passagem bíblica neotestamentária, onde Cristo revela que sua morte se aproxima. Andy Warhol fez suas versões de A Última Ceia nas vésperas de sua morte, em 1987,  perpetuando com esta coincidência mórbida a sua lendária carreira.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Jean-Michel Othoniel, o mágico do reencantamento

Não confie nas únicas transparências imaginadas por Jean-Michel Othoniel. Enquanto assume uma busca pela beleza que anda de mãos dadas …

colunas Iluminuras

Esse mundo perfeito

À memória de Lélia Coelho Frota
“Nosso negócio é a contemplação da nuvem.”
Carlos Drummond de Andrade
“Suas pinturas são nuas como Adão …

Iluminuras

CHUVA

“Cuenca abstracta, pura, de color plata, de
gentiles piedras, hecha de hallazgos y de olvidos –
como el mismo amor –, cubista …

Notícias da França

De Hope a Nope, de We The People a We The Future, as serigrafias que se tornaram icônicas por Obey …

Iluminuras

O TERCEIRO DIA

“No te escondas, que ya te has puesto viejo.
Que a Natura obedezcas te aconsejo,
Que el tiempo te robó tu fortaleza.
…Está …

Notícias da França

Com seu livro-objeto Flor no Asfalto, Claudia Jaguaribe inspira o simbiótico

Em busca de um trabalho comprometido com as fronteiras da fotografia, design gráfico e editorial, Claudia Jaguaribe desenvolve uma narrativa …

Iluminuras

SEMPRE EUROPA / FRANÇA e ITÁLIA

Biarritz, 20 de janeiro de 1991
Denise escolheu Biarritz para pernoitarmos. Lembrou das antigas fotografias de Jacques Henri Lartigue, nas quais …

Iluminuras

A MÁRIO E ROBERTO

Azeitão, sábado, 21 de janeiro de 1989
Nazaré é uma cidade costeira. Há uma pequena enseada e um ancoradouro de pedras …

Notícias da França

As auto-hibridizações de ORLAN trazem a mulher-sujeito para o futuro

Para inaugurar seu novo espaço, Belle Rive, Espace d’Art et maison de la Photographie, na França, a coreógrafa e artista …

Iluminuras

A PAISAGEM É A PINTURA

Mon naturel me contraint de chercher
et aimer les choses ordonnées, fuyant
la confusion, qui m’est aussi contraire
et ennemie comme est la …

Notícias da França

Anne e Patrick Poirier inscrevem na pedra a fragilidade da alma do mundo

Designando-se como escultores, arqueólogos e arquitetos, Anne e Patrick Poirier questionam a memória e a fragilidade das civilizações com uma …

Iluminuras

DIÁRIO DE IMAGENS

Para João Atanásio
S’il faut analyser le fait de peindre, ma peinture,
c’est le journal de ma vie,
une projection de …

Notícias da França

Com espírito radical, os irmãos Campana alertam para as metamorfoses do mundo

Seu sucesso como designers não deve obscurecer a inspiração desses mágicos de materiais recuperados, desviados e reinventados. Os irmãos brasileiros …

Iluminuras

AMADA TOLEDO, AMADA LISBOA

Los meses y los días son viajeros de la
eternidad. El año que se va y el que viene
también son viajeros. …

Notícias da França

O radicalismo de David Hammons

Por cinco décadas, David Hammons se tornou o arauto de uma estética da diferença, recorrendo ironicamente à sua própria experiência …