Versão de A Última Ceia de Warhol, leiloada em 2014 por U$ 9,3 milhões. (- Foto: PER LARSSON / TT / TT NEWS AGENCY / AF)

Andy Catholic Warhol

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de banda de rock, que tenha levado um tiro de uma feminista e sobrevivido e que marcava presença nas festas de celebridades nova iorquinas nos sábados à noite e acordava cedo no dia seguinte, domingo, para […]

Tente lembrar de outro personagem na história que seja um artista visual, produtor de filmes pornô chic, gay, empresário de banda de rock, que tenha levado um tiro de uma feminista e sobrevivido e que marcava presença nas festas de celebridades nova iorquinas nos sábados à noite e acordava cedo no dia seguinte, domingo, para ir à missa numa igreja católica.  A única personalidade capaz de cumprir todos estes quesitos é o Papa do Pop, Andy Warhol. O artista que vagava pelas ruas da cidade com sua peruca platinada, jaqueta de couro e óculos escuros, distribuindo edições de sua revista interview é conhecido principalmente por ter sido (fazendo uma paralelo metafórico religioso) o verbo encarnado do famoso ensaio de Walter Benjamin “A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica”, produzindo várias cópias coloridas em seus silk screens de imagens de produtos de consumo e artistas de cinema e da música; escondia, ou pelo menos não se interessava em divulgar, seu lado religioso. Em seu diário,  editado e publicado por sua secretária e confidente, Pat Hackett, há inúmeras ocasiões em que Andy afirmava ter ido domingo de manhã numa igreja católica localizada na Upper East Side, em Manhattan, de 1976 à 1987. Natural de uma família emigrante austro-húngara, que tinha como religião o rito católico bizantino rutena, talvez a presença de imagens e ícones religiosos  na sua casa tenha, em seu subconsciente, se amalgamado com os pôsteres de estrelas de cinema que enfeitavam as paredes de seu quarto e influenciado esta personalidade tão contraditória de Warhol. O fato é que, na última década de sua vida e de sua produção artística, o artista dedicou-se à obras que tinha Jesus Cristo como tema. Tendo feito com o Cristo o mesmo que fez com Marilyn Monroe, Warhol produziu obras com a imagem do Salvador colorida com fortes cores e reproduzidas à exaustão, chegando até  a por uma etiqueta com valor em dólares em uma destas representações. Utilizando de metalinguagem artística,  Andy reproduziu também releituras (ou seriam cópias?) do famoso afresco de Leonardo da Vinci, A última ceia, também empregando cores vibrantes e, é lógico,  reproduzindo a imagem uma centena de vezes. Uma destas obras foi leiloada em 2014 por U$ 9,3 milhões. Esta obra, como se sabe, ilustra uma passagem bíblica neotestamentária, onde Cristo revela que sua morte se aproxima. Andy Warhol fez suas versões de A Última Ceia nas vésperas de sua morte, em 1987,  perpetuando com esta coincidência mórbida a sua lendária carreira.

Compartilhar:

Confira outras matérias

Notícias da França

Os desenhos-instalações de Odonchimeg Davaadorj carregam utopias para mudar o mundo

“É nas utopias de hoje que residem as soluções de amanhã”, afirma Odonchimeg Davaardorj. A autodidata que fugiu da Mongólia …

Iluminuras

NO CLARÃO DA MANHÃ

“Nada que existe na natureza anuncia o
infinito, a existência de alguma coisa
infinita. O infinito é um parto de nossa
imaginação, da …

Notícias da França

O xamã Marc Couturier navega além do espiritual e do sublime

O “milagre” da sua Cruz Gloriosa, que permaneceu intacta após o incêndio de Notre Dame, nos lembra que a obra …

Iluminuras

ESPELHOS E OSSOS

 “Quantos azuis produziu o Mediterrâneo?” 
 Rafael Alberti
Peinture à l’eau. Adoro essa expressão. Desconstrói a ideia da perenidade da arte e da …

Notícias da França

A arte antropológica de Icaro Lira incorpora uma poética do traço

Se as composições poéticas delicadas ou lúdicas de Icaro Lira seduzem, também carregam uma dimensão política ao escavar os interstícios …

Iluminuras

SAGRAÇÃO

PAI
Nem a água que corre retorna ao seu manancial,
nem a flor desprendida de sua haste jamais
voltará à árvore que a …

Notícias da França

Artista de eventos quânticos, Guillaume Cousin reivindica a materialidade do vazio

As descobertas da física quântica desencadeiam um fascínio estético em Guillaume Cousin. A ponto de reivindicar uma revolução cultural quântica! …

Iluminuras

O TEMPO GEOLÓGICO

A montanha
Não creio em reencarnação, porém, se me fosse oferecida essa dádiva, voltaria a este mundo como ave de rapina …

ALTO FALANTE

ESTRANHO SILÊNCIO

Uma entrevista a quatro mãos ao longo do ano da peste
 

Um mapa é um personagem de Flaubert. Na tradição do …

Notícias da França

A empatia resistente de Myriam Boulos, entre o documentário e imagens íntimas

Testemunha nítida do caos endêmico do Líbano e Beirute antes e depois da explosão de 4 de agosto de 2020, …

Iluminuras

A Tempestade

Tememos o inexorável. Contemplo a nuvem que desliza lentamente e, no espaço, espalha matizes de cinzas delicados que, com o …

Notícias da França

A aleatoriedade controlada de Benoit Pype constrói uma estética de desaceleração.

Recorrendo a uma “aleatoriedade controlada” no limite das nossas percepções e do invisível, as obras de Benoit Pype convidam-nos a …

Iluminuras

UM OSSO?

Vagalumes cruzam a noite de Vargem Grande neste fim de primavera, e, em voos ilógicos, desenham abstrações no vazio, riscam …

Notícias da França

Filipe Vilas-Boas não é um ingênuo tecnófilo e nem tecnofóbico

Entre o cidadão ativista, o filósofo crítico e o performer digital, o criador franco-português Filipe Vilas-Boas não deixa de questionar …

Iluminuras

O SÉTIMO SELO

                                                          “Logo percebi o grito melancólico de uma
                                                            ave de rapina, instaurou-se o silêncio do
                                                            eterno começo, o mundo como …