ZIMMERMANN | CRIADOR DE ATMOSFERAS

A galerista Zilda Fraletti completa, nesse ano, 30 anos de trabalho dedicados às artes plásticas. Para comemorar, ela será a anfitriã do coquetel de abertura da exposição Zimmermann | Criador de Atmosferas, no dia 03 de setembro, quarta-feira, às 19h, especialmente para convidados. O evento acontecerá na Zilda Fraletti Galeria de Arte, localizada no Design Center, no Batel. Com o apoio do Programa Jet Set, de Marcos Soares, que assinará a produção e da Thá, a exposição ficará em cartaz até o dia 27 de setembro, com visitação gratuita nos horários de funcionamento do Design Center, de segunda a sexta das 09h30 às 18h30 e aos sábados, das 10h às 14h.

Formada em Psicologia, Zilda Fraletti seguiu o caminho das artes. Morando em Londres, conviveu com Carlos Eduardo Zimmermann, a quem conheceu ao chegar à cidade e iniciou assim uma amizade que, segundo ela, foi fundamental para que aprofundasse seus estudos sobre o tema. Na capital inglesa conviveu ainda com diferentes artistas plásticos. No Brasil, em 1984, iniciou suas atividades ligadas às artes plásticas, organizando grupos de amigos para a aquisição de obras de arte. O primeiro artista com quem trabalhou foi o próprio Zimmermann. Depois de uma temporada em São Paulo, onde manteve um escritório, inaugurou em Curitiba a primeira galeria da cidade dedicada à arte contemporânea, a Zilda Fraletti Galeria de Arte, em 1995.

“Nestes anos, o que mais me motivou foi divulgar a arte contemporânea de qualidade, principalmente aquela produzida no Paraná, incentivando novos talentos e buscando também aproximar o público dos artistas”, afirma a galerista. Desse modo, realizou parcerias com diferentes espaços da cidade, expondo assim artistas novos e consagrados.

“ZIMMERMANN | CRIADOR DE ATMOSFERAS”
Zimmermann levará para a exposição 16 peças em grandes dimensões, todas inéditas. São obras cujo desenvolvimento iniciou-se em 2007, algumas tendo sido finalizadas em 2014. Apesar da variedade das técnicas utilizadas pelo artista – que inclui dobraduras em papel com tratamento realista, óleo sobre tela, acrílica sobre tela, pastéis encerados, serigrafia e relevo em escultura de parede –, todas as obras estão sintonizadas em uma mesma proposta. “Essa seleção abrange um conjunto de técnicas que há anos venho utilizando em meus trabalhos. Quis pinçar diferentes soluções para oferecer ao observador um leque mais variado de obras, com materiais que sempre me atraíram”, comenta Zimmemann.

Em comum, os trabalhos mantêm raízes surreais, com linguagens figurativa e realista. As obras veiculam uma atmosfera surreal que valoriza os espaços vazios, o silêncio, a reflexão, o clima de mistério e a geometria. Tudo isso, ajuda o espectador a perceber a luz que deriva das próprias obras, em uma proposta que apresenta um jogo lúdico entre o real e o irreal, o vivido e o sonhado, com poucas cores e jogo de luz e sombra. Essa soma resulta em hiper-realismo, cujos detalhes e ângulos, executados com perfeição, são capazes de levar o espectador a uma dimensão de realismo mágico e transformar objetos do cotidiano, fornecendo novas leituras, olhares e comentários.

Compartilhar: