Visita guiada Remotamente | Eduardo Colesi

Fotógrafo realiza, nesta terça-feira, 9/6, em sua residência, a exibição de sua exposição “Remotamente” e uma visita guiada por imagens e objetos pessoais que trouxe dos mais de 40 países asiáticos e africanos já visitados. Colesi convida público em casa para interagir e compartilhar histórias e saberes das culturas ancestrais diversas que conheceu ao longo de duas décadas.

Quem ama fotografia, viagens e tradições pouco conhecidas não pode perder a visita-guiada online da exposição “Remotamente”, uma seleção de sua produção recente que será transmitida ao vivo na próxima terça-feira, 9/6, às 19h30, direto do Instagram do fotógrafo Eduardo Colesi (www.instagram.com/educolesi). A transmissão, uma iniciativa inédita, com três câmeras e luz profissional, será realizada pelo coletivo audiovisual Pinball, do qual o fotógrafo faz parte. Os participantes estarão cada um em sua casa, como manda o figurino da quarentena.

A mostra fotográfica, montada pela primeira vez na residência do próprio fotógrafo e no contexto de isolamento social, será uma live incomum, uma experiência única de fruição das imagens. Eduardo acompanhará a visita compartilhando, ao longo do trajeto, desde surpresas perigosas, como a aparição de um lobo na Mongólia enquanto registrava uma corrida de cavalos selvagens, até o contato com culturas pouco conhecidas, como as visitas às tribos Himba, na Namíbia e Masai, no Quênia. Será possível interagir com o artista e fazer perguntas ao vivo.

Conhecido no meio da fotografia publicitária, Colesi realiza já há duas décadas imersões por lugares distantes, especialmente dos continentes asiático e africano, em busca de imagens que registrem saberes e culturas ancestrais. Dessa vez ele, que muitas vezes visita casas desconhecidas para ouvir histórias, faz o movimento inverso com o público, compartilhando aprendizados e detalhes de suas jornadas. “Me sinto guardado, e não confinado, e achei que trazer, ainda que remotamente, os visitantes à minha casa seria a melhor forma. A distância física não precisa significar necessariamente isolamento”, diz o fotógrafo.
Para os aspirantes a fotógrafo, ainda, Eduardo irá recapitular seus primeiros passos na fotografia de viagem e dar depoimentos sobre a profissão e sobre as especificidades de cada povo e geografia que conheceu.

Seus registros vão de paisagens grandiosas com animais até retratos de pessoas de todas as idades em situações cotidianas, de trabalho, imagens que unem o desejo de documentar o instante único com uma técnica apurada ao olhar poético e experimental. Dentre suas séries, destacam-se as visitas a nômades na Mongólia, as últimas mulheres de Mianmar com o rosto tatuado, monastérios budistas, tribos de domadores de renas e povos africanos, muitos vivendo em lugares bastante inacessíveis.

Conceitos como sustentabilidade, o valor da união entre comunidades e o aprendizado frente a situações de isolamento e silêncio prolongado se fizeram presentes em diversas das empreitadas do fotógrafo pelo mundo. Tais habilidades, além de serem o pano de fundo de diversas de suas imagens, são muito importantes e presentes na realidade da quarentena enfrentada por cada um de nós. Por isso também a vontade de realizar o bate-papo e a transmissão diretamente de sua casa. É mais uma realização com rigor e sem precedentes do artista. Uma oportunidade de viajar de forma remota para diversos lugares a partir da sala do anfitrião da noite. “Às vezes é preciso ir longe para chegar perto”, constata e convida Colesi.

Transmissão ao vivo www.instagram.com/eduardocolesi

Compartilhar: