"Uma Escultura na Sala", de Eduardo Coimbra

A Galeria Laura Alvim inaugura a instalação “Uma escultura na sala”, do carioca Eduardo Coimbra. Com curadoria de Glória Ferreira, a obra estende por todo o espaço expositivo 29 elementos que formam o que Coimbra define como uma única escultura. São cubos empilhados ou justapostos, de dimensões diversas, vazados em duas faces, que criam novas áreas e caminhos no circuito da galeria.

As peças são construídas em ferro, para serem ocupadas pelo visitante. Sua estrutura é capaz de suportar o peso de um adulto em qualquer de suas faces, possibilitando ao espectador a criação de percursos dentro, entre e sobre os cubos.

Quando apresentados ao ar livre, em 2013, os volumes serviram para atividades lúdicas, como local de encontro, proteção contra a chuva e até como abrigo para moradores de rua. No caso da Laura Alvim, é a primeira vez que Coimbra leva este trabalho para um ambiente fechado.

“É uma nova ‘arquiteturização’ do espaço – os volumes habitáveis que se interconectam e os percursos que surgem a partir dessa ocupação descaracterizam e re-caracterizam o espaço expositivo”, explica o artista.

Os cubos são pintados com tinta automotiva em preto e branco, ora em listras, ora totalmente de branco, ora totalmente de preto. Os elementos foram criados em três medidas: 0.50, 1.00 e 2.00 metros, e a posição das listras define oito tipos diferentes de cubos.

O uso do preto e branco, combinado à simplicidade das formas cúbicas, por um lado simplifica e objetiva a
percepção espacial da Escultura; por outro, as listras criam um ritmo visual que produz ilusões óticas. O espaço pode parecer plano ou profundo, por exemplo. O movimento do espectador altera seu entendimento do circuito. O quebra-cabeça das formas quadradas é diferente a cada ponto de vista.

“Uma escultura na sala” encerra o período da curadora Glória Ferreira, à frente da Galeria Laura Alvim desde 2013.

Compartilhar: