Tina Velho | Paço Imperial

A exposição “Binário”, com curadoria de Tânia Queiroz apresenta cerca de 20 obras, com técnicas variadas como videoinstalação, pinturas, gravuras, objetos, além de uma série com sete cadernos de poesias e outra com trinta pequenas aquarelas – tamanho cartão postal.

Os trabalhos de Tina Velho leva o público a diferentes tempos e espaços. Por meio de imagens e objetos, o telespectador é conduzido a lugares que podem ser reconhecidos, a céus que já visitaram e a entendimentos que foram compartilhados em outros tempos.

O título da mostra pode se referir à célula rítmica formada por dois tempos na música, à classificação de gênero ou sexo, ao sistema de numeração e à computação.

As referências a constelações e às figuras de pessoas, objetos ou animais que os astrônomos da antiguidade imaginaram ser formadas por elas estão presentes no trabalho de Tina Velho. As constelações, que são sistemas de atração e repulsão presentes no movimento contínuo existente na terra e no universo, se articulam na exposição com outras figuras, as de pássaros, que fazem parte do repertório da artista desde os anos 1980.

Crédito fotográfico: Wilton Montenegro.

Compartilhar: