Sonia Andrade | Galeria Athena

A Galeria Athena apresenta a exposição individual de Sonia Andrade: ”O lugar a que se volta é sempre outro“, com curadoria de Raphael Fonseca, pesquisador e, no momento, curador do MAC Niterói. A mostra contará com cerca de 30 obras em sua maioria nunca antes mostradas, que ocuparão três espaços expositivos da galeria. Os trabalhos abordam não só as diferentes relações com a noção de tempo, como também criações de diferentes momentos da pesquisa de Sonia Andrade, de 1972 aos dias atuais.

Reconhecida por seu pioneirismo na videoarte no Brasil, Sonia Andrade ganhou renome internacional pelas produções precursoras em um momento ditatorial no país. Suas obras, de diferentes formatos, têm percorrido exposições ao redor do mundo, bem como integram coleções notáveis. Para a exposição na Galeria Athena, a curadoria optou por ressaltar a produção artística que extrapola o suporte audiovisual. O público poderá acessar os diversos meios pelos quais a artista se debruçou, e continua a trabalhar, ao longo de sua carreira, como desenhos, fotografias, objetos e instalação. A mostra não se comporta como uma retrospectiva, mas sim como um panorama heterogêneo de obras da artista, uma vez que muitas das que estarão em exposição foram finalizadas neste ano.

O título da exposição parte de um trecho do poema “Là-bas, je ne sais où…” (em tradução livre significa “Lá, não sei onde”), publicado em 1944, de Alvaro Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa. O poema sugere uma reflexão sobre um futuro próximo para qual se vai e do qual não é possível voltar. “O lugar a que se volta é sempre outro” reflete a exposição de Sonia Andrade: trabalhos revisitados e finalizados neste ano que ganharam novos olhares, significações e entendimentos.

Compartilhar: