Sérgio Free | Casa Jacarepaguá

A Casa Jacarepaguá recebe a exposição de street art “A Predição”, de Sérgio Free. Com obras que nos remetem à vivências “congeladas” de fatos atuais e às consequências no futuro, o artista traz em seu trabalho essa união de lembranças, observação de pessoas e arquitetura das grandes metrópoles em cenários urbanos realistas com personagens contrastantes – o palhaço, que sempre se destacou em seu trabalho, agora aparece mais como uma reminiscência, dando espaço para figuras humanas mais apreensivas.

Nascido na Bahia, Sérgio passou a morar na capital paulistana ainda criança e, em seus pequenos trajetos rotineiros, passou a observar a arte urbana em pichações. Só descobriu que aquilo não era bem visto pela sociedade quando, muito novo, ajudava alguns artistas de seu bairro e estes foram levados pela polícia. “Aos oito anos de idade, tudo era muito lúdico, ainda mais na visão de uma criança. Foi duro começar a entender como a cena do street art era percebida”, comenta Sérgio. “Acompanhei a cultura do pixo e sempre soube que não era só risco na parede. No meu ponto de vista tudo tem que “ ornar”: ao contrário do que muitos falam. Tem que combinar com as formas da cidade, as letras de um nome tem que ter a mesma “genética,” o picho tem que ser exagerado porém de uma maneira clássica”, complementa.

Por meio de observações de prédios e pichações, o artista passou a desenvolver sua própria narrativa e traços pelos muros da cidade: “Meu trabalho reproduz com realismo memórias afetivas da arquitetura dos bairros de trabalhadores, com seus pisos de cacos vermelhos, pastilhas, paredes erodidas, e sujas pela poluição e pela pichação, e, introduz certa dose de fantasia, com personagens inesperados em atitudes cotidianas. Este contraste traz um grande desafio técnico, mas, acima de tudo busca refletir sobre a sociedade atual”, diz ele.

Compartilhar: