Roberta Carvalho | Oi Futuro Agora

A artista paraense Roberta Carvalho é a convidada no próximo dia 22 de junho da série Oi Futuro Agora, dirigida e produzida por Batman Zavareze, no canal do Youtube da instituição, apresentada sempre às segundas-feiras.

Em sua participação na websérie, Roberta Carvalho irá comentar e mostrar imagens do Festival Amazônia Mapping, projeto de arte e tecnologia no espaço urbano, idealizado pela artista, e considerado o primeiro festival especificamente de videomapping no país. O festival, que realiza grandes projeções no centro histórico de Belém [http://www.amazoniamapping.com] e outras localidades como Santarém, tem ainda a importância de colocar a Amazônia em uma posição central no circuito de arte e tecnologia.

A edição de 2020 do Festival Amazônia Mapping será a primeira com uma chamada pública também internacional, e está programada para se realizar ainda este ano, após a pandemia. O evento é principalmente realizado no centro histórico de Belém, mas já foi realizado também em outros locais, como Santarém, e abrange videomappings, cinema ao vivo (prática de manipulação de imagens em tempo real), projeções em grande escala, intervenções com vídeo, performances audiovisuais, videoarte, entre outras linguagens. Uma de suas forças está em valorizar o entorno, gerando novos significados para as cidades por onde passa. “O Festival se propõe a habitar a Amazônia de maneira criativa, interagindo com seus elementos visuais, sua história, dialogando com seu povo. Assim, prédios históricos, embarcações, monumentos e outros elementos podem ser o suporte de apresentação dos trabalhos”, explica a artista. Mais sobre o Festival: https://www.instagram.com/tv/B-OZ4VzBef3/?igshid=1v9x7e0op31so

Roberta Carvalho foi convidada por Batman Zavareze, que já havia incluído a artista e sua obra “Symbiosis” na edição de 2014 do Festival Multiplicidade. “Symbiosis”, que também será abordada no episódio de 22 de junho da série Oi Futuro Agora, foi iniciado em 2007, e consiste em uma série de ações de projeção digital videográfica ou fotográfica em copas de árvores e vegetações em diversos espaços de cidades, comunidades, áreas verdes, florestas, “misturando a um só tempo intervenção urbana, fotografia, vídeo digital e instalação”, explica a artista. “A proposta deste projeto vai muito além da utilização da árvore como um anteparo para uma imagem, e leva ao extremo o nome que o designa, propõe-se a fazer uma simbiose com o local onde transita, geralmente beiras de rio de comunidades ribeirinhas amazônicas no Estado do Pará, da Ilha do Combu, Murutucu e outras localidades. É o corpo se adequando a esses espaços, para com eles formar um só organismo, em uma delicada relação simbiótica e simbólica que suscita reflexões acerca da nossa relação de identidade com a natureza e vice-versa”.

REALIDADE AUMENTADA

Roberta Carvalho é representada no Rio de Janeiro pela galeria Simone Cadinelli Arte Contemporânea, e seu trabalho “Maré” (2019), em sua mais recente investigação com a Realidade Aumentada, foi doado ao Museu de Arte do Rio, durante a feira ArtRio, passando a ser a primeira obra desta natureza da coleção. “Maré”, que iniciou a série “Amazônia Aumentada”, permite que, com o uso de QR em celular ou tablet, o espectador seja transportado para caminhos submersos da imagem exposta. As imagens trazem o universo de pesquisa da artista nas ilhas ribeirinhas do Pará.

Em isolamento social em São Paulo, Roberta Carvalho está realizando projeções nas fachadas de edifícios vizinhos ao que mora. Uma das projeções realizadas foi produzida junto com o artista Uyra Sodoma, e foi um videomapping com uma videoperformance feita durante uma residência com artistas oriundas da Amazônia. A exibição em São Paulo, de aproximadamente dez minutos, ocorreu na noite de 18 de abril, e foi transmitida pela página do Greenpeace Brasil no Tweeter. Pode ser visto em: https://www.instagram.com/tv/B_JC7MDDQZv/?utm_source=ig_web_copy_link.

 

Compartilhar: