Polígonos, pórticos, matéria e desejo

Marina Caverzan, Anahata (Série 7 Chacras), 2020

“Polígonos, pórticos, matéria e desejo”, exposição coletiva com curadoria de Cadu Gonçalves, propõe um diálogo de produções contemporâneas com a herança Construtivista latinoamericana, que tem seu ápice no Brasil durante os anos 1950/1960 com o Concretismo e Neoconcretismo. Através de suas reverberações em diferentes pesquisas atuais, a exposição aponta a experimentação com a geometria como um dos eixos de interlocução entre as obras de Carolina Martinez, Mano Penalva, Heleno Bernardi, Marina Caverzan, Julia da Mota e Renato Rios, em operações acerca de campos sociais, culturais, espirituais, astronômicos e poéticos.

Os desenhos e a pintura de Marina Carvezan, em seus desdobramentos, como nas telas de Julia da Mota e Renato Rios, compõem o espaço expositivo com os trabalhos em madeira de Carolina Martinez, obras realizadas com carimbos de Heleno Bernardi e as operações bi e tridimensionais de Mano Penalva, com destaque para Namoradeira, escultura de 2016.

A exposição ocupará o espaço da Rua Joaquim Antunes, em Pinheiros, e é fruto de uma colaboração entre Gisela Gueiros, Jaime Portas Vilaseca e Janaina Torres, que vivem em Nova York, Rio de Janeiro e São Paulo, respectivamente. A parceria tem a finalidade de conectar artistas, curadores, agentes e galerias e criar formatos flexíveis para que o público se envolva com arte contemporânea.

Compartilhar: