Paula Parisot | Embaixada do Brasil em Buenos Aires

A artista visual e escritora carioca Paula Parisot ocupa a Embaixada do Brasil em Buenos Aires com a mostra  Literatura do Eu, uma exposição-narrativa, em primeira pessoa, onde apresenta uma série de obras nas quais ela vem trabalhando desde 2016.

A mostra, parte da 3ª edição da BienalSur, que acontece simultaneamente em diversos museus e instituições culturais pelo mundo, é dividida em “capítulos”, como nos livros. Na primeira sala está representada a infância da artista, sua família e o pai dos seus filhos, que morreu. O corredor de circulação recebe desenhos abstratos que representam os seus pais e avós e esculturas em espuma e pintura acrílica de inegáveis alusões fálicas, que representam os homens importantes de sua vida. Esse corredor conduz à grande sala e à instalação A jovem senhora finalmente compreendeu que não há garantias nem almoços grátis, que resume a visão ligeiramente pessimista, embora realista, da artista, onde palavras juradas, o ego satisfeito e a eficácia da sedução não duram. Outros fatores entram em jogo, sendo a fatalidade um deles.

As duas salas subsequentes são dedicadas à videoarte: uma vídeo-performance inédita, captada ao meio-dia de 24 de outubro de 2013 – quando, com seu celular escondido, moveu-se como um lagarto rastejante pelas ruas em ebulição do centro de São Paulo, registrando tudo o que acontecia no nível do solo; o segundo vídeo abre com uma citação de Hilda Hilst – “Se você é coerente consigo mesmo, o resto é suportável. Eu suporto” – e é ambientado na Buenos Aires da quarentena, em 2020, como um “diário visual da pandemia”.

Compartilhar: