Palestra com Maddalena d’Alfonso | Casa Fiat de Cultura

O design italiano pode ser visto como parte de uma grande filosofia industrial, que criou uma forma de produzir objetos, ao combinar – como nenhuma outra nação havia feito antes – a funcionalidade e a estética. Por isso, carros, designers consagrados e movimentos artísticos estão intimamente interligados. Para aprofundar a temática, no dia 1º de outubro, das 19h30 às 21h, a Casa Fiat de Cultura realiza a palestra “Design dos desejos”, com a arquiteta Maddalena d’Alfonso, que colaborou com a curadoria artística da exposição “Beleza em Movimento: Ícones do Design Italiano”, em cartaz até 3 de novembro.

Maddalena mostrará como o imaginário das principais casas de design automotivo – Zagato, Bertone, Touring Superleggera, GFG Style e Pininfarina –, que integram a mostra “Beleza em Movimento”, estavam conectadas aos grandes designers da época, como Gio Ponti, Gae Aulenti e Gaetano Pesce, dentre outros. Além de falar sobre a concepção dos desenhos dos automóveis, a arquiteta analisará os contextos cultural e visual do período, que tanto influenciaram o desenvolvimento de projetos de design.

Ao ocupar todos os espaços expositivos de sua sede com a mostra, a Casa Fiat de Cultura explora o universo do design da Itália, com um panorama histórico do país no século XX, especialmente após a segunda guerra mundial, que influenciou a estética e a relação entre arte, arquitetura, design e gráficos. “O design italiano inovou ao transferir para os objetos uma sabedoria artística, e ao utilizar as tecnologias não apenas por seus materiais e técnicas, mas como uma maneira de enfrentar o futuro com novas formas e transformar as coisas comuns em fantásticas”, destaca Maddalena. Importante ressaltar que, naquele momento, o design se torna uma forma de desejo, ao ressaltar os novos princípios de liberdade, romper com o passado e estimular a imaginação das pessoas.

A mostra tem início com a sala de “Pressupostos Artísticos”, que ressalta o futurismo – importante movimento artístico italiano, nascido no começo do século passado e baseado em tecnologia e velocidade. A afinidade entre as obras de arte e as demais peças expostas também será abordada na palestra. “O futurismo foi um movimento ousado, impulsivo e com vontade de avançar ao futuro sem olhar para o passado. Este é o espírito do design italiano”, reflete a arquiteta.

Segundo ela, o design interpretou as novas tecnologias da época e se consagrou como força imaginativa com fortes raízes no futurismo, ao “construir um futuro em que as pessoas se sentiam diferentes e reconfiguravam suas ligações sociais, econômicas, políticas, culturais e internacionais”. Tal essência pode ser vista tanto nas obras de arte quanto em objetos do cotidiano, nos automóveis, no mobiliário, e, até mesmo, numa chaleira. “O design italiano construiu narrativas a partir de coisas comuns, para mostrar o lirismo escondido nas práticas mais simples, como sentar-se em uma cadeira aconchegante, ouvir o barulho da água fervendo e tomar café em uma xícara bonita. Mais do que necessárias, essas experiências são prazerosas. A forma dos objetos cria, em nós, o desejo de ter tais peças”, completa.

A palestra “Design dos Desejos” é realizada pela Casa Fiat de Cultura e pelo Ministério da Cidadania, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com patrocínio da Fiat Chrysler Participações Brasil, da Fiat Chrysler Automobiles e do Banco Safra, além de contar com apoio institucional do Circuito Liberdade, do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), do Governo de Minas e do Governo Federal.

Compartilhar: