Ojidu – Árvore da Vida Warao | Museu A CASA do Objeto Brasileiro

Still Warao FOTO Angelo Miguel

Museu A CASA do Objeto Brasileiro apresenta o artesanato de indígenas venezuelanas na exposição “Ojidu – Árvore da Vida Warao”. Pertencentes à etnia Warao e vivendo atualmente em condição de refúgio no Brasil, elas mantêm vivas a cultura e a história de seu povo produzindo cestos, vasos, bandejas, bolsas e chapéus com palha de buriti (“ojidu”), uma palmeira nativa da região amazônica.

Cerca de 200 peças tradicionais da cultura Warao serão apresentadas na mostra. Todas estarão à venda e o resultado apoiará novas ações de geração de recursos para a comunidade indígena, presente em cidades do norte do país, como Pacaraima e Boa Vista (Roraima) e Manaus (Amazonas), onde é possível encontrar buriti – também utilizada como fonte de alimentação e na construção de casas e canoas.

“Os objetos expostos contêm um conhecimento ancestral técnico e artístico e representam a identidade desta etnia”, afirma Renata Mellão, diretora do A CASA e idealizadora do projeto. Com Eliane Guglielme, coordenadora do museu, ela visitou o abrigo indígena Pintolândia, mantido em Roraima pela Operação Acolhida, do Governo Federal em Roraima. Foi assim que teve início o projeto da mostra. “Mais do que o objeto, essa exposição foca no ser humano. O artesanato das mulheres Warao é um elo com a cultura que ficou para trás”, diz Guglielme.

Originários do Delta Amacuro, no nordeste venezuelano, os Warao (“Povo da Água”, em seu idioma) são conhecidos há mais de oito mil anos. Segunda maior nação indígena do país, com cerca de 49 mil pessoas, eles começaram a migrar para o Brasil em 2016, fugindo da grave crise política e econômica do seu país. Estima-se que pelo menos 4.500 indígenas Warao vindos da Venezuela encontram-se refugiados no Brasil. De acordo com a Polícia Federal, cerca de 212 mil venezuelanos encontram-se no país.

“Ojidu – Árvore da Vida Warao” é realizada pelo Museu A CASA, em parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR), o Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA), a organização não-governamental Fraternidade – Federação Humanitária Internacional (FFHI), a União Europeia* e a Operação Acolhida, do Governo Federal. Uma segunda exposição está programada para 2020.

BATE PAPO E WORKSHOP GRATUITO

Duas artesãs Warao estarão em São Paulo para a abertura da exposição. Elas também realizam um workshop aberto ao público e participam de um bate-papo no dia 08 de novembro, das 15h às 17h. As inscrições são gratuitas e devem ser realizadas pelo e-mail eventos2@acasa.com.br.

Compartilhar: