Museu Sem Paredes

DiMoDA 2.0 - RISD Museum, 2017. Obras de Miyö Van Stenis (War Room), Rosa Menkman (DCT Syphoning The 64th Interval) e Theo Triantafyllidis (Self Portrait (Interior)) (© RISD Museum).

O novo coronavírus obrigou o mundo da arte a se repensar diante das redes digitais. Agora que o fim da pandemia parece estar no horizonte, quais serão as suas consequências a longo prazo para galerias e museus? Como podem nossos espaços de exposição e memória se aproveitar da internet e das novas tecnologias de imagem para ampliar a sua atuação pública?

Para explorar essa questão, a exposição Museu Sem Paredes mapeia uma série de projetos de museu em realidade virtual. Alguns deles – criados por artistas, curadores e pesquisadores de diversas partes do mundo – dão pistas de como a instituição de arte pode operar, dentro e fora do próprio edifício, como um sistema complexo de representações. Já outros, comissionados especialmente para a exposição, reconfiguram o Museu de Arte do Espírito Santo (MAES) na forma de podcasts, filtros de realidade aumentada e espaços imersivos on-line.

Museu Sem Paredes toma como ponto de partida a recente reabertura do próprio MAES, após uma longa reforma que recuperou elementos da sua arquitetura original e abriu o espaço museográfico à cidade ao redor. Sob a luz da noção de “museu imaginário” do escritor André Malraux, essa transformação ressalta o caráter social do museu. Segundo o curador Gabriel Menotti, “a exposição busca refletir um conceito de virtualidade que se refere não apenas à simulação computacional, como também a tudo aquilo que é possível”.

Alguns dos projetos em destaque na exposição incluem o Laboratório de Processamento de Imagem Digital da UFRJ, responsável pela digitalização dos artefatos do Museu Nacional; o Museu das Remoções, que preserva e dá continuidade à luta da comunidade da Vila Autódromo; e o Digital Museum of Digital Art, um museu virtual para obras digitalmente nativas.

Além de conhecer essas iniciativas, o visitante do site Museu Sem Paredes também vai poder ouvir audioguias de exposições imaginárias criadas por outras instituições culturais capixabas, manipular obras do acervo do Governo do Estado por meio de filtros de Instagram, e visitar recriações do MAES na plataforma WebVR Mozilla Hubs, produzidas durante uma residência em realidade virtual.

Museu Sem Paredes inaugura dia 09 de junho de 2021, e segue até o início de Agosto com uma série de atividades públicas que podem ser acompanhadas pelo site e pelas redes sociais do projeto. No dia da abertura, às 16h, haverá uma live de apresentação com o curador.

Compartilhar: