Museu Histórico Nacional apresenta Plano Anual para o ano de 2021

Fechado ao público há um ano por conta da pandemia em curso, o Museu Histórico Nacional, no Rio de Janeiro (RJ), segue atuando em formato remoto e definiu seu Plano Anual para 2021, implementando um conjunto de ações que contemplam temas como preservação de acervo, exposição, publicações, seminário e outras novidades – a introdução do uso de tecnologia QR code em alguns espaços expositivos é uma delas. Idealizado e desenvolvido pela Associação de Amigos do Museu Histórico Nacional (AAMHN), o plano anual tem gestão da produtora cultural Artepadilla e patrocínio do Instituto Cultural Vale por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.

Com abertura prevista para o mês de outubro, a exposição “Terra à vista e pé na Lua” marca o início das comemorações dos 100 anos do Museu Histórico Nacional, a ser celebrado no próximo ano, propondo uma aventura humana rumo ao desconhecido, tendo como vértice o olhar visionário do artista Ziraldo – que completará 90 anos em outubro de 2022.

Já as ações de preservação do acervo abrangem três áreas do MHN e englobam contemplam conservação e captação de imagens de peças etnográficas da coleção de indumentária Sophia Jobim (Reserva Técnica); material de consumo para acondicionamento de acervo museológico (Numismática) e ainda tratamento e digitalização de coleção de fotografias do século XIX (Arquivo Histórico).

A sonorização da exposição “Do móvel ao automóvel”, o lançamento de um livro sobre o Pátio dos Canhões, além dos códigos de ética do MHN e AAMHN fazem também parte do Plano Anual 2021. Devido à pandemia, as ações presenciais previstas poderão ser revistas de acordo com os protocolos de segurança do museu.

“Mesmo considerando as dificuldades relacionadas com a pandemia que seguimos enfrentando, o MHN tem buscado desenvolver projetos que valorizem, ainda mais, o seu acervo, ao atender públicos tão diversos”, explica Vânia Bonellli, Diretora Interina.

“Para o Instituto Cultural Vale, a salvaguarda de bens materiais e imateriais é a base para o reconhecimento de nossas identidades enquanto brasileiros e um caminho para ampliar a nossa visão de mundo. O Museu Histórico Nacional é um dos mais importantes museus do Brasil e, apesar das restrições da pandemia, cuida de seu precioso acervo e se moderniza para começar um novo capítulo em sua história”, afirma Christiana Saldanha, Gerente do Instituto Cultural Vale.

*Devido à pandemia em curso, o Museu Histórico Nacional encontra-se fechado ao público.

Compartilhar: