Mbya reko – Jaraguá é Guarani | Museu de Arte Brasileira da FAAP (MAB FAAP)

O Museu de Arte Brasileira da FAAP (MAB FAAP) abre no dia 13 de outubro a exposição Mbya reko – Jaraguá é Guarani. A mostra reunirá fotografias e pinturas que retratam o modo de vida do povo Guarani Mbya, que vive no Pico do Jaraguá, um território conhecido como Terra Indígena Jaraguá, em São Paulo. Com curadoria do professor e diretor da área de Comunicação da Faculdade Armando Alvares Penteado, Rubens Fernandes Junior, também crítico em fotografia, a exposição ficará em cartaz até 14 de novembro.

As obras são de autoria dos artistas Rafayane Carvalho, Dinas Miguel e Thiago Carvalho. A mostra também conta com a participação do jovem artista, fotógrafo, realizador audiovisual e comunicador Guarani, Richard Wera Mirim, que encontrou na arte da fotografia e do cinema um caminho para expressar o modo de vida e a luta do seu povo, além de incentivar outros jovens a seguir o mesmo exemplo.

Na Terra Indígena Jaraguá moram aproximadamente 800 indígenas, divididos em seis núcleos de aldeias: Tekoa Pyau, Tekoa Ytu, Tekoa Itawera, Tekoa Yvy Porã, Tekoa Itakupe e Tekoa Itaendy. O nhandereko (“nosso modo de viver” – para eles) ou mbya reko (“o modo de vida deles” – para nós) está presente em toda a exposição, retratado nas fotografias, nas peças de artesanato inspiradas na fauna brasileira, nos penachos e no cocar, no tradicional petyngua (cachimbo Guarani), e com o milho como fonte de alimento, chamado de avaxi ete’i, entre outros.

“A exposição apresenta como os Guarani vivem e resistem praticando o que eles chamam de nhandereko, que consiste no ensinamento e manutenção da língua materna guarani, do resgate, plantio e consumo dos alimentos tradicionais, da espiritualidade por meio das cerimônias sagradas, entre outras atividades do dia a dia”, explica a artista Rafayane Carvalho.

Mbya reko – Jaraguá e Guarani é a primeira mostra com temática indígena do MAB FAAP.

Compartilhar: