Mary Dutra | Centro Cultural Correios

Abstrato Azul

“Quebrou com o tempo. Como o tempo é capaz de quebrar?” Obras frágeis fazem parte da exposição individual “Se foi, tempo”, da artista plástica Mary Dutra, que, desde o início da pandemia, começou a escrever textos sobre o tempo em máquina de escrever.

Seus estudos poéticos e físicos sobre o tempo a levaram à constatação de que tudo tende a quebrar, seguindo a lei da desordem e do sentido do tempo. Obras em concreto levam ao espaço expositivo o questionamento de quando irá quebrar, considerando que tudo vai se desfazer algum dia.

“Nenhum objeto resiste ao tempo” é uma das instalações da mostra que traz escombros de uma antiga parede de pinturas. Além de três grandes telas “pintadas” com argamassa que tendem a se descolar e cair. “Não se sabe qual o tempo de vida das obras nem se elas irão resistir ao tempo da exposição”, analisa a artista Mary Dutra.

Objetos do tempo também falam sobre o que passou e não volta. Obras que misturam papelão, argamassa, tecido, azulejos pintados e textos em máquina de escrever. Objetos que lembram livros antigos, mas que nada guardam além de memórias.

Cada seção traz os textos escritos em máquina de escrever e promovem uma autorreflexão sobre como usamos ou desperdiçamos nossos tempos. “Acredito que, cada pessoa que visitar a exposição e ler os textos, irá se conectar com seu próprio tempo e refletir sobre seu tempo que passou de uma forma muito individual”, completa a artista.

A mostra é dividida em três seções: ‘Ficou ao tempo’, ‘Passou o tempo’, e ‘O sentido do tempo é a desordem. Quanto falta para quebrar?’. Pinturas, instalações, objetos, vídeos, sons e textos criam uma atmosfera imersiva e reflexiva sobre como lidamos com nossos tempos.

Dezenove telas que ficaram ao tempo também integram a mostra, num processo que foi observado e contabilizado por 6 meses. Um Instagram exclusivo (@sefoitempo) funcionará como uma extensão das obras, mostrando partes do processo que não estarão em exposição.

Com a curadoria da Tartaglia Arte de Roma, a exposição faz parte do projeto “Arte Contemporânea Feminina”, que contará com outras quatro exposições individuais de artistas mulheres ao mesmo tempo no Centro Cultura Correios. As mostras entram em cartaz no Rio de Janeiro no dia 05 de maio até 20 de junho e contarão também com um tour virtual.

Compartilhar: