Maria Cecilia de São Thiago | Estúdio 41

O Estúdio 41 recebe, a partir da terça-feira, 08 de março, a exposição Unforgettable, com obras da fotógrafa Maria Cecilia de São Thiago. “Fotografar e manipular imagens é pensar na profundidade das relações humanas”, define Cecília. Foi com esse pensamento que, em 2015, a artista iniciou o restauro e a edição de negativos estereográficos em chapa de vidro feitos por seu pai entre 1929 e 1944, com a intenção de provocar uma viagem no tempo e na memória dos seus irmãos mais velhos, que hoje têm por volta de 90 anos.

Visto que o acesso ao passado por meio de fotografias depende não apenas da memória, mas, também, de uma construção narrativa, Maria Cecilia sempre traz consigo uma dimensão incorporadora de ficção e surrealismo. A artista criou um universo a partir de registros de família e das histórias que lhe foram contadas ao longo de sua infância, protagonizadas por seu pai e seus 4 irmãos mais velhos, mais de duas décadas antes de seu nascimento. São quase 100 anos de fotografia que retratam as memórias de seus familiares e criam um laço de ancestralidade e pertencimento.

Fazendo o uso das ferramentas e dos dispositivos atuais, a artista transforma essas imagens captadas há quase um século em diários visuais poéticos de uma vivência que gostaria de ter tido, propiciando assim uma auto-cura pela fotografia e diminuindo a saudade que sempre teve de coisas que não conheceu.

 

As obras refletem a visão que a artista tinha dos irmãos pequenos. Como Em busca do tempo perdido, de Marcel Proust, tenta tornar presente o ausente, na busca de materializar a saudade de uma época não vivida. As imagens conseguem exemplificar de maneira muito precisa a ideia de que a arte fotográfica também é construção do passado, sem a necessidade do elemento discursivo.

O trabalho remete a um ideário popular, pois os álbuns de família são elementos muito presentes em nossa cultura, construindo história e memória. “Eu retomo os negativos em vidro de fotografias estereoscópicas dos meus irmãos, feitas por meu pai entre 1929 e 1944, e faço uma releitura dessas imagens, criando um vai e vem entre tempos e espaços, com o intuito de criar uma possibilidade de materialização da saudade que sinto, de um tempo que não vivi”, comenta a artista Maria Cecilia de São Thiago, sobre Unforgettable, também registrada em fotolivro.

Para Diógenes Moura, curador da exposição, “Maria Cecília trabalha com a memória, com uma fotografia que conta uma história muito pessoal, sendo, ao mesmo tempo, um valioso registro histórico. Em um insistente processo de criação e pós-produção, ela inventa uma outra história: junta o passado e o presente como um filme de sua própria vida”.

O primeiro estudo para esta série, batizado de “Eu Sei, Sim, Onde Ela Mora”, em referência a uma música composta pelo seu pai, recebeu o primeiro lugar para Fotolivros na convocatória Px3 e foi exposto em Paris em julho de 2021. Nesta exposição no Estúdio 41, os exemplares do fotolivro Unforgettable estão disponíveis para venda.

Compartilhar: