Manoela Cavalinho, Jordi Tasso e Henrique Fagundes | Fundação Ecarta

A Fundação Ecarta inaugurou Território Provisório, exposição com curadoria de Diego Groisman que reúne os artistas Manoela Cavalinho, Jordi Tasso e Henrique Fagundes em três instalações sobre a memória coletiva e o apagamento de episódios autoritários. “Os trabalhos expostos renovam possibilidades de interpretações de uma história pretérita e presente. Provocam a memória coletiva a repensar o peso de regimes autoritários e o seletivo apagamento de fatos como a repressão e a tortura aos opositores durante a ditadura militar no país”, descreve o curador de Diego Groissman.

“Território Provisório” indica uma proposição conceitual assentada entre variáveis que, se recombinadas, revelam certa redundância propositalmente enfatizada. O Sul do País, reconhecido pelo culto à tradição e empoderamento do patriarcado, com sua história caracterizada por ciclos de exclusão e subalternidade, é o cenário a partir do qual os artistas aqui reunidos- politicamente inquietos e esteticamente indóceis- suscitam o debate em torno da tomada de poder, não raras vezes, obtida pelo acionamento de mecanismos de opressão, coerção e violência, em suas facetas simbólicas e literais. Desmembrando e justapondo elementos de narrativas políticas consolidadas, os trabalhos expostos renovam a possibilidade de interpretações de uma história pretérita e presente. Provocam a memória coletiva a repensar o peso de regimes autoritários e o seletivo apagamento de fatos como a repressão e a tortura aos opositores durante a ditadura militar no País.

Compartilhar: