Manfredo de Souzanetto expõe obras inéditas na Mul.ti.plo Espaço Arte

A arte sem limites – de técnica, formato, textura, cores – de Manfredo de Souzanetto ganha, a partir de 27 de janeiro, às 19h, na Mul.ti.plo Espaço Arte, a exposição Organométricos, com 20 obras inéditas – da década de 1970 até recentíssimas, realizadas até o fim do ano passado. Colorista? Geométrico? Pintor, escultor, gravador? Tudo isso – e o que mais o futuro reservar para sua arte. A mostra reúne cinco litografias feitas durante o período em que o artista morou em Paris, nos anos 70, e nunca expostas; 14 telas (pigmentos sobre linho) de pequenos formatos, realizadas entre 2011 e 2014 – também inéditas – e um múltiplo feito especialmente para a exposição, uma escultura reunindo duas pedras, uma de bronze e outra de porcelana.

Mineiro da cidade de Jacinto, Souzanetto sempre trabalhou com pigmentos. Especialmente os naturais, tirados da terra e dos minerais das Gerais, além de óxidos de ferro, resina, juta e madeira. Entretanto, nas telas desta exposição, os pigmentos artificiais se misturam aos naturais, criando, ao mesmo tempo, continuidade e surpresa. “Introduzi cores industriais para criar outra dinâmica na obra. As cores ficam mais francas, mais abertas, há uma paleta mais variada, com contrastes que não aconteciam em outros trabalhos”, explica o artista.

Isso faz parte da busca de um artista que não se aprisiona. Nem mesmo nos limites da tela: Souzanetto sempre ultrapassou os quadrados e retângulos das molduras, criando tridimensionalidades. Na mostra da Mul.ti.plo, as telas, embora com formato tradicional, conversam entre si, se expandindo uma para outra. “Cada tela é única, mas é como se na verdade fossem ‘fragmentos de telas’, que se articulam com outros. Muitas formam um conjunto de três ou até mesmo quatro destes fragmentos”, diz.

A assinatura da obra de Manfredo de Souzanetto é justamente essa mistura de tradição e reinvenção. Por isso não se define como “colorista ou geométrico”. “Eu me circunscrevo em um eterno vai-vém, não em fases demarcadas. Sempre estabeleço um diálogo com as obras anteriores, que permite uma coerência na leitura da obra, mas buscando algo novo. Não uma ruptura, mas uma continuidade”, explica o artista, que também se vale desta liberdade para não se considerar um “colorista” ou um “geométrico”. “Meu trabalho tem cor, então sou, claro, colorista; a geometria é a base do meu trabalho, portanto, sou geométrico. Mas há a organicidade, não apenas por conta do pigmento mas do desenho, que é orgânico e que sempre faz um contraponto com a geometria. Tanto que fiz, há três anos, uma exposição em Paris que define bem isso: chamava-se Organométricos.”

Sobre o trabalho de Manfredo de Souzanetto, diz o crítico de arte francês Philippe Cyroulnik: “O que faz o interesse de suas obras é esta mistura de tradição e invenção que elas trazem em si, a arte de deixar o terreno conhecido pelo da mistura de gêneros. Elas têm o dom de tornar o improvável concebível e de serem ao mesmo tempo simples e complexas, evidentes e enigmáticas.” Este tom instigante, bem longe da monotonia, estão nas obras inéditas na exposição da Mul.ti.plo. 

Sobre o Artista:

MANFREDO de SOUZANETTO
Nasceu em Jacinto – Minas Gerais, em 01 de junho de 1947.
Vive e trabalha no Rio de Janeiro.

Estudou na Escola Guignard e Escola de Arquitetura da UFMG em Belo Horizonte; Escola Nacional Luis Lumière e Escola Nacional de Belas Artes em Paris e graduou-se pela
Escola de Belas Artes da UFRJ.

Desde 1974 expõe individualmente no Brasil e na Europa perfazendo mais de 50 Individuais. Entre estas destacamos Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro-projeto ABC/Funarte, 1982. Centro de Arte Moderna da Fundação Gulbenkian – Lisboa, 1994. Le 19, Centre Regional d’Art Contemporain – Montbéliard – France,1998. Musée National de Porcelaine Adrien-Dubouché – Limoges – France, 2000. Instituto Moreira Salles – 2005/2006; uma panorâmica de sua obra no Centro Cultural Correios – Rio de Janeiro, na Caixa Cultural em Brasília e no Palácio das Artes em Belo Horizonte, em 2006. Os Amigos da Gravura no Museu da Chácara do Céu do Rio de Janeiro, 2004. Kulturtorget em Stavanger, Noruega em 2007. Em 2009 fez uma grande exposição de suas obras no Centro de Arte l’Espal em Le Mans na França, e na Galeria Pascal Gabert em Paris. Em 2010 realizou a exposição “Litoral” no Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro com sua produção mais recente: pinturas e esculturas em madeira e em 2013 uma exposição na Stiftung Brasileia em Basel, Suiça.

Participou de importantes exposições coletivas como a XII e XVII Bienais de São Paulo, 1973 e 1983. VIII Festival Internacional de Pintura – Cagnes-sur-Mer – France, 1976. Grands et Jeunes d’Aujourd’hui – Grand Palais – Paris, 1978. Modernidade, Arte Brasileira do Século XX no Museu de Arte Moderna da cidade de Paris, 1987. UNESCO – 40 Artistes – 40 Ans – 40 Pays – Palais de L’Unesco – Paris, e Modernidade-Arte Brasileira do Século XX – MAM – São Paulo, 1988. Triennale des Amériques – Espace Sculfort – Maubeuge – France, 1993. Arte Brasil Heute – Europäisches Patentamt – Müchen – Alemanha; Brasil Bienal, Arte do Século XX – Bienal de São Paulo, 1994. Coleção João Sattamini, Instituto Cultural Tomie Ohtake, São Paulo, 2002. Arte em Diálogo: artistas brasileiros e noruegueses – Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2003. Arte Brasileira Hoje, Coleção Gilberto Chateaubriand – MAM, Rio de Janeiro, 2005; Amalgames, l’Art Brésilien Contemporain – Musée de l’Hôtel Dieu – Mantes la Jolie – France, 2005. Ortodoxos/Heterodoxos – Le 19 Centre Regional d’Art Contemporain – Montbéliard – France, 2007.

Foi publicado pela Editora Contracapa, em 2006, o livro Paisagem da Obra, sobre seu trabalho; um livro com entrevista sua, pela editora C/Arte, na coleção Circuito Atelier e em 2009 o livro “Do que ainda” com o poeta Julio Castañon Guimarães pela Editora Contracapa.

Obras em museus e coleções:

Museu de Arte de Belo Horizonte.
Musée de l’Abbaye Sainte-Croix – Les Sables d’Olonne – França.
Museu Nacional de Belas Artes – Rio de Janeiro.
Pinacoteca do Estado de São Paulo.
Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro – Coleção Gilberto Chateaubriand.
Museu de Arte Moderna de São Paulo – Sala Paulo Figueiredo.
Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo.
Museu de Arte Contemporânea de Niterói – Coleção João Satamini.
Fond National d’Art Contemporain – França.
Europäisches Patentamt – Müchen – Alemanha.
Instituto Itaú Cultural – São Paulo.
Instituto Moreira Salles – Rio de Janeiro.
Coleção Statoil – Stavanger – Noruega.

Compartilhar: