Made by… Feito por Brasileiros

A partir do início de setembro, durante cinco semanas, uma verdadeira invasão criativa vai revascularizar pavilhões, corredores e jardins do antigo Hospital Umberto Primo, também conhecido como Hospital Matarazzo, fazendo-os pulsar novamente e insuflando energia criativa naquele antigo e poético complexo de edificações. Trata-se da primeira fase do renascimento do espaço antes do início de sua renovação e transformação em ícone do turismo e da cultura da cidade de São Paulo. Durante cerca de duas décadas, o espaço, que ocupa uma área de 27

mil metros quadrados, a poucas quadras da avenida Paulista – centro nevrálgico de São Paulo – teve sua vida interrompida. Desde o começo do século passado, o hospital foi uma referência em saúde e orgulho da cidade, especialmente da numerosa colônia italiana. Alheio às mudanças que aconteciam em seu entorno, aos poucos se tornou quase invisível, como se estivesse resignado a uma condição vegetativa, com sinais vitais quase imperceptíveis.

Entre os dias 9 de setembro e 12 de outubro de 2014 os visitantes terão a oportunidade única de ver uma exposição que reunirá obras de cerca de cem artistas de diferentes países, metade deles do Brasil. Ainda ostentando as marcas do tempo e do abandono, os prédios antigos serão ocupados pela energia irreverente da arte contemporânea. A maioria das obras que integrarão essa mega exposição foi concebida pelos artistas especificamente para o lugar e terão a efêmera existência de 35 dias.

Passado e presente reunidos para evidenciar um novo olhar sobre aquelas edificações. A exposição tem curadoria de Marc Pottier e projetos especiais curados por Simon Watson, Nadja Romain, Gabriela Maciel & Andres Sheik, Pascal Pique, Museu do Invisível (Le Musée de l’Invisible), Baixo Ribeiro, Ana Pato e Marcelo Rezende, curadora-chefe e curador da 3ª Bienal da Bahia.

Importantes nomes da cena contemporânea mundial, como Adel Abdessemed, Moataz Nasr, Jean Michel Othoniel, Joana Vasconcelos, Francesca Woodman, Tony Oursler e Kenny Scharf ocuparão pavilhões, praças e corredores do antigo hospital, ao lado de consagrados nomes da arte contemporânea brasileira, entre eles Tunga, Henrique Oliveira, Carlito Carvalhosa, Márcia e Beatriz Milhazes, Iran do Espírito Santo, Cildo Meireles, Nuno Ramos e Vik Muniz. A primeira obra exposta dentro dos prédios será a proposição Baba Antropofágica, criada por Lygia Clark em 1973.

Corpo a corpo com a arquitetura do lugar
Ao explicar o conceito que fundamenta a idealizção da mostra, o curador Marc Pottier deixa claro que não se trata de uma exposição convencional. “Preferimos o termo invasão criativa”, assinala. O evento se propõe a ser uma experiência em um lugar fechado há mais de 20 anos, que se tenta manter, tanto quanto possível, em mente. “Gostaríamos que o público a vivesse como um todo, um lugar abandonado, onde ele chegaria a descobrir um laboratório de ideias de muitos artistas convidados. Não haverá cartazes ou fichas de explicação (que estarão disponíveis no nosso site ou para iphone). Com duas exceções de empréstimo e apresentação de trabalhos em vídeo, nenhum trabalho será ‘ligado’. O público vai descobrir o corpo a corpo dos artistas com volumes e com a arquitetura do lugar”, convida Marc Pottier.

Livro “Made by…Feito por Brasileiros” retrata criatividade brasileira
No dia 2 de setembro, por ocasião da apresentação da exposição “Made by… Feito por Brasileiros” à imprensa será também lançado o livro homônimo, idealizado e realizado por Alexandre Allard e Marc Pottier. A obra é fruto de um trabalho de dois anos de pesquisa, viagens e entrevistas com os principais atores da cena criativa do Brasil, incluindo artistas, colecionadores, críticos, artistas gráficos, designers, arquitetos, profissionais de instituições de arte e de moda. O resultado está reunido numa elaborada edição com mais de 1.300 páginas, distribuídas em três volumes, em que são contadas as histórias e reproduzidos mais de 230 retratos de profissionais criativos clicados em suas residências ou nos locais onde trabalham.
A obra faz parte da coleção internacional “Made by”, capitaneada pelo galerista e publisher parisiense Enrico Navarra, que já retratou anteriormente a cena contemporânea da China, da Índia, da Tailândia e de países árabes com o objetivo de compreender e retratar as pessoas que fazem a cultura e o espírito criativo de um país.

Centro de Criatividade

A celebração do ímpeto criativo de brasileiro e do caráter inspirador do país será perenizada naquela área com a implantação do Centro de Criatividade. O local incluirá residências, cinemas, estúdios de produção para filmes, música e arte, espaços para exposições, áreas para desenvolver o artesanato, a moda e as especialidades da culinária brasileira.
Nesse Centro de Criatividade, os artistas visionários em suas respectivas áreas de inspiração mostrarão seus trabalhos e contarão para o público como conseguiram superar obstáculos, aprimorar suas técnicas, inovar em seu dia a dia e alcançar o reconhecimento. Serão realizados seminários, debates, workshops, oficinas e outras atividades com o objetivo de tornar a criatividade brasileira um instrumento valioso. “O Brasil é um imenso manancial de criatividade, mas ainda precisa encontrar maneiras eficientes de transformar essa capacidade em uma economia que possa ser replicada e, em última instância, exportada”, afirma Alexandre Allard, idealizador do evento e do Centro de Criatividade.

Compartilhar: