Leandra Espírito Santo | pontos históricos da cidade de Jundiaí

Vencedora do edital de Premiação por Histórico em Artes Visuais do PROAC LAB-SP, a artista fluminense Leandra Espírito (1983, Rio de Janeiro) apresenta o projeto inédito Disponível. A partir de um letreiro de proporções monumentais onde se lê a palavra “disponível”, a artista levanta questões sobre os limites e possibilidades do espaço público, propondo uma reflexão sobre os significados contemporâneos de disponibilidade. Até meados de outubro, a obra estará instalada em um dos pontos históricos da cidade de Jundiaí-SP, onde se encontra a antiga Companhia Paulista de Estradas de Ferro do Estado, conhecida como Complexo Fepasa. O projeto pretende contribuir com a circulação de arte contemporânea para além da capital paulistana.

Remetendo a diferentes elementos da paisagem urbana, como os letreiros turísticos, e os outdoors publicitários, nessa obra, a artista desloca a palavra “disponível” do contexto em que a vemos nas cidades, mobilizando os diversos sentidos que ela pode ganhar ao ser associada a outras formas estéticas. Na visão do crítico e curador Germano Dushá, estando entre o “surrealismo e a sugestão”, a intervenção da artista tem um tom provocativo, onde o “efeito da linguagem é iminente: coloca sobre o terreno um grau zero. O vocábulo volumétrico ativa a disponibilidade da área; abre campo para funções futuras, bem como sugere a possibilidade de sua transferência para novos agentes e atividades por vir.” – afirma Dushá.

Nessa multiplicidade de significados da palavra, para a artista, a obra carrega ainda uma nova carga semântica devido ao uso do “disponível” nas redes sociais: “Podemos observar que essa palavra tem alta circulação nas redes, por estar na base da programação de muitos dos aplicativos, por exemplo: o “disponível” indica um status no Whatsapp, indica o momento de relação na biografia do Instagram, indica a disponibilidade no batepapo do Facebook. Enfim, “disponível”, no contexto das redes sociais, significa a disponibilidade das pessoas para as relações sociais”. Ao criar essa ligação entre espaço público e o universo das redes, a artista traça um paralelo entre à crescente disponibilidade coletiva ao virtual, enquanto os espaços públicos se veem cada vez mais cerceados, murados e privatizados. “Disponível” acaba por se inserir num leque de reflexões sobre o espaço público, que vem sendo atualizado pelas discussões sobre nossos monumentos. Afinal, a quem está disponível o espaço público? É, então, nesse paradigma cotidiano que reside a intervenção de Leandra Espírito Santo.

Interação com o público – Cartão Postal e Instagram

Um totem informativo acompanhará a obra trazendo os dados do projeto, um QR-Code vinculado ao perfil do Instagram @disponivel_holyghost, e recomendações previstas pela OMS diante da
pandemia de COVID-19. O público que se fotografar com a obra poderá enviar suas fotos para serem postadas nesse perfil do projeto, que também contará com imagens de backstage do processo criativo, vídeos e conteúdos exclusivos.

Além da interação online, outra atividade prevista no projeto é a produção e distribuição gratuita de um Cartão Postal da obra no complexo histórico.

Compartilhar: