Juliana Sícoli | (R)Existências

Fotos: Rafael Renzo

A artista mineira Juliana Sícoli traz à tona questionamentos e reflexões através de sua arte, que tem a fotografia como suporte principal, fazendo também algumas intervenções com tinta e costura. Esse trabalho, que começou em 2008, resultou no lançamento de seu primeiro livro “(R)Existências”, com curadoria de Gisele Bento Fernandes e textos de Anna Bella Geiger e Felipe Martinez. O livro está disponível para venda desde 10 de dezembro de 2020 pelo site da artista.

Filha de psicólogos e bastante inquieta, sempre teve um olhar apurado para temas complexos e sensíveis que fazem parte de sua obra. Uma delas tem o resistor, um componente eletrônico, como um dos alicerces de sua narrativa. “Depois de pesquisar sobre sua função e seu sistema de códigos e significados, decidi que os resistores precisavam existir fisicamente na obra. Ter sua presença materializada se tornou fundamental, pois sua aparente fragilidade pode nos fazer refletir profundamente. São pequenas peças dentro de um sistema e puderam ser usados para furar, atravessar a tela e fincar raízes” descreve a artista. O livro também reúne outras 5 séries, como “Gigantes Silenciosos”, que recebeu menção honrosa no PX3 Prix Paris Photo 2020 com fotografias feitas em estádios vazios pelo mundo durante dois anos. Na série “Autocostura”, Sícoli costura sobre autorretratos feitos durante a quarentena, numa tentativa de alinhavar questões do corpo e da alma.

Com uma arte suave e intensa ao mesmo tempo, Juliana consegue surpreender com seu processo criativo. Suas séries carregam uma bagagem, uma história, um tema para aprofundar o diálogo além do visível significado do elemento fotografado.

Um livro para refletir a provocação que a artista faz: Resistir e reexistir, sempre e constantemente para prosseguir.

Sobre Juliana Sícoli:

Nascida em Belo Horizonte, vive e trabalha em sua cidade natal e São Paulo. Em diálogo com referências de pintura e literatura, a artista trabalha com fotografia e desenvolve uma estética visual de movimento, inserção de luz e dicotomias ao tratar de reflexões que partem de pesquisas e questões sobre a busca do posicionamento, principalmente da mulher, enquanto artista e autora de si; a conquista de se fazer valer o direito de escolha e a construção do próprio caminho em uma sociedade ainda pautada por grandes desafios nas relações de gênero.

Participou de exposições e tem representação em galeria nacional e internacional.
Compartilhar: