Jeanete Musatti | Galeria Bolsa de Arte

Inversão térmica planeta, 2020.

A Galeria Bolsa de Arte tem o prazer de apresentar, a partir de 14 de julho, a exposição “Corações Prensados”, de Jeanete Musatti. A artista apresenta dois conjuntos de trabalhos carregados de poética e simbolismos.

Assim como a maioria das pessoas, Jeanete teve que se adaptar aos tempos pandêmicos e se afastar do convívio social com a família, numa pequena cidade do interior. O enclausuramento fez com que a artista pudesse rever sua vida, suas memórias e sua coleção de objetos. O resultado é apresentado nesta nova exposição.

Enquanto esculturas e pequenos cenários são exibidos em suportes espalhados pela galeria, as paredes se destacam com a série “Corações Prensados”. Apresentadas em potes de guardar mantimentos, elaboradas composições de objetos guardados ao longo da vida da artista traduzem sentimentos, memórias e emoções vividos durante a pandemia.

Na obra “Inversão térmica planeta, 2020″, a artista amassa uma reprodução do globo terrestre e encaixota numa de suas caixas de poliestireno. Esta e muitas obras em exibição simbolizam o aprisionamento forçado, o medo e a desilusão que o mundo vem passando desde o início da pandemia.

Objetos herdados da família, presentes de amigos, broches, colares, tecidos, miniaturas e até um colar de cristal que durante anos foi usado junto ao coração da artista agora se encontram prensados. Esses elementos aparentemente díspares, agora associados e resignificados, nos apontam para a imensidade do não dito, para os segredos que habitam as caixas das nossas memórias.  “Trabalho tantos objetos recolhidos durante anos, até restos de enxoval de uma rainha quase desfeito no inconsciente coletivo, que tanto convivem com a estética que vem à tona, em forma de lembranças configuradas entre um caixa e outra.” escreveu a artista na apresentação desta mostra.

Artista de longa trajetória, Jeanete Musatti ocupa um lugar singular no cenário da arte contemporânea brasileira, sua obra é carregada de contexto autobiográfico. Tratando das memórias por meio de pequenos objetos, eles são resignificados para contextualizar o presente.

Her magesty The Queen, 2020.

Compartilhar: