Isaac Julien | Galeria Praça – Inhotim

Isaac Julien, After George Platt Lynes, Nudes 1942 (Looking for Langston Vintage Series), 1989/2017 | FOTO: © Isaac Julien. Cortesia do artista e Victoria Miro

Em um trabalho que une poesia e imagem, Isaac Julien parte de uma exploração lírica sobre o mundo privado do poeta, ativista social, romancista, dramaturgo e colunista afro-americano Langston Hughes (1902 – 1967) e seus colegas artistas e escritores negros que formaram o Renascimento do Harlem — movimento cultural baseado nas expressões culturais afro-americanas que ocorreu ao longo da década de 1920 — para refletir sobre identidade e sexualidade. Trata-se de Looking for Langston (1989), obra em cartaz na exposição Looking for Langston: I Dream a World, na Galeria Praça, no Instituto Inhotim.

A mostra traz ao público o filme, na íntegra, fotografias realizadas durante as gravações, e ainda documentos e storyboard. Looking for Langston é uma das obras mais icônicas da carreira de Isaac e um marco do que a escritora e crítica americana B. Ruby Rich chamou de Novo Cinema Queer, com uma relação direta entre as imagens imbuídas de referências históricas da fotografia afro-americana em preto e branco de 1920 e a cultura queer dos anos 1980.

A investigação sobre personalidades proeminentes do século 20, como Langston, é uma constante na obra de Isaac Julien. O artista se debruça sobre a vida destas figuras a fim de revisitar as narrativas históricas oficiais.  No caso de Hughes, Julien faz uso da ficção para refletir e questionar o aspecto heteronormativo sobre a qual a figura de Langston foi construída, e também para desmistificar o estereótipo do homem homossexual, negro e americano que, na década de 1920, não podia se expressar como gostaria. “É uma tentativa de preencher as lacunas da história com uma ficção”, diz Douglas de Freitas, curador do Inhotim.

Logo após o lançamento da obra em 1989, Greg Tate, escritor e crítico americano, descreveu o filme como o “primeiro a considerar a condição histórica de ser negro, gay, silenciado e incompreensível”.

Isaac Julien, Stars (Looking for Langston Vintage Series), 1989/2017 | FOTO: cortesia do artista e de Victoria Miro

Compartilhar: