Imagens de uma saudade | Museu de Arte Sacra de São Paulo

O Museu de Arte Sacra de São Paulo – MAS/SP, instituição da Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo, exibe “Imagens de uma saudade”, dos fotógrafos Luciana Fátima e Arlindo Gonçalves e curadoria de Vanessa Bortulucci. Nas 21 imagens que compõe a mostra, estão expostas uma das várias tentativas do homem em preservar a memória dos que se foram: “A saudade não possui nenhuma relação com o vazio. Ao contrário, ela é um espaço cheio de memória, que pulsa e se transforma o tempo todo”, define a curadora.

Esse segmento cultural criativo constitui um campo pouco estudado e pouco valorizado, mas já com vários artistas especializados, ao redor do mundo, em seu registro como patrimônio a ser preservado por seu valor tanto artístico como histórico. O conjunto de fotografias, em preto e branco, exibe expressivos recortes; as imagens selecionadas retratam com a necessária delicadeza, a força dos materiais utilizados. “…pedras que são carne, tecido, asas, som, sopro, sonho e imaginação” diz Vanessa Bortulucci..

A Arte Tumular constitui uma representação criativa que busca oferecer uma reinterpretação ao contraste entre a vida e a morte. Na elaboração das estatuas, seus códigos visuais são compostos por conjuntos de símbolos ou obras narrativas elaboradas com os mais diversos materiais como mármore, granito, ferro e bronze. Esses trabalhos começam a ser vistos como obras de arte, uma vez que essas obras possuem um forte viés artístico, cultural e museológico.

A sensibilidade do escultor é fator indispensável na tentativa de transmitir afeto através da obra cravada na pedra. “Em cada escultura, há a homenagem dos vivos para os vivos – pois somente a eles é reservada a tarefa, doce e terrível, de lembrar”, declara a curadora.

 

“Como pode ser bela a representação de uma dor? Pode, por ser ela um último preito a alguém que foi amado”.

José Carlos Marçal de Barros

 

 

Compartilhar: