Gabriela Gusmão | Galeria Oriente

A Galeria Oriente apresenta a individual de Gabriela Gusmão, EXTEMPORÂNEA, na qual o fio de cobre é o condutor do trabalho. As obras fundamentais dessa mostra foram realizadas durante dois períodos de residência em Veneza, na Scuola Internazionale di Grafica Venezia.
A suíte “Madonna Extemporânea”, desenvolvida em 2015, originou-se de uma escultura em arame de cobre que se multiplicou em 12 obras em papel, 4 em chapas de cobre e uma escultura em vidro murano.
Em 2012, quando esteve em Veneza em sua primeira residência na mesma Scuola di Grafica, Gabriela trabalhou em processo fotográfico sobre chapa de cobre criando a matriz que gerou as 16 monotipias da suíte “Segunda Deposição” com a releitura da histórica cena “Descida da Cruz”.
“O interesse pela “Descida”, em meio a tantas cenas religiosas retratadas na história da arte, repousa na minha inquietude sobre a imagem da cruz a que permanecemos atados. A “Segunda Deposição” surge de um desejo de libertação simbólica” revela a artista. Esse ímpeto se apresenta também no vídeo “Sem pecado, sem culpa”, da exposição “Vírgula no Infinito”, no Museu de Arte Moderna, 2011. Agora, nas monotipias aparecem duas escadas, uma
para cada milênio, um convite à libertação da culpa e do pecado.
Os demais trabalhos apresentados na exposição são recentes: desenhos esculturais de fios de cobre sobre papel e uma instalação com o mesmo material dos desenhos – work in progress.
Gabriela é uma artista brasileira, imersa na poética extemporânea. Seu trabalho explora a relação entre natureza, espaço urbano e a dimensão temporal. Vídeo, fotografia, escultura, desenho, gravura, performance e intervenções são seus meios de abraçar o inabarcável.
Autora dos livros “Rua dos Inventos” e “Vírgula no Infinito”, com exposições nacionais e internacionais no currículo Gabriela foi contemplada pelo Edital Prêmio Arte Monumento Brasil 2016 para realizar a escultura “Nova Chama” no espaço público de Nova Friburgo, na região serrana do Rio de Janeiro.
A curadoria da exposição e texto são de Caroline Koebel, artista, escritora e curadora independente, escreveu ensaios de catálogo sobre Carolee Schneemann, Barbara Hammer e Andres Tapia-Urzua, e também publicou em Art Papers, Brooklyn Rail, Jump Cut, OtherZine, Glasstire, Afterimage, Millennium Film Journal, Wide Angle e a revista sueca OEI, bem como co-autor do aclamado estêncil graffiti livro Schablone Berlim para Chax Press. Seu trabalho sobre Scheemann foi traduzido pra português pela eMagazine Performatus. É editora convidada de ELSE:The Imperceptible Self, jornal de arte e pesquisa publicado pelo Transart Institute.
Caroline acompanha o trabalho de Gabriela desde 2013, tendo orientado seu MFA (master in fine arts) em Berlim e Nova Iorque, quando a artista desenvolveu seu manifesto “Em Busca da Extemporaneidade”, que se inicia assim:
“Alhures, em nosso interior, há silêncio. Um silêncio mais profundo do que a impossível ausência de som. Minha mente observadora busca a dimensão extemporânea e o encontro inefável com um lampejo de silêncio.”
Um encontro, ainda que fugaz, com a inefável eternidade norteia a ação, a contemplação e a meditação propostas naexposição EXTEMPORÂNEA.

Compartilhar: