Fronteiras – 9º Prix Photo Aliança Francesa – Aliança Francesa Rio de Janeiro

Em galeria virtual, a Aliança Francesa Rio de Janeiro abre a exposição coletiva “Fronteiras – 9º Prix Photo Aliança Francesa”, com as séries vencedoras do importante prêmio de fotografia – De 25 de novembro até 23 de dezembro. São 30 fotografias premiadas pelo júri oficial na edição 2019 do concurso.

Através de um ambiente virtual criado pela plataforma interativa Klynt, cada visitante poderá visualizar as 3 séries fotográficas premiadas e ainda terão acesso a áudios e vídeos dos fotógrafos e membros do júri, com comentários sobre os portfólios premiados nesta edição do prêmio.

Entre os fotógrafos participantes da mostra estão: Osmar Gonçalves dos Reis Filho (Fortaleza, CE – 1º lugar) com a série “A Sobrevivência dos Vagalumes”; Kitty Paranaguá (Rio de Janeiro, RJ–2º lugar) com a série “Tempo Presente”; Giuliana Mota de Mesquita (Nova Friburgo, RJ – prêmio do júri popular), com o ensaio “Olhar Fronteiriço” e Luiz Baltar (Rio de Janeiro, RJ), menção honrosa com o ensaio “Favelicidade”.

A mostra faz parte da programação do Novembre Numérique (Novembro Digital) no Brasil, evento dedicado às culturas e expressões artísticas digitais, organizado pela Embaixada da França no Brasil com participação da Aliança Francesa e apoio do Institut Français Paris.

O Prix Photo Aliança Francesa contou com os apoios da Air France, do Hotel Santa Teresa RJ e da MGallery. Em 2020 o prêmio chega a sua 10ª edição e ainda este ano será lançado o edital, bem como a abertura das inscrições. O concurso é nacional, aberto a todas e todos os fotógrafos, profissionais e amadores, que buscam valorizar propostas artísticas originais, experimentais, sejam abstratas ou documentais, e que possam oferecer um olhar diferenciado.

A cada edição o prêmio sugere um tema da atualidade, que representam um eco das grandes questões de nosso tempo.  Em sua 9ª edição, sob o tema Fronteiras, o concurso recebeu mais de 200 portfólios de participantes inscritos.

Em razão da atual pandemia de Covid-19 e as recomendações de segurança das autoridades sanitárias e da OMS, a tradicional exposição itinerante pelas Alianças Francesas do Brasil não pôde ser realizada de forma presencial. Com isso, a exposição virtual foi construída através da ferramenta Klynt, software voltado para edição de narrativas interativas, como o cinema, jornalismo, educação, entre outras áreas.

Sobre as séries dos fotógrafos premiados na 9ª edição:

O ensaio “A Sobrevivência dos Vagalumes”, de Osmar Gonçalves dos Reis Filho (Fortaleza, CE), primeiro lugar do júri oficial, discute os limites das fronteiras nas ruas de cidades da América Latina, fotografadas à noite. Segundo o autor, “me surpreendo com o grande número de ambulantes povoando as praças, ocupando as calçadas, disputando cada centímetro vago nas esquinas. Envoltos na penumbra, eles emergem como vagalumes, como pequenos seres luminescentes, erráticos que, por meio de seus gestos nômades, afirmam outros modos de compreensão da cidade, outras formas de viver e praticar o espaço urbano.”

O ensaio “Tempo Presente”, de Kitty Paranaguá (Rio de Janeiro, RJ), segundo lugar do júri oficial, traz à tona uma visão poética do tema. Segundo a autora, “o foco do projeto é o embate homem, arquitetura, fronteira, natureza e todo o drama e a poesia que envolvem esta luta”. As consequências das mudanças climáticas, fruto da intervenção do homem sobre a natureza, criam uma metáfora com a realidade dos dias de hoje.

Além dos dois primeiros colocados, destacou-se o ensaio “Favelicidade”, de Luiz Baltar (Rio de Janeiro, RJ), ao qual foi conferida uma menção honrosa. O fotógrafo documenta a construção das paisagens, sociais e políticas, fundamentadas em memórias pessoais e coletivas do cotidiano das favelas do Rio de Janeiro e “as fronteiras invisíveis de uma cidade partida”.

Compartilhar: