Festival AVXLab

Performance da obra “://backup Cápsula do Tempo” da pesquisadora Denise Agassi | Foto: Divulgação/AVXLab

Com foco na produção da arte audiovisual contemporânea, o Festival AVXLab 2021 apresenta um conjunto de shows, performances e exposições de arte, acompanhado de debates e seminários, que aprofundam o pensamento em torno dos formatos alternativos de cinema. Com programação gratuita, o evento ocorre em modo online de 23 a 30 de abril.

Desde 2016, o AVXLab fomenta a pesquisa e a experimentação do cinema expandido, apresentando novas vivências, formas e sensações ao público a partir de expressões de arte que se utilizam de recursos audiovisuais e da tecnologia para criação de experiências e ambientes de características múltiplas de interatividade e “imersividade” e/ou formatos híbridos que vão muito além da tela de cinema ou TV. Ao longo das dificuldades da pandemia, o AVXLab se firmou como uma referência sobre a reflexão da produção audiovisual nas redes, organizando encontros, performances e debates. 

É a partir das experimentações realizadas durante o isolamento que nasce o tema desta edição: lugar in>comum, questionando o que é o lugar de encontro a partir do momento em que nossa sociabilidade torna-se cada vez mais mediada por dispositivos. O desafio envolvido neste tema é redesenhar as noções de “comum” e “comunidade” para que caibam na atual realidade das relações, dos espaços e presenças.

Com curadoria do pesquisador e gestor cultural Demétrio Portugal e do artista e pesquisador em novas mídias Lucas Bambozzi, a programação do festival aborda novas fronteiras da construção narrativa, das experiências imersivas e do diálogo da arte com o audiovisual contemporâneo. O evento considera que as expansões do audiovisual em outros formatos e telas, tornam-se cada vez mais relevantes num período de isolamento,  num momento em que grande parte da produção cultural se depara com uma demanda de adaptação, com novas tecnologias tornando-se parte da vida comum. Nesse sentido, o AVXLab2021 entra como parte de uma discussão importante para novas descobertas dentro das técnicas audiovisuais, criando novos espaços e possibilidades de interação.

Durante cinco dias (programação de abertura na sexta, 23/4; terça, quarta, quinta e programação de encerramento na sexta, 30/4) o AVXLab apresenta ao público uma programação estruturada em quatro eixos curatoriais — performances, seminário, exposição e entrevistas –, que se entrelaçam numa programação diversificada que abarca apresentações audiovisuais, intervenção urbana, ação na web e jam ao vivo.

DESEMPENHOS

Dentro da programação de abertura do festival na sexta, dia 23/04, as artistas Bianca Turner e Sandra-X organizam o projeto “Afluências”, inspirado pelas águas e rios subterrâneos, com apresentação da performance ao vivo “Aquífera” e participação de outras três artistas – Anahí Asa, Charlene Bicalho e Marion Hesser.

Na quarta, dia 28, o artista Dudu Tsuda usa oito mochilas em uma intervenção sonora, que remete à recuperação do Japão pela ligação com a natureza após dez anos do grande terremoto do leste, que ocasionou a catástrofe nuclear de Fukushima. No dia seguinte, quinta-feira, 29, a performance do artista Felipe Julián, Craca, reflete sobre a dualidade espaço físico x espaço virtualizado. Finalizando a programação deste eixo curatorial, uma jam envolvendo artistas como os Coletivo Coletores (projeções), o grupo Embolex (live AV) e outros convidados apresentam intervenções simultâneas em vários espaços da cidade, no dia 30/04, às 20h. Os locais serão conhecidos pelo público apenas no momento da apresentação, que poderá ser conferida de maneira híbrida: presencial e virtualmente.

SEMINÁRIO 

Aguçada pelo contexto de pandemia, a reflexão sobre o conceito de lugar e a vivência de espaços comunitários permeia os três debates que integram o seminário do festival, na terça (27), quarta (28) e quinta, sempre das 15h às 18h. 

Lugar de fluxo é tema do primeiro encontro, em que os participantes contam com a mediação de Demétrio Portugal, no pensar sobre as experiências audiovisuais em ambientes de telepresença, os fluxos de sinal mediados pelas redes, os paradigmas do 5G, e também refletem sobre os efeitos colaterais, como os excessos do online, as informações que escapam do controle, os dados que vazam, as informações que se dispersam. 

A rede como lugar do “estar junto”, a Net arte, o cinema online, a vida em rede, o tempo nas telas, a exaustão, os fins do sono, são assuntos que serão explorados no encontro Lugar Inventado com mediação da pesquisadora Christine Mello

Coordenada por Lucas Bambozzi, a última mesa debate o Lugar Contingenciado, sobre o lugar tornado espaço desabitado, que considera a realidade de uso do espaço físico diante de novas restrições de convívio social, e paralelamente a necessidade de manter estes espaços vivos e ativos.  Neste encontro serão abordadas as ações da Ocupa 9 de Julho durante a pandemia, bem como ações na Cidade Tiradentes feitas pelo coletivo Ali Leste.

EXPOSIÇÃO

O eixo Exposição é composto por quatro mostras: na mostra_Artista Articulador, o público vai poder conhecer projetos curatoriais comentados por seus criadores.  O artista-ativista Sato do Brasil, integrante dos coletivos Casadalapa, Frente 3 de Fevereiro, Naborda, Nós Artivistas e as artistas Mirella Brandi e Muep Etmo, do projeto de performances “Pink Umbrellas” são alguns dos participantes deste segmento, assim como Fernando Velázquez, que apresenta seu “Circa Project”, um projeto curatorial com mais de 120 obras, um “repositório de subjetividades emergentes, temporárias, abissais, terapêuticas, inocentes e radicais”, nas palavras do artista.

Dentro da mostra_Artista na Rede, a pesquisadora Denise Agassi performará a obra “://backup Cápsula do Tempo” (Performance Web), um projeto de resgate de obras da Net arte no Brasil e a artista Roberta Carvalho usa de recursos derealidade aumentada para inserir o público em uma experiência de imersão remota na floresta amazônica. A mostra _ Artista Percurso leva ao público uma retrospectiva comentada da trajetória de artistas que atuam nas fronteiras do audiovisual, tendo Charlene Bicalho, Paulinho Fluxus e Rogério Borovik entre seus participantes. A programação da mostra_Artista Pesquisa reúne showcases com jovens artistas e novas pesquisas. Este segmento apresenta o lançamento do filme “Ruinoso”, de Lucas Gervilla, que registrou durante anos uma série de lugares abandonados e em ruínas, onde o artista projeta cenas de situações ocorridas no passado. Inédito, o longa fará sua estreia no festival. 

ENTREVISTAS

Quarto e último eixo, as entrevistas do AVXLab 2021 são transmitidas sempre no mesmo horário (terça, quarta, quinta e sexta, às 20h)  buscam tratar de imagens e de projeções de futuro reais ou imaginadas. Um dos temas abordados é o “Corpo tecnológico”, em uma conversa com a artista Malka que aponta o corpo transvestigenere como disparador de uma mutação na imagem que temos da sociedade e que, com ajuda da tecnologia, coloca a orientação da estrutura do corpo nas mãos de quem o habita, em confronto com convenções da sociedade, do estado e do modelo econômico hegemônico. 

A imagem sideral, afrofuturismo e peri-futurismo também serão temas debatidos, a partir de uma entrevista o DJ e ator-MC Eugênio Lima, buscando vislumbres de futuro com visões e valores diferentes dos dominantes, numa perspectiva potencialmente transformadora. O último tema das entrevistas, “A imagem da natureza/ natureza da imagem” enfoca a visão dos povos originários e questiona a dicotomia existente entre “homem” e natureza, o que guiou a humanidade ao antropoceno (era dos humanos) e desestabilizou os ecossistemas, o que pode nos ajudar a pensar sobre a extensão e gravidade da pandemia.

SOBRE O AVXLab

O AVXLab é uma iniciativa encabeçada por Demétrio Portugal e Lucas Bambozzi, que funciona como um laboratório de ideias, metodologias e experimentação, explorando os limites da cena audiovisual absorvendo novas formas cinemáticas de representação e apresentação no espaço, para alémdas telas da televisão e do cinema. 

O AVXLab lançou em 2019 o livro “O Cinema e Seus Outros”, que vem sendo adotado como referência bibliográfica em cursos de cinema e artes visuais da FAAP, FASM e PUC-SP. 

A edição 2021 do Festival AVXLab é uma realização da Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo e daSecretaria de Estado da Cultura de São Paulo por meio do PROAC Lab (Lei Aldir Blanc) como uma produção de Diphusa. Todas as atividades do Festival ficarão disponíveis no site do evento após sua realização, contribuindo para o fomento e pesquisa do audiovisual expandido.

Compartilhar: