Fabio Benetti | Tucarena

O artista visual Fabio Benetti inaugura a exposição Amor Profano, no dia 4 de outubro (sexta, às 19h), no Lounge do Tucarena, com curadoria de Iago Calegari.

A temática da mostra está em consonância com o enredo da peça teatral de mesmo nome, em cartaz no local, com os atores Vivianne Pasmanter e Marcello Airoldi. Além das sete telas expostas, duas integram o cenário do espetáculo, de Motti Lerner, com direção de Einat Falbel.

Os confrontos a que estamos sujeitos, entre tradição e contemporaneidade, ancestralidade e fé, foram motes para as obras de Fabio Benetti, que dialogam com a dramaturgia da peça Amor Proano, trazendo a expressividade das manifestações inconscientes. As telas, que integram a série Fendas do artista, são trabalhadas com rasgos, rupturas e cortes sobre superfícies irregulares, em sua maioria.

Na peça, Vivianne Pasmanter e Marcello Airoldi interpretam um casal que vive uma instigante história de amor, na qual Deus surge como o terceiro protagonista. Eles se reencontram 20 anos após o traumático divórcio. Criados em uma comunidade ortodoxa judaica, em Jerusalém, o casamento acaba quando ele abandona as leis religiosas e segue uma vida secular em Tel Aviv.

O pintor Fabio Benetti projeta-se como autodidata no universo de sua pintura. Soma-se aos cursos que frequentou – na maioria, voltados à arte contemporânea – o seu ímpeto, seu impulso natural que externaliza suas ideias envoltas de influências do inconsciente: o acaso assume a bússola sensorial como guia de suas manifestações. Não há esboço ou esquema preestabelecido, tampouco um tema cuidadosamente pensado, tudo se afigura e formaliza no próprio ato da criação, à mercê da volatilidade de sentimentos e pensamentos fugidios, em que sua atitude de pintar e esculpir sobre a tela busca a expressão mais sincera e verossímil daquilo que a palavra não pode expressar. Exposições – Em 2019: Uma Outra Estória (Galeria Zero). Em 2018: Purgatório (individual, Galeria Tribo), Interseções (Focus LDN), Pouso Alto (coletiva, Galeria Cumaru, Brasília), Experiência Coletiva Transforma x Transmuta (Cordas Arte e Cultura), Fendas (Fresta) e 12ª Biennale D’Arte Internazionale (3º Prêmio Arte Abstrata, Sala Bramante, Roma-ITA). Em 2017: Salões de Exposição da Secretaria de Cultura e FUNDACI (Ilhabela, SP) e Espaço no Olhar (mostra, Instituto Tomi Ohtake). Em 2016: Origem e o Tempo (Galeria Rabieh), Entre o Saber e o Criar (Galeria Spazio Surreale) e Crossing – A vida em diferentes ângulos (Nigra Shafo Art Gallery). Em 2015: 6ª Edição Parte – Feira de Arte Contemporânea e Inquietudes (Galeria Luiz Maluf). Em 2018: Inferno de Nós (com Angela fernandaes, Passagem Literária da Consolação).

Compartilhar: