Eventos de arte com participação de galerias brasileiras agitam Nova York, em maio

Rebecca Sharp – Transamazônica | FOTO: Sara

 

Feiras emblemáticas, mostras e inaugurações artísticas vão movimentar o calendário de eventos de Nova York no mês de maio, com a participação de importantes galerias brasileiras e grandes nomes da cena de arte do Brasil.

Com o apoio do Projeto Latitude – Platform for Brazilian Art Galleries Abroad, uma parceria da Associação Brasileira de Arte Contemporânea (ABACT) e Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), as galerias brasileiras Fortes D’Aloia & Gabriel, Galeria Jaqueline Martins, Galeria Luisa Strina, Galeria Marilia Razuk, Mendes Wood DM Sé Galeria estarão na Frieze New York, uma das mais importantes feiras de arte do circuito internacional.

Além disso, o Projeto apoiará mais duas galerias em feiras satélites, que acontecem próximas  à Frieze: A Gentil Carioca na Independent Art Fair, entre os dias 5 e 8 de maio, e a galeria Gomide & Co, que participa da TEFAF New York , de 6 a 10 de maio.

No período, a cidade contará também com a abertura do novo espaço da Mendes Wood DM, em Tribeca, e a realização da mostra CASA BRASIL NOVA YORK, promovida pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil), entre os dias 11 e 25 de maio, com o objetivo de promover produtos brasileiros com alto design, qualidade, sustentabilidade e inovação.

Para a Frieze New York, a galeria Fortes D’Aloia & Gabriel destaca uma grande instalação de Bárbara Wagner. Na obra ‘Em Busca do 5º Elemento’ (2017), a artista examina o espaço performativo como lugar simbólico e de luta, resistência e ascensão social. Serão exibidos retratos de 20 MC´s e um vídeo que mostra como cada um deles cria meticulosamente seu perfil, com imagens cuidadosamente destinadas à mídia social.

Já a Galeria Marilia Razuk e a Galeria Jaqueline Martins apresentarão “De uma vez: provocação e reflexão”, um diálogo inédito entre os brasileiros José Leonilson e (1957-1993) e Hudinilson Jr. (1957-2013), dois jovens artistas que, no final dos anos 1970 e na década seguinte, criaram obras que tratavam de suas respectivas intimidades do ponto de vista sexual, afetivo e existencial. Os marcos de suas subjetividades, documentados tanto em diários quanto em fotografias, convergiram, por sua precisão e intensidade, para grandes questões que marcaram profundamente sua geração: a liberdade sexual e a tragédia da pandemia do HIV.

Galeria Luisa Strina escolheu levar uma coleção de obras de artistas latino-americanos e europeus, mostrando como linguagens e bagagem cultural têm sido utilizadas por pessoas de diferentes origens para comunicar ideias a serem percebidas e questionadas pelo espectador. A possibilidade de novas percepções provocadas pela união e diálogo de conceitos, processos e técnicas é outro objetivo cardeal – um terreno comum para todos os artistas que serão apresentados pelo sólido corpo de trabalho da galeria.

A galeria Mendes Wood DM apresentará uma seleção de destaques enfatizando uma recontextualização do Sul Global,  por meio da exposição de artistas internacionais e brasileiros  em um contexto propício ao diálogo crítico e à polinização cruzada. Solange Pessoa apresentará um novo e significativo trabalho em díptico. Além disso, serão expostos  trabalhos de Paulo Nimer Pjota, Paulo Nazareth, Paulo Monteiro, Daniel Steegmann Mangrané, Mariana Castillo Deball, Kisho Suga e Anna Bella Geiger, Guglielmo Castelli, Alvaro Barrington, Paula Siebra e Mimi Lauter.

Já a estreante Sé Galeria, que participa do evento na seção Frame, voltada a espaços jovens e talentos emergentes, levará o trabalho de Rebecca Sharp, artista brasileira radicada nos Estados Unidos, que apresentará uma série de novas pinturas e esculturas que exploram o imaginário surrealista.

Na Independent Art Fair, a galeria A Gentil Carioca apresentará a primeira mostra solo internacional de Vinicius Gerheim. Desde o início, a maior motivação do artista para criar as imagens que pinta veio da constante vontade de se esconder e se proteger de olhares vigilantes. Nascido em 1992, Vinicius cresceu em Juiz de Fora, uma cidade relativamente pequena em Minas Gerais, Brasil, um lugar onde seu corpo e seus gestos não eram bem-vindos. Criar essas imagens era uma maneira de lidar com as coisas que não podiam ser traduzidas em linguagem.

Por fim, a galeria Gomide & Co levará para a TEFAF New York uma cuidadosa seleção de trabalhos de artistas como Mira Schendel, Hélio Oiticica, Ivan Serpa, Lygia Clark, Lygia Pape, Willys de Castro e Sergio Camargo. O recorte de obras apresentado pela galeria, que está em sua quinta participação nesta feira, é representativo de um trabalho minucioso e comprometido em mostrar peças significativas da história da arte brasileira.

Compartilhar: