Do Palco às Ruas | Centro Cultural São Paulo

MODA: JAL VIEIRA | FOTO: RAQUEL ESPÍRITO SANTO

Documentário, videoclipe, exposição e catálogo digital são a sequências das entregas construídas a partir da performance “Do Palco às Ruas”, um projeto do Centro Cultural São Paulo, em que modelos e estilistas negros, indígenas e trans apresentaram figurinos do acervo do Theatro Municipal, em dezembro de 2020.

Entre os dias 02 a 08 de março, o filme “(Re)Construindo Memórias”, dirigido e roteirizado pela Black Pipe Entretenimento, que documentou e ouviu o relato das personagens que viveram essa história e o clipe Re-Sankofa, concebida pelo Coletivo Coletores e dirigido por Toni Baptiste, que apresenta em um cenário afrofuturista uma narrativa de reconexão entre comunidades e apagamentos históricos. Ambos serão  exibidos na sala de cinema Lima Barreto, em sessão limitada, atendendo os protocolos de segurança em razão da pandemia da COVID-19.

Na ocasião, será disponibilizado um QRcode ao público para acessar o catálogo digital “Do Palco às Ruas”. O material também está disponível para download gratuito no site da instituição.

A imersão nos figurinos do Theatro Municipal e a experiência viva de um acervo histórico da cultura brasileira resultam, também, na mostra de trajes de cena que será aberta ao público no dia 09 de março, no Piso Flávio de Carvalho do CCSP.

“O projeto do palco as ruas é uma maneira refrescada e contemporânea de tratar a memória da cultura brasileira, uma vez que ele vem desdobrado de forma transversal em diferentes linguagens, formatos e plataformas. Do videoclipe ao documentário; dos stories à fotografia de moda, passando pela exposição física das peças de alto valor histórico”, diz Erika Palomino, Diretora do Centro Cultural São Paulo.

Participam do projeto os times compostos por:

Fotografia: Edgar Azevedo, Karla Brights, Pedro Pinho, Rafa Kennedy, Raquel Espírito Santo e Rodrigo Ladeira.

Moda: Alexandre dos Anjos, Day Molina, Diego Gama, Eduardo Araújo Silva (DUDX), Fabio Costa, Hisan Silva, Jal Vieira, Lu Big Queen, Novíssimo Edgar, Pedro Batalha, Rafa Silvério, Suelen Ingrid, Suyane Ynaya, Vicenta Perrotta e Weider Silveiro.

Beleza: Alma Negrot, Helder Rodrigues, Magô Tonhon, Rapha da Cruz e Agáta Ignácio, Max Weber, Mika Safro e Vale Saig.

O Centro Cultural São Paulo apresenta a performance Do Palco às Ruas, um projeto em que modelos vestem figurinos do acervo do Theatro Municipal pela primeira vez fora dos palcos. Essa programação, que mistura tempo, contexto e representatividade, é uma iniciativa da Curadoria de Moda do CCSP e vem sendo planejada desde o ano passado.

O projeto faz parte de um extenso trabalho de pesquisa sobre os figurinos de produções líricas e de dança do Theatro Municipal de São Paulo, que soma mais de 18.000 peças de vestuário, formando cerca de 5.000 trajes completos. São peças que, quase em sua totalidade, foram apresentadas publicamente apenas nos palcos (as mais antigas datam de 1948). Do Palco às Ruas visa extravasar esse acervo mágico, rico e único, aos olhos da população, e à luz das linguagens do vestir contemporâneo.

Numa primeira etapa, ainda em 2019, foram selecionadas 745 peças, entre setembro e janeiro de 2020. Para compreensão do contexto da produção artística, também foram elaborados textos orientadores sobre a caracterização cênica do conjunto de figurinos. Numa segunda etapa, a diretora do CCSP, Erika Palomino, editou 141 trajes de cena e acessórios. Posteriormente, entre maio e setembro de 2020, as peças foram catalogadas por uma equipe coordenada pela antropóloga e pesquisadora Vivi Junqueira conforme as instruções de tombamento do acervo e também receberam a chamada Representação Descritiva, que é o método utilizado para construir a referência cenográfica da vestimenta e também para fins de catalogação.

Por fim, foram editados 80 figurinos, que serão registrados em foto, vídeo e apresentados num backstage instalado na Praça das Bibliotecas onde modelos e convidadas(os) serão produzidas(os) por 17 times de moda e beleza para diversos shootings que acontecem simultaneamente por todo o CCSP. Durante a programação, o público frequentador poderá também acompanhar essa grande performance, fazer parte dela, e viver essa sensação de proximidade real com os figurinos.

“Do Palco às Ruas” é também uma maneira contemporânea de olhar para a memória, para a necessidade de preservação e para a produção cultural de São Paulo, tirando o processo acervístico do lugar do passado e mostrando suas engrenagens para novos públicos.

Quais corpos/classes vestiam ou podiam ver esses trajes? Que significados podem surgir quando outras configurações sociais, de corpos e vivências se apropriam dessas roupas, e as usam? Que questões esses deslocamentos de uma roupa pensada para um palco até então tido como “de elite” provocam ao serem vestidos na/para/pela rua?

Do Palco às Ruas promete causar diferentes reações, acontecendo durante o fim de semana da Virada Cultural  2020, em que passado,  presente, teatral e cotidiano se misturam. Os registros da performance serão disponibilizados online, em tempo real, pelo IG do CCSP e na forma de catálogo (online e impresso), além de um videoclipe realizado pelo Coletivo Coletores e um documentário, realizado pela Black Pipe. Os trajes de cena mais antigos serão apresentados em forma de exposição em uma vitrine no CCSP, em 2021.

Dentre os looks da performance estão, do acervo do Balé da Cidade de São Paulo: Paraíso Perdido, Perpetuum; Antiche Danze, Sagração da Primavera; Um Passo Acima; Baile na Roça; Giselles; do acervo da Ópera do Theatro Municipal vêm Dom Carlo (Gabriel Vilela); Madame Butterfly (Tomie Ohtake/Fábio Namatame); Ariadne em Naxos (Marcelo Marques); Turandot (Sofia di Nunzio); The Rake’s Progress (Mira Haar); Falstaff (Fabio Namatame); O Morcego (Olinto Malaquias); O Rouxinol (Fernando Anhê); Scheherazade (Fernando Anhê), e Orfeu (de Naum Alves de Souza).

MODA: LU BIG QUEEN | FOTO: RODRIGO LADEIRA

Compartilhar: