Diego Arregui apresenta "Armadilha para distender o espaço" na Zipper Galeria

A primeira exposição do projeto Zip’Up em 2015 inaugura também uma nova tendência nas atividades da Zipper Galeria, que passa a promover o intercâmbio internacional. Paralela à exposição de James Kudo, o artista peruano Diego Arregui foi convidado pela curadora Denise Gadelha a fazer sua primeira individual no Brasil.

O projeto de Arregui intitulado “Armadilha para distender o espaço” apresenta uma instalação que instiga a constatação da ambiguidade nos processos perceptivos. Sua proposta estabelece jogos visuais que confundem a noção de profundidade, dificultando a distinção entre o que está dentro e o que está fora; aquilo que é inerente à representação ou que habita a realidade compartilhada. Revela com simplicidade poética o quanto a especificidade do ponto de vista fatalmente condiciona o entendimento.

O artista explora um jogo entre planos bidimensionais que flutuam no espaço, reconstituindo a totalidade da imagem pela soma cognitiva de suas partes. A imagem decomposta reproduz fisicamente o espaço original dos ambientes fotografados, de modo que a projeção dividida em três planos distintos produz intervalos que podem ser percorridos pelo público, convidado a circular, literalmente, no interior da imagem.

Sobre o artista

Diego Arregui é peruano, nascido em 1987. Atualmente vive e trabalha no Chile. É formado em fotografia pelo Centro de la Imagen em Lima. Ao longo de seus estudos desenvolveu instalações experimentais que estabelecem diálogo entre a fotografia e outras artes, sobretudo a escultura, performance e arquitetura. Em Wall-Branco realizou uma ação performática que consistia em construir para logo a seguir destruir uma parede museológica diante do publico. Este trabalho foi apresentado em conjunto com Deconstruyendo el Tiempo/Espacio: Chuyillache na galeria The Edge em Lima no ano de 2012. Participou da exposição inaugural do espaço El Borde no Centro de la Imagen em Lima, 2011. A defesa de sua monografia ao final do curso também foi exposta em El Borde, compartilhando o desdobramento da pesquisa iniciada ali no ano anterior, agora intitulada Arqueologia Contemporânea: Chuyillache.

Sobre a curadora

Denise Gadelha nasceu em 1980, Belém, PA. Vive e trabalha em São Paulo. É mestre em Poéticas Visuais pelo Programa de Pós Graduação em Artes Visuais da UFRGS. Em 2012 cursou o programa intensivo de Art and Business no Sotheby’s Institute of Art em Londres. Atua como artista, professora e curadora. Em 2014 participou da II Bienal de Fotografía de Lima apresentando a individual DúO na Galeria El Ojo Ajeno. Nesta mesma bienal foi co-curadora da exposição Brasil: voces en la multitud, Ana Sala Inca Garcilaso, em Lima, Peru. Ainda em 2014 curou a exposição Vertigo realizada na SIM Galeria e a individual do artista espanhol Isidro Blasco intitulada Descontrução da Paisagem no MuMA, ambas em Curitiba.

Serviço

Abertura: Terça-feira, 24 de fevereiro, das 19h às 22h
De 25 de fevereiro a 21 de março, 2015
Segunda a sexta das 10h às 19h
Sábados das 11h às 17h

 

Compartilhar: