Dico Kremer – Museu Oscar Niemeyer

O Museu Oscar Niemeyer (MON) apresnta a exposição “Gente no MON”, do fotógrafo Dico Kremer. Realização do próprio Museu, a mostra poderá ser vista na Sala 7. Com curadoria do professor Fernando Bini, 84 fotos foram selecionadas entre mais de 5 mil imagens de visitantes anônimos do MON entre março de 2016 e novembro de 2019.

“Apresentar esta exposição no momento de reabertura do Museu nos faz hoje refletir ainda mais – e de uma forma diferente – sobre o valor das cenas registradas por Dico”, comenta a diretora-presidente da instituição, Juliana Vosnika. “Imagens que traduzem sentimentos, momentos singulares e valiosos para tantas pessoas nos trazem a certeza, mais do que nunca, de que nada substitui a visita presencial ao Museu”, diz.

Com mais de 50 anos de fotografia, Dico Kremer pode ser considerado um observador nato de pessoas. Sempre atento às artes, ele conta que, nos muitos anos em que viveu na Europa, foi frequentador assíduo dos principais museus de vários países e sentiu despertar o interesse pela reação dos visitantes às obras. “Teve início aí a concepção da mostra que foi concretizada pelo MON”, afirma o fotógrafo.

“Dico é um patrimônio de fotografia do Paraná. Seu olhar, sempre sensível e atento, revela muito sobre o museu e seus visitantes, mostrando o espaço como um organismo vivo”, diz a superintendente de Cultura do Paraná, Luciana Casagrande Pereira.

A exposição revela flagrantes de momentos especiais e únicos, como a impressão de alguém ao apreciar determinada obra de arte, que foram eternizados por sua câmera.

 

Reabertura do MON

Após sete meses de fechamento involuntário, o MON reabriu ao público no dia 16 de outubro, com a inauguração da exposição inédita do artista britânico Tony Cragg, que está no espaço do Olho.

Além desta nova mostra e de “Gente no MON”, de Dico Kremer, estão em cartaz no Museu: “Ásia: a Terra, os Homens, os Deuses – Segunda Edição”; “O Mundo Mágico dos Ningyos”; “Luz ≅ Matéria”; “África, Mãe de Todos Nós”; “Museu em Construção”; “Espaço Niemeyer”; “Cones” e obras do Pátio das Esculturas.

Compartilhar: