Livro “Crítica e curadoria dentro do eixo – operação resistência” | Ana Avelar

O programa #GaleriasdoParque, da Casa de Cultura do Parque, promove o lançamento virtual do livro Crítica e curadoria dentro e fora do eixo – operação resistência, da crítica e curadora de arte Ana Avelar. Para debater os textos da publicação e analisar o lugar da crítica de arte na atualidade, a autora conversa com os artistas visuais e Claudio Cretti, Gustavo Von Há e André Parente, a diretora do MAC-USP Ana Gonçalves Magalhães e a organizadora do livro Marcella Imparato. O bate-papo acontece no dia 27 de maio, às 19h, no YouTube e Facebook da Casa.

Durante o lançamento serão levantadas questões relativas à crítica e a curadoria na atualidade, tendo em vista sua possibilidade como ativismo político, seus espaços de experimentação e suas possibilidades de resistência artística.

O livro Crítica e curadoria dentro e fora do eixo – operação resistência é uma síntese da produção crítica e curatorial de Ana Avelar, realizada a partir de 2011, para artistas e exposições, em sua maioria, de São Paulo e Brasília. A coletânea constitui um período de sua trajetória e crescimento profissional como curadora, crítica de arte e professora, ao mesmo tempo que é fruto da circulação dos artistas no sistema brasileiro.

Os textos críticos contemplam artistas considerados “estabelecidos” e outros no início de carreira, ou como diz Ana Avelar, alguns “dentro do eixo, outros fora dele”. Os artistas convidados para a conversa de lançamento, Claudio Cretti, Gustavo Von Ha e André Parente são alguns dos nomes que compõem o livro. Além deles, também estão presentes textos sobre outros artistas, entre eles, André Ricardo – cuja pintura figura na capa do livro -, Cecilia Mori, Camila Soato, Edgar Racy, Fernando Piola, Jaime Prades, João Castilho e Paul Setúbal.

Embora os textos sigam uma ordem cronológica, eles derivam de um compromisso de Ana Avelar com a crítica de arte, inseparável das práticas pedagógicas que buscam ampliar a compreensão e o aprendizado teóricos. “Nossa jornada tem sido uma de resistência e resiliência, aberta ao experimental”, pontua Ana Avelar. O livro, inclusive, vai ao encontro de um pedido de estudantes de crítica e curadoria, que participaram das experiências de produção textual nos laboratórios das disciplinas que ministrava.
Compartilhar: