Comunicação inclusiva para museus: dilemas e possibilidades | Museu do Ipiranga

O setor educativo do Museu do Ipiranga se prepara para atender de forma inclusiva todas as pessoas com algum tipo de deficiência, em sua reabertura, em 2022. Tendo a acessibilidade como um dos principais preceitos do Novo Museu, com recursos para uma fruição integrada, as exposições contarão com recursos como áudio-guias, audiodescrições, vídeo-libras, impressão em tinta ampliada, braile e objetos táteis, além do acesso irrestrito a todo o Edifício-Monumento. Até a reabertura, o Museu reafirma seu compromisso com palestras que visam ampliar a discussão sobre Museus e acessibilidade. Os eventos são transmitidos pelo Instagram do Museu , sem necessidade de inscrição prévia.

A primeira palestra, Pessoas com deficiência trabalhando em museus: desafio ou necessidade?, aconteceu no dia 7 de maio, e está disponível no YouTube da instituição . Nela, o educador cego com atuação no Museu Histórico Nacional, Leonardo Oliveira, partiu de sua experiência como educador e usuário dos espaços museológicos para apresentar suas impressões e reflexões de como essa acessibilidade deve se dar, seus pressupostos e práticas, para que de fato o acesso seja pleno.

E nesta quarta-feira, 26 de maio, às 17h, o tema Comunicação inclusiva para museus: dilemas e possibilidades será apresentado por Desirée Nobre. Professora convidada da UFPel e doutoranda de dois programas de pós-graduação com foco em comunicação acessível, sobretudo para Museus, a palestrante irá compartilhar conceitos relacionados à linguagem simples e à escrita ampliada, ou aumentativa, e as possibilidades de aplicação desses referenciais nos textos e sistemas de comunicação dos museus.
Compartilhar: