Clécio Penedo | Museu Nacional de Belas Artes

Em exposição reunindo cerca de 60 obras, a arte de Clécio Penedo volta a ser exposta no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram, na mostra “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil”, com aberta no dia 24 de outubro, a partir de 15h.

Nesta homenagem a Clécio Penedo (1934-2004), o público vai poder descortinar obras que representam três décadas de sua produção, abrangendo trabalhos dos anos 1970 até os anos 2000. Durante a mostra estão previstas apresentações artísticas, capacitação pedagógica, visita mediada e mesa-redonda.

Pintor, gravador e desenhista, o mineiro Clécio Penedo frequentou de 1954 a 1956, a Escola Nacional de Belas Artes/ENBA, que funcionava no mesmo prédio do Museu Nacional de Belas Artes. A partir da década de 70, desenvolve diversos trabalhos no Centro de Pesquisa de Arte, sob a orientação de Ivan Serpa e de Bruno Tausz, tendo sido aluno dos cursos de gravura em metal e desenho com Eduardo Sued e Aluízio Carvão, no MAM/RJ. Entre seus trabalhos de destaque está o painel “Brasil Colonização e Independência” (1987), que se encontra no acervo do Museu Histórico Nacional.

Sua prolífica carreira sofre um momento de inflexão em 1977, quando o artista recebe um material de propaganda política despertando um interesse pelas questões indígenas, então em voga nas discussões públicas da época. Clécio Penedo passa a pesquisar o tema e a fazer anotações em forma de desenhos que seriam a base para a primeira das séries, intitulada “És tupy do Brasil”, com a presença do índio brasileiro, que o singularizou. Nela os índios se tornam suporte para uma campanha imaginária. A beleza dos desenhos contrasta com o misto de ironia e acidez com que o tema é tratado. Na sequência, Clécio Penedo realiza imagens predominantemente em desenho e colagem, onde se aproximam recortes de notícias de jornais, ilustrações de revistas a seu inventivo desenho.

Depois, numa segunda grande fase de imagens com a presença do índio, Clécio Penedo promove um dialogo deste com grandes nomes da história da Arte, principalmente à europeia, evocando personagens dos quadros de Velasquez, Goya, Picasso, e Miró, entre outros.

Com curadoria de Ayrton Costa, a exposição “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil” contará com um catálogo reunindo textos de Ana Letícia Penedo, André Couto, Ivan Doro, Ronaldo Auad e apresentação de Ayrton Costa, e ainda um site, todos produzidos exclusivamente para a mostra. Para os organizadores, esta exposição é uma oportunidade para o público conhecer e/ou reencontrar a obra de Clécio Penedo.

Compartilhar: