Ciro Schu e Júlio Vieira | Casa Jacarepaguá

A Casa Jacarepaguá recebe a exposição “1UM / 2 DOIS” de Ciro Schu e Júlio Vieira. A galeria, mais uma vez, promove encontros artísticos e provocativos, de estilos aparentemente distintos, mas que trazem uma fusão, um resultado muito interessante.

Ciro e Júlio, de um lado a brutalidade urbana, o trabalho forte e pesado, e, do outro, a suavidade, a delicadeza da natureza.

Ciro Schu – Graduado em belas artes, começou a pintar nas ruas nos anos 90. Desenvolve uma arte abstrata e figurativa, que mistura símbolos e grafias inspiradas nos povos originários das Américas. Fusiona a arte primitiva com a vida contemporânea.

Suas imagens pictóricas são carregadas de formas imperfeitas, predominando o marrom, vermelho e amarelo como se derivados da argila, de pigmentos da terra e da natureza. É nítida a influência da cor “ocre” dos humanos Cro-Magnon da arte rupestre. As esculturas, feitas a partir de materiais recuperados, não negligenciam sua história. Redimensiona, dá nova finalidade e amplia seus significados.

Fora do Brasil, Ciro já expôs seus trabalhos em Los Angeles, NY, Lisboa, Cambridge, Barcelona, Toulouse, Marbella e Anápolis. Outro destaque é a mostra do artista Ciro Schu, que expõe obras realizadas com peças de bicicletas por meio da ocupação Ciclo de Vida, no Sesc Avenida Paulista.

Júlio Vieira – Em sua fase atual, o artista foca na natureza com uma estrutura de cores e escalas advindas da biodiversidade brasileira, predominando tons diversos de verde. Mas, as plantas tropicais e pássaros se confundem com placas de trânsito, faixas de pedestre, carros, e elementos “domésticos” (escadas, rádios, filtros de barro, banquetas, etc) em uma distribuição espacial não racional.

Proporções absurdas entre estes elementos urbanos e da natureza convivem com quadrados pixelados, tramas de xadrez, pontilhados, triângulos e elementos geométricos que não fariam sentido do ponto de vista racional. Júlio reinventa estas realidades pacatas com suas cores, formas e texturas.

Sobre os artistas, o sócio da Casa Jacarepaguá e curador da exposição, José Brazuna, revela: “Acompanho o trabalho dos dois faz muito tempo, e confesso que nunca imaginei esta parceria. Quando soube, inclusive, fui bastante cético a respeito. Não apenas do ponto de vista artístico, mas, também não via elementos de personalidade comum entre os dois. Mas, a arte foi feita para nos enganar. E o ser humano também”. “O resultado engrenou de uma forma tão forte, que para mim foi uma das parcerias criativas – e humanas – que mais me empolgou em 2019. Fiz questão de começar 2020 com esta explosão de inventividade na Casa Jacarepaguá. Ciro e Júlio são uma combinação artística que vai dar ainda muito o que falar nesta nova década. Recomendo, não deixe de conhecer”, complementa.

Dedicada ao universo do street art, a Casa Jacarepaguá, criada em 2015, realiza diversas exposições da cena e já participou de feiras como Feira Parte 2016 e 2017, SP-Arte 2018 e Arte-BH 2018. Artistas como Sérgio Free, Senk, Ciro Schu, Caligrapixo, Gen Duarte e Fabio Biofa já ocuparam a galeria, que hoje está instalada em um galpão de 400m², com pé direito de 8m, localizado no Butantã, bairro de São Paulo – SP.

“A Casa Jacarepaguá tem em seu DNA o street art. Temos orgulho de estar 100% focados neste mercado, e ter o prazer de promover encontros como estes, de artistas de origens díspares, mas, com obras que conversam tão bem entre sí”, diz Brazuna.

Compartilhar: