Chama o bloco | Bianca Boeckel Galeria

A exposição coletiva “Chama o bloco” com abertura no dia 08 de fevereiro traz 20 fotografias de 6 artistas, com curadoria de Francisco Almendra. De acordo com o curador uma nova geração de fotógrafos começou a acompanhar o movimento nas ruas “Seus pontos de partida variam: uns registrando informalmente a folia entre amigos, ou fazendo da fotografia o eixo central de suas próprias personagens-fantasias individuais; outros trazendo um olhar fotojornalístico para a cena que ganhava corpo e pedia para ser eternizada.”

A tecnologia de realidade virtual entra em cena como ativação de experiência sensorial. Os visitantes, ao colocarem os óculos, transportam-se para outra realidade – entram em um dos tradicionais blocos do carnaval carioca, só que, virtual, e com uma proposta inusitada. “Chama o Bloco” apresenta um desafio: é preciso dançar para chamar o bloco, caso contrário o espectador permanece sozinho na ilha de Paquetá. O desejo de ver o desenrolar da festa requer o compromisso de se expor, da mesma maneira que os integrantes dos blocos fazem todos os anos com sua ousadia lúdica. Este convite-desafio nos instiga a enfrentar nossos próprios medos: a exposição ao desconhecido, o medo de não saber dançar, o julgamento daqueles que nos observam de fora, o temor de se entregar sem garantias. São as mesmas questões enfrentadas – e vencidas – por todos que fazem parte do Carnaval alternativo.

Compartilhar: